sábado, 12 de dezembro de 2015

HOMILIA DO DOMINGO - 3º DOMINGO DE ADVENTO ANO C

“E a multidão o interrogava, dizendo: Que faremos, pois?...” (Lc 3, 10)

Já estamos no terceiro domingo do Advento. Como no domingo passado é a pessoa de João Batista que quer ajudar-nos a preparar, mais uma vez, para acolher a presença do Senhor.

Profeta, é aquela pessoa que tem uma visão clara da vida e da história, que sabe discernir quais coisas estão bem e quais estão equivocadas, porque olha a todas as cosas com os olhos de Deus.

O profeta, como enviado de Deus, não pode ‘tapar o sol com a peneira’, não pode fazer de conta que não viu nada, não pode ter medo de dizer o que está errado. Seu desejo não é estragar a vida de ninguém, ao contrário, é levar a plenitude, é ajudar a ser melhores, sem máscaras, sem enganos, sem equivocações ...

As vezes isto é uma tarefa um pouco dolorosa. Porém o profeta deve ser maduro, e enfrentar a situação. É como quando encontramos uma pessoa que se espetou com um anzol, tirá-lo é momentaneamente doloroso, mas deixá-lo é mortal.

O profeta, como enviado de Deus, não pode dizer ao corrupto, tranqüilo, não tem problema, existem pecados piores que este. Ou dizer ao que desperdiça seus bens, tiveste sorte de nascer rico ou soubeste ganhar muito, então podes usar como te parece. O profeta não pode bendizer ao que explora os demais, dizendo que o importante é que ele está dando emprego a tanta gente. Ou ao pai ou a mãe de família que não cumpre com sua missão, o profeta não pode dizer que o que conta é que não falte a comida ou os outros bens materiais.... e tantos outros exemplos.

As pessoas perguntavam a João Batista: o que eu devo fazer?, E ele respondia muito concretamente a cada um: “o que tem dois mantos dê um ao que não tem, e quem tem de comer que faça o mesmo”. Vieram também os cobradores de impostos para que João os batizasse. Lhe disseram: ‘Mestre, que temos que fazer?’ Respondeu João: ‘Não cobrem mais do devido.’ A sua vez uns soldados lhe perguntaram : ‘E nós , que devemos fazer?’ João interpelou: ‘Não abusem das pessoas, não façam denuncias falsas, e fiquem contentes com os que lhes pagam.”

Penso que neste domingo cada um de nós deveria apresentar-se diante de João Batista, perguntar-lhe que coisa devo fazer para preparar-me ao encontro com o Senhor?

Estou seguro que através de nossa consciência, ele nos dirá exatamente quais ações e atitudes devemos mudar imediatamente.

Eu sei que não é fácil para ninguém, mudar sua própria vida. Até mesmo reconhecer nossos próprios pecados é um processo muito difícil. É por isso que o caminho de conversão é também chamado caminho de penitencia. Pois a verdadeira penitencia, a mais exigente, não é fazer jejuns, caminhadas e abstinências. A verdadeira penitencia é mudar o coração, é mudar nosso modo de ver, é assumir nossos defeitos e lutar por transformar-los. Por isso, esta penitencia é absolutamente necessária se queremos realmente humanizar-nos, se desejamos crescer na graça de Deus, se aspiramos ser plenamente felizes.

O pecado é o caminho da morte. Sutilmente, ele destrói nossas vidas. Nos ilude com uma aparência de felicidade, mas nos corroe, nos consome, nos escraviza.

Preparar-se para o Natal, é muito mais que enfeitar uma árvore, que enviar cartões, preparar luzes, comprar presentes, limpar toda a casa, mandar fazer novas roupas, visitar aos parentes e amigos, comer bem ... Estas são coisas externas, algumas delas puramente comerciais. Uma boa preparação para o natal, sem duvidas é criar a coragem de perguntar a João Batista, de acordo com nossa condição (cobrador de impostos, soldados, médicos, sacerdotes, marido, esposa, pai, mãe, cristão, trabalhador...) o que devo fazer?. 


O Senhor te abençoe e te guarde,
O Senhor te faça brilhar seu rostro e tenga misericordia de ti.
O Senhor volva seu olhar carinhoso e te de a PAZ.

Frei Mariosvaldo Florentino, capuchinho

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO