sábado, 21 de junho de 2014

Catequese hoje: limites e tendências (1)


Um dos pontos de estrangulamento de nossa catequese – lamentavelmente não é o único – tem sido a dificuldade de traduzir a reflexão teológica, tão ampla e generosa, numa linguagem catequética que fale, de fato, ao coração dos catequizandos. Entendemos aqui por linguagem catequética a comunicação entre catequistas e catequizandos e o modo como se dá essa comunicação, ou seja, a pedagogia que norteia os encontros. Essa comunicação tem sido bastante confusa porque tem se baseado em categorias que já deviam ter sido superadas, em razão de todo o avanço da reflexão teológico-catequética. Diante disso, precisamos buscar o modo adequado de compreender certas tendências da catequese hoje.
As perguntas que todo catequista se faz são mais ou menos as seguintes: Como vou traduzir a teologia catequética – presente em tantos documentos bonitos da Igreja – em linguagem que se preste à comunicação com os catequizandos? Como vou fazer uma catequese com tais características? Como deve ser a pedagogia do encontro, para que a catequese realmente fale ao coração das pessoas?

O catequista, cheio de boa vontade, vai a um encontro e lá aprende que a catequese precisa assumir as angústias do homem moderno. Mas quando o catequista volta à paróquia e se vê diante de sua turma, ele se sente perdido e interroga a si mesmo: “Como é que se assume a angústia desses catequizandos?”. Ou ainda: “A catequese precisa valorizar profundamente a dimensão afetiva da pessoa, mas, na prática, o que preciso fazer, na hora do encontro, para valorizar essa tal dimensão afetiva?”.

A questão que parece precisar de esclarecimento é a seguinte: A quem compete fazer essa tradução da reflexão teológica em linguagem catequética, construindo uma pedagogia adequada? Em nossa opinião, isso é função dos roteiros catequéticos. Esses roteiros têm o objetivo de organizar pedagogicamente a fé que a catequese deseja transmitir, pois a catequese lida em primeiro lugar com a transmissão da fé. Se o roteiro favorece uma boa comunicação da fé, teremos a porta aberta para que o catequizando faça sua experiência cristã de Deus.

Com relação aos roteiros, há pelo menos dois problemas:
Primeiro: a fobia de roteiros. Em muitos lugares, há um preconceito contra roteiros. Uma verdadeira roteirofobia. Dizem que não se pode dar tudo pronto para o catequista, que o catequista não pode se contentar com uma catequese livresca, que nenhum roteiro é completo, e por aí vai. Esse modo de pensar pode até ter certa razão. Mas parece que os roteiros acabam sendo importante auxílio pedagógico para a prática da catequese. Se cada catequista tiver que pesquisar e preparar encontros, partindo somente de suas teorias e sua prática eclesial, sem um instrumento didático, então a catequese jamais será coerente e orgânica, além de correr o risco de não transmitir a genuína fé, professada, celebrada e vivida pela comunidade-Igreja. Não é que não valorizemos o catequista. É até o contrário. Por valorizar o trabalho dos catequistas, julgamos de fundamental importância fornecer a eles material pedagógico adequado ao seu trabalho. Esse material, além de ajudar na unidade de todo o processo catequético, também será um auxílio para a formação do próprio catequista. A função do roteiro não é tirar a criatividade do catequista, dando tudo pronto, mas organizar metodologicamente a fé que a Igreja professa, celebra e vive; tudo isso dentro das categorias que as reflexões catequéticas vão pontuando nos documentos.

Segundo: a linguagem dos roteiros. Outro problema que surge com os roteiros existentes, pelo menos com grande número deles, é que utilizam ainda categorias antigas para falar de coisas novas. Há uma distância enorme entre as reflexões teológicas e o conteúdo de certos roteiros oferecidos aos catequistas. A maior parte dos roteiros ainda centraliza a catequese nos sacramentos, não indo muito além do esquema Dogma-Bíblia-Igreja. Então, o catequista encontra nos documentos reflexões interessantes, mas ao dar seus encontros vai partir do roteiro e não das teorias. Esse descompasso entre reflexão teológica e roteiro didático é outro ponto por onde nossa catequese se derrama.

Julgamos importante elaborar roteiros pedagógicos que assumam novas categorias para trabalhar a transmissão e o amadurecimento da fé. Isso não é fácil nem ranqüili, porque os pastores da Igreja se assustam quando pegam determinados subsídios catequéticos e não enxergam de imediato os sete sacramentos, os dez mandamentos, os sete pecados capitais, as orações dos cristãos e coisas assim.

Do ponto de vista pedagógico, sabemos que uma linguagem codificada em categorias antigas terá dificuldade de penetrar no coração dos catequizandos. Mas tudo é questão de código. Isso é admitido com ranqüilidade pelos documentos da Igreja. O Estudo da CNBB 53 – Textos e Manuais de Catequese – afirma no n. 108: “As formulações da fé têm seus condicionamentos históricos: a mesma fé pode, em situações diferentes, receber formulação diferente. O significado é que deve permanecer”. O mais interessante é que, ao dizer isso, os bispos estão praticamente citando o Concílio Vaticano I, de 1870! Então, é preocupante imaginar que há ainda resistências contra as reformulações da fé. Se não codificarmos nossa doutrina – tão rica! – em linguagem nova, ela será ininteligível.

Trata-se de transmitir o mesmo conteúdo da fé, a boa-nova de Cristo, mas de um modo tal que ela seja acolhida como algo realmente novo e importante para as pessoas do nosso tempo. Para compreendermos melhor essa mudança de categorias, essa recodificação, e para entendermos as tendências catequéticas presentes hoje no cenário eclesial católico, vamos tentar responder às perguntas seguintes, que julgamos de grande importância.

Solange Maria do Carmo
Mestre em Sagrada Escritura e professora da PUC-Minas e Centro Loyola de BH.

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO