segunda-feira, 25 de novembro de 2013

RITOS DE ENTREGA NA CATEQUESE

Outro dia, em nosso grupo de catequistas no Facebook, um catequista fez um questionamento a respeito de um comentário meu numa postagem sobre as os RITOS DE ENTREGA NA MISSA: "Colocando "ritos" demais na liturgia, corremos o risco de banalizá-la...". Me perdoe, não compreendi seu ponto de vista, poderia esclarecer? Obg. Sou catequista do crisma na comunidade São Francisco de Assis e novo nessa caminhada."

Eu até demorei um pouquinho a responder, porque queria dar uma resposta mais “elaborada” a ele. E esta, com certeza é uma questão interessante.

A catequese de INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ, que costumamos chamar de IVC simplesmente, pede que se faça um "retorno" aos primeiros tempos da nossa Igreja, à Igreja construída pelos apóstolos de Cristo nos primeiros séculos. 

Obviamente que este "retorno", carece de atualização aos tempos atuais. Então, temos orientação da Igreja e de vários padres estudiosos do tema, para que se faça uma catequese de "inspiração catecumenal", lembrando alguns preceitos do CATECUMENATO, como era chamada a catequese naquele tempo. Estas orientações estão no DNC – Diretório Nacional de Catequese, no Documento da Conferencia de Aparecida e pode ser estudado nas publicações da CNBB, principalmente no Estudo 97 e na 3ª Semana Brasileira de catequese. Vários autores também se dedicam ao tema: Pe. Antonio Lelo, Pe. Luiz Lima, Pe. Lucio Zorzi, Ir. Israel Nery,  Pe. Leomar Brustolin, Pe. Almeida e vários outros.

O que eu considero (pessoalmente), o grande "entrave", para nós catequistas, a respeito da IVC, é que ela é destinada principalmente a catequese de adultos e ao "resgate" dos adultos que foram catequizados, receberam os sacramentos e, no entanto, a gente percebe que não foram devidamente evangelizados. Estão afastados da Igreja e da comunidade, e só retornam mesmo para receber algum sacramento. Não existe mais pertença alguma à comunidade.

E nós, tão acostumados a catequese com crianças (e no máximo, adolescentes e jovens até os 15, 16 anos), nos vimos, de repente, no "olho do furacão". A máxima de que: "criança se acolhe e se evangeliza adultos", tem dado um nó na nossa cabeça. Preocupadas com esta nova evangelização, as pastorais catequéticas assumiram, sozinhas praticamente, a tal IVC... que é para adultos mas a gente quer adaptar à catequese das crianças... 

E aí vem o: Como? Onde? De que forma?

Isso tem sido uma confusão só e temos vários casos acontecendo:

1 - Algumas dioceses e algumas paróquias, isoladas até, tem tomado "pé da coisa" e entendido que, para se voltar à Catequese Catecumenal ou para se implantar uma IVC de verdade, é preciso uma "reviravolta" inteira da Igreja: CPP, presbíteros, todas as pastorais, grupos e movimentos; precisam se envolver para que isso funcione, não só a catequese como uma pastoral "isolada". E devagar estão fazendo a IVC acontecer.

2 - Encontramos também algumas "implantações" da IVC aos moldes das próprias dioceses. Adaptações desta ou daquela orientação às características locais, com nomes os mais diversificados possíveis.

3 - Outras, no entanto, tem se voltado exclusivamente para a "implantação dos ritos" descritos no RICA (Ritual de Iniciação Cristã de Adultos), livro litúrgico da Santa Sé que disciplina a liturgia da Iniciação Cristã Catecumenal. 

4 - E a grande maioria nem sequer sabe do que estou falando.

Bom, por aí se vê, o quanto é difícil falar de uma realidade tão equidistante uma da outra. Mas, a minha fala de que "excesso de rito banaliza a liturgia" se deve principalmente ao 2º e 3º casos que citei. 

Tem se cometido alguns equívocos misturando um pouco a utilização do RICA e a implantação de uma catequese mais "mistagógica". Vamos "separar" um pouco os dois:

O RICA, Ritual de Iniciação Cristã de Adultos, disciplina os ritos da Iniciação cristã e os sacramentos que fazem parte dela: batismo, crisma e eucaristia. E tem também, para se adequar a realidade de hoje na Igreja, um capítulo destinado à iniciação de crianças em idade de catequese. Estes ritos fazem parte da catequese mistagógica. Mas, não é só isso que faz uma catequese mistagógica.

A "catequese mistagógica" pede que se volte a "conduzir" os catequizandos ao mistério da fé. Mistério este que prescinde de simbologia, ritos e uma volta ao sentido do "sagrado". Para isso encontramos várias orientações de celebrações catequéticas. Celebrações, ritos e momentos orantes, que podem ser feitos nos encontros de catequese e não só na celebração da missa com a comunidade.

Precisamos pensar que a Liturgia da nossa Igreja - e aqui vou simplificar para "missa" - tem suas orientações e sentidos. Ela é sagrada, milenar e regida por orientações específicas. Nem todos os "ritos" e "entregas" da catequese, "cabem" nela. O que cabe, está descrito no RICA. Mas, o que vemos em alguns casos é entrega de tudo que se possa imaginar, feitos na missa: mandamentos, sacramentos, dons do Espírito Santo, Bem Aventuranças, mandamento do amor... etc., etc.

E aqui cabe um pequena explicação: a IVC prevê o catecumenato em quatro tempos: Pré-Catecumenato ou primeiro anúncio; Catecumenato (catequese e tempo mais longo); Purificação ou Iluminação (Quaresma) e; Mistagogia (tempo pascal onde se inicia o serviço pastoral/missionário). Entre estes "tempos", temos as três grandes passagens de etapa. 

E cada um destes tempos, prevê etapas a serem cumpridas. Depois do pré-catecumenato (conversão), o candidato é acolhido na comunidade e se faz o Rito da Admissão (acolhida) - 1ª ETAPA; ao se passar do Catecumenato (catequese) para a Purificação, é feita outra "eleição" aos sacramentos - 2ª ETAPA; e na purificação é feita uma preparação especial nos domingos da quaresma para que no sábado santo se receba os sacramentos da iniciação. Vejam só, os SACRAMENTOS recebidos aqui é o marco da passagem ao último tempo - 3ª ETAPA, chamado de mistagogia, onde se aprofunda e se mergulha no mistério cristão, no mistério pascal, na vida nova e onde se faz uma vivência na comunidade cristã para, então, adaptar-se a ela e ser um verdadeiro discípulo missionário de Cristo.

Durante o tempo do catecumenato (Catequese) o RICA prevê algumas entregas de símbolos: 
- NA ADESÃO (passagem do pré-catecumenato ao catecumenato): entrega da Palavra (Bíblia), aqui, no rito da acolhida (descrito também do RICA), pode ser entregue uma cruz ao candidatos;
- NO CATECUMENATO: entrega do SÍMBOLO (Credo), entrega da ORAÇÃO DO SENHOR (Pai Nosso), precedidos de uma catequese adequada sobre isso.

Pronto. Não existem mais "entregas" de símbolos previstos no RICA.

Existem sim, vários RITOS que podem ser feitos: Rito do Éfeta, Rito da Unção, Exorcismos (orações), Bênçãos, rito penitencial, Escrutínios (são feitos três a partir do 3º domingo da Quaresma).

Vale uma orientação para que todos procurem o RICA para conhecer a beleza dos ritos de iniciação cristã de nossa Igreja. Lembrando sempre que o RICA é um LIVRO LITÚRGICO de apoio à catequese de Iniciação a Vida Cristã, com orientações preciosas de catequese, mas, não disciplina o que é a catequese. E não se pode seguir um "ritual" sem que se faça catequese antes. E nem se pode "inventar" entregas de símbolos nas celebrações litúrgicas (missa).

É claro que podemos enriquecer muito nossa catequese valorizando as grandes colunas da nossa fé: Mandamentos, Sacramentos, Bem Aventuranças; fazendo celebrações CATEQUÉTICAS, ou seja, celebrações nos encontros de catequese: com o grupo, com a presença de um diácono ou até do padre, com a presença da família, padrinhos; sem que estas envolvam necessariamente toda a comunidade e mude a liturgia da Missa. O catecumenato há muito foi abandonado pela nossa Igreja, nem mesmo nossos pais e avós conhecem os ritos usados pela Igreja da antiguidade. Sempre que possível, fazer uma catequese com a família sobre a simbologia e os ritos que pretendemos resgatar. 

Enfim, é isso que eu quis dizer com "excessos de ritos e entregas banalizam a missa e a liturgia". As entregas dos símbolos e os ritos da iniciação, são especiais demais para que se faça "por fazer", somente porque é "bonito". A comunidade precisa sentir o quão especial são os ritos e entregas e não achar que é um ritualismo desnecessário e "demorado" que algum catequista "inventou". Infelizmente muita gente vai á missa com o tempo "cronometrado" no relógio. A nós, cabe fazer com que eles se "apaixonem" pela nossa Igreja e queiram voltar sempre e não, se aborrecer com a demora em acabar a celebração.

Outra coisa: os ritos do catecumenato foram pensados, em princípio, PARA ADULTOS, maduros, conscientes do que querem para si. Nós fazemos catequese com crianças que, muitas vezes, ainda não tem capacidade e maturidade para entender o mistério da fé e não sabem exatamente, que "escolha" estão fazendo agora. Cabe aqui, nossas orações para que estes ritos e entregas sejam momentos "marcantes" o bastante em suas vidas para que eles busquem sempre conhecer e aprofundar a sua fé.


Catequista

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO