sexta-feira, 20 de março de 2015

TEM UM ITINERÁRIO DE CATEQUESE AÍ PRA ME ARRUMAR?

Ultimamente temos nos deparado com muitos pedidos de ITINERÁRIOS para a catequese, ou seja, que roteiro seguir, que conteúdos abordar, o que, afinal, ensinar às crianças na catequese. E isso vale pra eucaristia, crisma, perseverança, catequese infantil, adultos...

Gente perdoem-me, mas, às vezes, eu acho que vivo em outro mundo, em outro país, em outro planeta... Sei lá. Sem contar que sempre estou voltando a este assunto. Mas, até entendo, sempre temos pessoas novas na catequese e em nosso grupo que ainda não conhecem nossas orientações.

Eu sou da Arquidiocese de Londrina, pertencemos ao Regional Sul II, que congrega as dioceses e arquidioceses do estado do Paraná. Nosso regional tem uma Comissão Bíblica- Catequética, como devem ter todos os outros regionais. Os regionais são uma segmentação feita pela CNBB para melhorar as orientações e os trabalhos dela com relação ás orientações e responsabilidades. Cada regional deve orientar as diversas pastorais, incluindo a catequese, dentro do seu território, direcionando e sugerindo material e conteúdos, baseado no que determina o Diretório Geral de Catequese (DGC) da Santa Sé e o Diretório Nacional da CNBB. As dioceses e arquidioceses possuem também comissões diocesanas de catequese, que orientam as paróquias. 

Em nenhum lugar se pode simplesmente pegar uma apostila de catequese, de qualquer lugar que seja, para adotar na catequese SEM AUTORIZAÇÃO destas comissões. As dioceses podem criar seus itinerários (devem, aliás), mas NUNCA, em hipótese alguma, eu ANGELA, uma simples CATEQUISTA, posso escolher uma apostila pra usar na minha paróquia ou na minha turma, mesmo que eu fosse a coordenadora geral. O que posso fazer, e faço sempre, é buscar material para COMPLEMENTAR OS TEMAS que eu TENHO que trabalhar. Aqui, na arquidiocese de Londrina, é sugerido como roteiro de conteúdos, a coleção Crescer em Comunhão, da Editora Vozes (pelo fato dela estar sintonizada com o que estabelece uma catequese de iniciação à vida cristã). Somos livres para adotar o livro ou não, mas, seguimos o roteiro de TEMAS, orientado por ele.

Eu tenho, em minha biblioteca aqui de casa, em torno de 10 coleções de catequese, entre Eucaristia, crisma, adultos, catequese infantil e outras mais. Tenho inúmeras apostilas de vários lugares, que uso como fonte de referência e de ideias para desenvolver meus encontros. Agora, imprimir para usar com os catequizandos, isso eu não posso e não devo fazer. Como catequista e agente de pastoral eu devo seguir as orientações da Igreja, da minha diocese. E os documentos da Igreja me dizem que TODA DIOCESE DEVE ORIENTAR SUAS PARÓQUIAS. Lá no item 327 do DNC, na alínea d, diz o seguinte: “A coordenação diocesana de catequese, formada por uma equipe, assume tarefas fundamentais como: (...) d) Estabelecer os itinerários e a modalidade da catequese segundo a pedagogia catecumenal para as diversas idades (...)”. E ali são listadas mais 16 tarefas diocesanas com relação á catequese. Caso queiram conhecer mais das RESPONSABILIDADES sobre a catequese é só ler o DNC dos itens 319 ao 330. Vocês vão saber o que cabe ao pároco, à coordenação, as comissões diocesanas, regionais e nacionais. Minha arquidiocese cumpre o que determina o documento e minha paróquia também.

Acontece que muita gente tem me dito que as dioceses não dão orientação alguma, que não fazem diretórios. Agora, elas não fazem ou vocês não sabem se elas fazem? Vocês já foram atrás? Perguntaram ao pároco, ao coordenador de setor, ao coordenador diocesano de catequese? Às dioceses não cabe "fiscalizar", nem fazer "auditoria" pra ver se as paróquias estão fazendo o que devem. São as paróquias que devem buscar orientação. Se ninguém vai em reunião e encontro das comissões de catequese, é difícil saber o que está acontecendo, não é?

Nossa arquidiocese possui um Itinerário que nos orienta a cumprir as "Tarefas da Catequese" determinadas pelo DNC (Diretório Nacional de Catequese, item 53), que é baseado no DGC da Santa Sé, que são: Conhecimento da fé, Iniciação Litúrgica, Formação Moral, Formação para Oração, Formação Comunitária e Formação Missionária. Estas são as seis dimensões que a catequese precisa atingir. No item conhecimento da fé, temos a orientação de 20 temas a trabalhar em cada uma das cinco etapas. Como são mais ou menos 36 encontros por ano, nos outros trabalhamos as festas da Igreja, padroeira, comemorações especiais, eventos extra-sala, CF, mês missionário, mês da Bíblia, etc. Como método usamos o ver-julgar- agir com inspiração da IVC pelo processo catecumenal, privilegiando uma catequese mistagógica e inserida nas outras cinco dimensões. Por exemplo: temos três anos de catequese até o sacramento da Eucaristia; no primeiro ano trabalhamos o "conhecer Jesus", o apaixonar-se por Ele; no segundo trabalhamos a História da Salvação (com alguns tópicos do AT somente) com vistas à conversão, ou o "aderir ao projeto de Jesus"; no terceiro ano, apresentamos a Igreja, a celebração dominical e os sacramentos. Incorporados à estes temas, apresentamos a liturgia, as orações, formação de atitudes cristãs, iniciação a vida da comunidade e missionariedade. Resumindo tudo isso: Somos ORIENTADOS ao que fazer na catequese. O como fazer é que é com a gente.

Então meus queridos catequistas, não botem “chifre em cabeça de cavalo” antes de ter certeza que o bicho existe. Não assumam uma missão que é da Igreja como um todo, completamente sozinhos.

Ah não tem? Então vamos fazer sozinhos. Vamos pegar uma apostila da internet e mandar ver. Vamos escolher uma coleção de uma editora renomada (isso até vai, mas...). Que é isso meu povo? Olha, qualquer catequista que se prese, antes de se meter a uma tarefa dessa grandiosidade, no mínimo deve ter lido o Catequese Renovada (1983) e o DNC (2006), umas 10 vezes cada um, mais uns 200 documentos da Igreja; deve ter pelo menos uns 10 anos de experiência, para pensar (só pensar) em se atrever a escolher um material para sua paróquia ou sua turma.

Ah, mas tem uma apostila maravilhosa que a diocese de “itinerário milagroso” fez, que é ótima! Sim, é ótima... Pra realidade dela, pro contexto social dela, pro conhecimento do povo que vive nela, pra cultura da região dela! Nosso país é CONTINENTAL, enorme! Não dá pra pensar que vivemos a mesma realidade de norte a sul e nem que temos os mesmos interlocutores. E desconfiem de quem tá “vendendo” apostila ou livro que resolve tudo. Isso não existe. O que existe são catequistas responsáveis e comprometidos com a missão que se dispõem a sentar, estudar e adaptar todo o material disponível por aí, à SUA realidade.

E lembrem: catequese não é só conteúdo e doutrina não! É muito, muito, muito mais...

Angela Rocha
Catequista



SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO