quinta-feira, 27 de outubro de 2016

SULÃO DE CATEQUESE 2017 – “COMUNICAÇÃO NO PROCESSO DE INICIAÇÃO À VIDA CRISTÔ

E estamos próximos de mais um “Sulão de Catequese”. O “sulão” é um encontro de catequese que acontece entre os estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul. A iniciativa surgiu em 1986, por ocasião da Primeira Semana Brasileira de Catequese, com o objetivo de refletir e atender aos desafios da catequese urbana. O primeiro aconteceu em 1988, em Curitiba, Pr. De lá para cá foram mais sete. Em 2017, acontecerá o IX em Celso Ramos – SC, Arquidiocese de Florianópolis de 15 a 18 de junho de 2017, com o tema “Comunicação no processo de iniciação à vida cristã”, e o lema “Senhor, todos te procuram” (Mc 1, 35-39). São quase 30 anos que acontece o evento.

E como o tema é “Comunicação”, os organizadores pensaram trabalhar como subsídio, ao invés de um livro/manual, doze “Cartas” a serem enviadas às dioceses para estudo e reflexão durante os anos de 2015, 2016 e 2017. Isso para lembrar também o apostolado de São Paulo e suas cartas às comunidades cristãs nascentes. (A “Carta de Apresentação”, está no final da postagem).

Mas, vamos voltar a 2013. Escrevi um texto a respeito. Tinha acabado o "VIII Sulão de catequese", em São Leopoldo – RS. E lá estavam publicados os “Compromissos do SULÃO DE CATEQUESE 2013”. Como acontece nestes encontros, a nível nacional ou regional, são feitas várias conferências e no final os participantes, representando seus regionais, fazem um compromisso de ação para ser levado às suas dioceses. Vejam a síntese do que cada Regional se comprometeu:

Regional Sul 1: São Paulo - Despertar o catequista para o protagonismo de uma Igreja viva, missionária, solidária, criativa, dinâmica e transformadora para sermos o rosto vivo e alegre de Jesus.
Regional Sul 2: Paraná - Que a Palavra soe em seu coração... e ressoe a partir do coração.
Regional Sul 3: Rio Grande do Sul - Comprometimento: Voltemos à Jerusalém, "de dia".
Regional Sul 4: Santa Catarina - Catequista, seu testemunho é e faz memória de Deus. Transmite a fé, fortalece a esperança e vivencia o amor.
Regional Oeste 1: Mato Grosso do Sul - Esperança de evangelizadores que aqueçam o coração e caminhem com as pessoas.

E eu fiquei pensando aqui com meus botões...

Por mais que tenha muito mais por trás destas frases tão bonitas - e muito do que se precisa na catequese não faz parte de tanta poesia - espero que estes sejam só os "títulos" de uma longa lista de ATITUDES a serem tomadas.

Porque, vendo desta forma, novamente se coloca tudo "nas costas" do catequista. Ele é aquele que precisa "ser isso" e "fazer aquilo". Obviamente que o catequista precisa despertar uma Igreja Viva, missionária, solidária, dinâmica e transformadora. Que a Palavra precisa ressoar no coração de cada um, é evidente. Que catequistas precisam dar testemunhos, que são esperança numa Igreja, nem se fala.

Mas, eles precisam se preparar melhor, se formar. E esta formação passa, com certeza, pela tesouraria das paróquias, que precisam formar seus catequistas e, se preciso até, pagar cursos de graduação e especialização em teologia, pedagogia, filosofia, Bíblia, etc. Precisam gastar com material, livro, internet (e formação para uso desta ferramenta) e não esperar que cada um "se vire" como puder, como tem acontecido desde, desde... Sempre!

Fazer um congresso para se discutir "o que é" a catequese? Não seria melhor fazer um para pensar "no que vai ser" a catequese; no que ela se transformou nos últimos anos; nos problemas que ela enfrenta e ainda vai enfrentar (E que este problema não seja, pelo amor de Deus, o padre e a falta de recursos da paróquia!)? E melhor ainda, pensar no GRANDE PROBLEMA que é a mudança de cultura dos povos, de mentalidade, de postura; que tem feito com que tantas pessoas se afastem da Igreja, inclusive, os próprios catequistas. Esse sim, é um grande problema a se resolver. E que o catequista não vai resolver sozinho lá na sua salinha (quando tem essa salinha), com uma turminha de crianças totalmente alheias aos grandes dilemas da fé e da religião. Muito se fala na evangelização e catequese de adultos. São eles que precisam ser re-evangelizados, mas... Que evangelização? Que catequese está acontecendo neste sentido? Continuamos lá na paróquia falando, falando, falando... PRA CRIANÇA! E, esporadicamente, para um ou outro que quer casar na Igreja.

Onde está o compromisso dos PADRES? Dos BISPOS? Das pessoas que poderiam, verdadeiramente, fazer alguma diferença? Onde está a ação verdadeira em promover FORMAÇÃO, ESPAÇO, RECURSOS? Sabemos que muitos catequistas tem o "status" do nome e nada mais além disso.

Falar bonito, todos os documentos falam. A cada dia sai um livro novo, um documento novo, que os catequistas não tem dinheiro para comprar e nem conhecimento e formação suficientes para entender.

Volta-se para a casa depois do congresso, mas... Ainda faltam muitos catequistas, ainda falta espaço na paróquia e os catequistas ainda tem que se sujeitar ao pouco conhecimento que os próprios padres tem de catequese e ainda precisam "obedecer ordens", por mais obsoletas que estejam; ainda tem que comprar seu próprio material e, salvo algumas exceções, não dão palpite em absolutamente nada que se decide na paróquia. Que se fará a este respeito?

Bom seria se, cada um dos bispos, dos regionais além do Sul, de cada diocese do Brasil, em uma "visitinha" básica em cada uma de suas paróquias, sentassem com os catequistas e escutassem DELES, daqueles que realmente se esforçam para fazer catequese, o que é que "tá pegando" lá, o que acontece de verdade nas estruturas das paróquias com relação à evangelização.

Nós sabemos que não tem adiantado muito falar para crianças cujos pais nem sequer pisam na Igreja ou, se pisam, não sabem o que estão fazendo lá. Também não tem resolvido muito fazer catequese em paróquias sem apoio dos padres e das lideranças pastorais. Enfim, estamos, como sempre, fazendo catequese de "manutenção".

Pensei e rezei para que o tema deste Sulão: "Profetismo", finalmente despertasse em nossas lideranças pastorais, o compromisso que a dimensão dessa palavra deveria alcançar: Denunciar e Anunciar. Tomara que eu, ao ler o compromisso de cada regional, apenas tenha lido as primeiras linhas de um extenso documento que gere mudanças. Precisamos delas.

Este pedaço azul aí em cima eu escrevi em 2013. Estamos no final de 2016. Não sei se o meu regional, o Sul 1, fez da poesia “Que a Palavra soe em seu coração... e ressoe a partir do coração”, realidade. Porque não fiquei sabendo o que, afinal, eu deveria FAZER, além de poesia.

Só sei que o Sulão 2017 vem aí, e eu deveria ter recebido nove cartas para refletir, nos últimos 2 anos, e não recebi nenhuma.  Nem esse “compromisso”, as coordenações diocesanas e arquidiocesanas cumpriram. A minha arquidiocese, pelo menos, eu sei que não fez. Se fez foi mal feito porque as coordenações paroquiais desconhecem a coisa. Perguntei a alguns catequistas dos regionais e poucos ouviram falar nas cartas. Raro uma diocese que fez o repasse e a reflexão com seus catequistas.

Vejam o trecho final que o pessoal da “Lumen – Equipe organizadora do Sulão IX” escreveu:

“Depois que receberem a carta, cada coordenador diocesano propõe à sua diocese uma forma de fazer chegar nossas correspondências a todos (as) catequistas e uma dinâmica que favoreça a leitura e a reflexão da mesma.”

O Cronograma das Cartas seguiria no método do catecumenato (em 4 tempos), distribuídos entre os meses de agosto de 2015 a junho de 2017.

????? Onde estão as cartas?

Se a “comunicação” que o Sulão 2017 propõe como tema para o encontro, se der no mesmo ritmo de suas cartas, não sei se o mesmo terá sucesso em seus “compromissos”. Agora, é muito fácil assumir compromisso que ninguém cumpre.  

E, quando forem feitas orações pelo Sulão, é bom torcer para que Deus leve mais a sério a “comunicação” que o encontro quer, do que nós estamos levando.

Ângela Rocha
Catequista


Em tempo: 
Se for só eu que não recebi as ditas cujas “cartas”, me perdoem! Lavo a boca com sabão! 
E me desculpem se a imagem está ruim... o único tipo de arquivo desta "Carta de apresentação" que encontrei foi esse, em imagem. O que mostra o quanto a "comunicação" é foco da coisa...

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO