quarta-feira, 25 de março de 2015

POR ONDE COMEÇO? Gênesis ou os Evangelhos?

Como deve ser um itinerário de catequese com relação à Bíblia e seus ensinamentos? Como se pode trabalhar o “Seguimento a Jesus” usando os ensinamentos do Antigo Testamento?

Por mais que o catequizando venha de uma família onde tenha recebido os primeiros ensinamentos de fé, devemos começar a catequese "apresentando" Jesus ao catequizando, fazendo-o "acolher" Jesus em seu coração, acreditando nele. É a conversão mostrando as ações Dele nos Evangelhos. E o "seguimento" só vem depois da conversão, para seguir Jesus é preciso então saber "de onde Ele veio", o que fez com que Deus mandasse à terra, seu único filho? Para isso é preciso conhecer a história da salvação contida no Antigo Testamento. No entanto, é preciso frisar que esta etapa da catequese de crianças, ainda não exige um estudo aprofundamento do AT. Pode-se apresentar a criação relacionada ao grande amor de Deus por nós ao nos fazer “senhores” de todas as criaturas e da natureza e, assim, responsáveis por ela. Em seguida o início das alianças com os patriarcas e a história do povo escolhido por Deus: reis, juízes, profetas; mesmo assim, relacionando sempre com os Evangelhos. Depois, numa terceira etapa vem o conhecimento dos sacramentos e da Igreja, ou seja, ali é que se "adere" realmente à causa maior de Jesus, o "Reino de Deus". É trabalhando na comunidade ajudando aos outros e sendo discípulo missionário que se adere de verdade à fé.

Jesus veio para fazer uma "Revelação", que somente por Ele se chega ao Pai. É por meio dos ensinamentos de Jesus que chegamos ao Pai, bondoso, amoroso, que perdoa e cura. Se começarmos a catequese pelo Antigo Testamento, que Deus os catequizandos conhecerão primeiro? Aquele Deus dos patriarcas, exigente e que castiga o homem pelos seus erros, muitas vezes, até sem piedade? Será que é este Deus que converte? Não seria melhor primeiro aprender de Jesus o quanto o Pai é bom e só depois conhecer a caminhada do povo escolhido?

Assim como temos catequistas que acreditam que a catequese deve ser “ordenada” pelos livros da Bíblia, ou seja, do Gênesis ao Apocalipse, muitos acham que focar o Antigo Testamento pode se mostrar sem necessidade. De forma alguma ele pode ser ignorado, afinal, trata-se da Tradição e origem da nossa fé. Mas, é preciso dar o "foco" que se deve, à luz de hoje, do mundo de hoje, da pedagogia de hoje.

Por exemplo: ao falar do Gênesis, valorizar a criação, a natureza, os animais e os homens criados por Deus; ao citar os patriarcas estamos falando de um povo "escolhido" por Deus, de Abraão, de Moisés, que deixaram tudo que tinham por "confiança" em Deus; juízes, reis, como as várias tentativas de se juntar um povo em torno de uma mesma fé; e os profetas como aqueles que vinham preparando o caminho para a chegada do Messias. Tudo tem importância. Claro que algumas leituras são mesmo muito difíceis de entender e podem ser deixadas para quando houver mais maturidade.

Outra coisa, os Mandamentos da Lei de Deus estão entre as bases da nossa fé. E eles estão no AT. Como não falar de como eles foram passados ao homem? Lembra-se de Jesus com os discípulos de Emaús: Ele falava e "explicava" as Escrituras. Que escrituras? As que ele conhecia: a fé judaica, o Pentateuco (Torá) e os profetas. E ainda Jesus falando: ele não veio para desfazer as leis e sim para acrescentar uma nova, o amor.

Ângela Rocha

Catequista

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO