sábado, 23 de julho de 2016

O PAI NOSSO: ORAÇÃO COMPLETA


“E eu vos digo: pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo aquele que pede, recebe; aquele que procura, acha; e ao que bater, se lhe abrirá. .” (Lc 11, 9-10)
Neste fim de semana a liturgia nos convida a celebrar o mistério da oração e sua importância em nossas vidas.
Um dos discípulos pediu a Jesus que lhes ensinasse a rezar. E Ele lhes ensinou o Pai Nosso e depois lhes fez um discurso sobre a importância da oração.
O Pai Nosso é sem dúvidas, a melhor oração que temos pois nos foi entregue pelo próprio Deus que se fez carne. Às vezes me assusto quando algumas pessoas, ainda que com muito boa intenção, atribuem poderes quase mágicos a outras orações e colocam em segundo lugar a oração do Pai Nosso. Não digo que não tenhamos belíssimas orações, muitas delas feitas por santos, e que nos ajudam a rezar melhor, mas nenhuma se pode comparar àquela que Jesus nos deu.
Nos dizia santa Tereza D´Ávila, que quem quisesse fazer uma hora de boa oração, bastaria usar este tempo para rezar um Pai Nosso, meditando suas palavras, e isto seria já suficiente. Seguramente esta é uma mulher que aprendeu a rezar com Jesus.
O Pai Nosso é um oração completa. Ali damos glória a Deus, não porque Ele tenha necessidade de nossos louvores, mas porque para nós é fundamental reconhecer a sua glória a fim que possamos descobrir quem somos e até onde devemos ir. No Pai Nosso nos abrimos a ação de Deus e expressamos nossa confiança em sua graça. Dizer “faça-se a tua vontade” é muito comprometedor, mas é o único caminho para nossa real felicidade. Dentro deste “faça-se”, lhe apresentamos nossas necessidades: o pão quotidiano; o perdão; a proteção. Mas depois de nos dar esta maravilhosa oração, Jesus insististe muito sobre a importância de rezar.
O tema central de seu discurso é a perseverança. Nossa oração deve ser perseverante. Devemos fazê-la com insistência. Não basta dizer: já lhe pedi uma vez, agora só me resta esperar. É na constância da oração, que reside a sua eficácia. O exemplo que nos dá Jesus, falando do homem que durante a madrugada insiste com seu vizinho até que lhe atenda, se não por amizade, ao menos para não ser mais incomodado, é muito claro. Também nós devemos pedir e pedir, chamar e chamar até que o Senhor nos escute.
Contudo, é importante ter claro que existem três classes de coisas que podemos pedir a Deus:
a) coisas que colaboram para nossa salvação, para nosso crescimento como pessoas;
b) coisas que são indiferentes para a vida em Deus, mas que nos ajudam a ser mais felizes em certas situações;
c) e outras que, ainda que não nos demos conta, nos farão danos ou ao menos colocarão em perigo a nossa salvação.
Com respeito às primeiras, poderemos dizer que Deus é o primeiro interessado em nossa salvação. Este é o presente que ele mais nos quer dar e não negará a ninguém que o peça.
Com relação as segundas, dependerão de nossa insistência, das motivações que tenhamos. Do modo como pedimos. Do quanto realmente são importantes para nós. (Como um pai de família sente prazer em presentear seu filho, em alguma oportunidade especial, alguma coisa que ele sabe que o filho deseja muito porque pede com freqüência, ainda que não seja essencial para sua vida, assim também Deus faz conosco.)
Mas se nós lhe pedimos uma coisa que não nos fará bem, ou que nos pode fazer dano, é natural que ele não nos conceda, ainda que passemos toda a vida insistindo. Deus é nosso pai e quer acima de tudo nos proteger e defender. Assim como os pais se negam a ceder aos caprichos de uma criança pequena que pede lhes uma faca afiada, ainda que lhes peça com lágrimas, também a nós, porque nos ama, Deus algumas vezes nos atende.
Mas não nos esqueçamos, rezar não é somente fazer uma lista de pedidos. É também agradecer, reconhecer os benefícios, conhecer tudo o que Deus já fez e louvá-lo. Oração é acima de tudo um diálogo, não é um monólogo. Devemos estar também dispostos a escutar a Deus, a contemplá-lo, a deixar-nos tocar por ele.
A oração deve se transformar em nossa vida como uma “respiração de amor”.
 
O Senhor te abençoe e te guarde
O Senhor te faça brilhar o seu rosto e tenha misericordia de ti.
O Senhor volva seu olhar carinhoso e te de a PAZ.

Frei Mariosvaldo Florentino, Capuchinho.


 

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO