quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Homilia do Domingo


Homilia da Festa do Batismo do Senhor – A

João Batista batizava para o perdão dos pecados, visando preparar a todos para a vinda do messias. O Evangelho de Mateus manifesta a surpresa do Batista que não aceita dispor do rito ao próprio Jesus. Se alguém tinha que batizar ali era o Messias. Então, por que Jesus foi batizado?

Jesus se deixou batizar para se tornar solidário aos pecadores. Mesmo sem pecado, Jesus deseja estar no meio dos pecadores. O Senhor quis descer para resgatar a todos: o caminho da salvação é o rebaixar-se e encontrar o caído onde ele está.
Jesus se deixou batizar “para cumprir toda a justiça”: para que o Plano da Salvação se cumpra. Ele veio para realizar a vontade do Pai, para cumprir as profecias. Cumprir a justiça, para Jesus, é doar a vida a todos.


Jesus se deixou batizar para que o Espírito marcasse o início de sua missão. O Batismo de Jesus é marcado por um sinal de manifestação de Deus que o declara o “filho amado”. A ação do Espírito faz dele o “ungido” do Pai: é o Cristo (=Messias, ungido, enviado), aquele que recebeu a missão de entregar-se pela humanidade. “Jesus de Nazaré foi ungido por Deus com o Espírito e com poder. Ele andou por toda a parte fazendo o bem e curando...” (At 10,38).

O Batismo cristão, mais do que lavar a sujeira do pecado, é o sacramento que nos faz participar da mesma unção do Cristo. Somos também selados pelo mesmo Espírito. Desde o Batismo recebemos o nome de cristãos (=enviados, ungidos). Também o termo crismar é semelhante ao termo Cristo, e também significa ungido e enviado. Nossa vida cristã é uma identificação com a missão de Jesus Cristo, este é o grande significado do Batismo que precisamos ressaltar.

A missão do Messias e de todos nós é resumida por Isaías: “ser luz das nações, abrir os olhos dos cegos, tirar os cativos da prisão, livrar do cárcere os que vivem nas trevas” (Is 42,7). Esta missão não é realizada pela força. A imposição fundamentalista que obriga, oprime, sufoca e exige não está nos planos de Deus. O servo anunciado pelo profeta Isaías é tão suave e manso que não quebra a cana que está quase rompendo, nem apaga a chama que quase se apaga. Sua voz não é uma gritaria pelas ruas, mas é marcada pela ternura.

Que neste dia, seja renovada a nossa unção de filhos e filhas de Deus. Que possamos ser luz para o mundo, orientação para os que precisam de um caminho seguro e promotores da liberdade para todos os que residem na escravidão. Que nossa ação no mundo se realize pela mansidão e ternura, tão necessárias no mundo do ódio e da intolerância.

Pe. Roberto Nentwig
Arquidiocese de Curitiba

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO