quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

SER CATEQUISTA: ALGUMAS NORMAS E CRITÉRIOS

Este arquivo, segundo o site Catequese Hoje, faz parte de um Subsídio para Formação de Catequistas do Regional Leste 2 (MG e ES). Ele trata da missão do catequista e de alguns critérios para a admissão de catequistas nas comunidades. Não tivemos acesso ao subsídio na íntegra, já que no final do artigo tem o alerta de que ele está esgotado. Não temos também a certeza de que as dioceses do regional usem em todas as suas paróquias e comunidades. Mas, pela seriedade com que os critérios são tratados, bem de acordo com o que Iniciação a Vida Cristã pede, acreditamos que elas sejam bem pertinentes, já que todas as fases elencadas se assemelham ao Processo Catecumenal de catequese.

SER CATEQUISTA É UMA CONQUISTA

A missão do catequista

Para definir bem alguns critérios e os primeiros passos para ser catequista, é importante relembrar, resumidamente, o que nos diz o documento “Catequese Renovada” (Nº 144-151) sobre a missão e formação catequética:

* O catequista exerce sua missão em nome de Deus e da comunidade profética, em comunhão com os pastores da Igreja.

* Anuncia a Palavra e denuncia tudo que impede o ser humano de ser ele mesmo e de viver sua vocação de filho de Deus.

* O catequista ajuda a comunidade a interpretar criticamente os acontecimentos, a libertar-se do egoísmo e do pecado e a celebrar sua fé na Ressurreição.


Neste sentido, o catequista deve ser uma pessoa que está inserida na caminhada da comunidade eclesial. E não basta ao catequista ter participação em algum “cursinho” de catequese. Faz-se necessário que tenha um espírito de abertura e humildade para estar sempre em busca de uma formação permanente.
É indispensável que o catequista tenha uma experiência pessoal e comunitária da fé para que sua missão possa ser frutuosa.
Além dos cursos de capacitação técnica e didática, é importante que o catequista seja consciente de que participa do trabalho de um grupo com o qual deve se reunir periodicamente para oração em comum, reflexão e avaliação das tarefas realizadas.

Quem pode ser catequista

Devido à grande importância da missão do catequista, fazem-se necessários alguns critérios para que ele possa ser admitido neste ministério.
-Que seja uma pessoa inserida na comunidade em que vai trabalhar (cf. CR 148);
-Que tenha vivência pessoal e comunitária da fé (cf. CR 150);
-Que esteja disposto a trabalhar em grupo e em comunidade (cf. CR 151);
-Que tenha consciência de que foi CHAMADO por Deus (através do coordenador, padre e outros) para um ministério na comunidade;
-Que saiba da importância deste ministério: não é exercido em nome próprio, mas em nome de Deus e da comunidade profética em comunhão com os pastores da Igreja (cf. CR 146).


OS PASSOS A SEGUIR


1. A escolha dos catequistas

A comunidade é a primeira responsável pela Catequese; não é apenas o coordenador ou o padre. Sendo assim, o Conselho Pastoral da comunidade, que deve, com frequência, refletir sobre a Catequese, será consultado ou comunicado para indicação de pessoas a serem chamadas para o ministério catequético. Este mesmo Conselho deverá ser informado quando o catequista for admitido para que isto seja lavrado em ata, guardando, assim, a memória catequética da comunidade.

2. Conversa com o coordenador e o pároco

As pessoas indicadas serão chamadas para uma conversa de orientação com o coordenador de catequese que explicará aos candidatos qual a sua missão.
Os candidatos receberão também uma orientação do padre que está responsável pelo atendimento pastoral na comunidade, para que o futuro catequista saiba que não estará sozinho e que sua missão será interligada à missão do pastor.

3. Ver a disponibilidade de tempo

Nas conversas com o coordenador e o padre, os candidatos serão consultados sobre a disponibilidade de tempo. Para ser catequista não pode ser usado o tempo que sobra. Exige mais! Por isto, os futuros catequistas serão orientados a fazerem uma programação de suas atividades de acordo com o tempo disponível. Para um bom desempenho do ministério catequético é preciso:
-Preparar com cuidado os encontros catequéticos;
-Orientar o encontro semanal com os catequizandos;
-Participar das reuniões mensais de catequistas para estudo, oração em comum, organização do trabalho, avaliação...
-Participar de cursos periódicos para catequistas em nível paroquial e diocesano;
-Participar ativamente nas celebrações litúrgicas da Comunidade.

Especialmente em caso de Catequese de crianças:

-Visitar as famílias dos catequizandos, pelo menos uma vez por ano;
-Visitar, com os catequizandos, os aniversariantes do grupo em sua casa;
-Participar das reuniões com os pais dos catequizandos.

4. IDADE PARA SER CATEQUISTA
Usa-se o bom senso. Se os responsáveis pela escolha de novos catequistas querem uma comunidade madura, esforcem-se para chamar pessoas maduras na fé.
É indispensável para a admissão ao ministério catequético que a pessoa tenha recebido o sacramento da maturidade cristã: a Crisma.

5. Apresentação à comunidade

Os candidatos ao ministério catequético serão apresentados à comunidade numa celebração litúrgica e serão encaminhados para um curso básico de preparação, onde receberão as informações necessárias para o início do trabalho.

6. Tempo de experiência

Após o curso básico, (ou paralelo a ele, se for um curso mais prolongado), os candidatos serão encaminhados para uma experiência com catequistas já atuantes.
Neste período de experiência, os candidatos participarão das reuniões dos catequistas na comunidade para maior entrosamento.

7. Tempo de preparação

A duração da experiência básica para novos catequistas poderá ser de seis a doze meses. A prática em diversas comunidades mostra que diminuir ou omitir este tempo prejudica em muito o desempenho do catequista.

8. Admissão ao ministério catequético

Após o período de experiência, os candidatos terão novamente uma conversa com o padre e com o coordenador para confirmarem se estão dispostos a assumir publicamente o ministério catequético. E serão lembrados ainda que, para deixarem o ministério, deverão justificar-se ao coordenador, ao padre, ao Conselho Pastoral e, publicamente, a toda a comunidade.
Finalmente, os candidatos serão admitidos ao ministério catequético numa missa da comunidade, que será previamente organizada junto com a Equipe de Liturgia. A data pode ser o Dia do Catequista, ou outra que seja significativa para os catequistas e a comunidade. Nesta cerimônia, na qual se confere o ministério catequético e o envio, os novos catequistas receberão um “documento” e farão a leitura de um termo de compromisso com a Igreja de Jesus Cristo presente naquela comunidade. Os que já são catequistas podem ser convidados para serem “padrinhos/madrinhas” dos novos catequistas, aproveitando essa ocasião mais solene para renovarem também seus compromissos no ministério catequético.
Estes são alguns critérios e indicações para conferir o ministério catequético aos novos catequistas os quais poderão ser aplicados integral ou parcialmente e até ampliados conforme a realidade de cada comunidade.

Fonte: Pedra em Lapidação, Catequista em Formação.

Subsídio de formação do Regional Leste 2 (já esgotado).
IRPAC - Instituto Regional de Pastoral Catequética.

O artigo original você encontra em: 


COMPLEMENTANDO:

A grande maioria das Igrejas Particulares (Dioceses), possuem normas e critérios para o catequista. Na Arquidiocese de Brasília - DF, existe um documento "Diretrizes gerais para a catequese" (2002), onde na página 11, encontra-se as seguintes orientações a respeito:

Em virtude da importância do catequista na vida da Igreja, é fundamental que se definam critérios para a sua escolha. Sendo assim e, respondendo aos anseios de nossos padres e catequistas, a Arquidiocese de de Brasília estabelece os seguintes critérios:

"-Ser convidado e entrevistado pelo Pároco para que o futuro catequista saiba que não estará sozinho e que sua missão está interliga à missão do pastor.

-Ter recebido os sacramentos de iniciação cristã: batismo, eucaristia e crisma.

-Ter no mínimo 16 (dezesseis) anos de idade. Os responsáveis pela escolha dos novos catequistas devem usar o bom senso, pois, se querem uma comunidade madura, esforcem-se para chamar pessoas maduras na fé.

-Ter vida sacramental e litúrgica testemunhando, assim, a sua participação na comunidade
.

-Colocar a catequese como prioridade, pois assim, não deixará de participar das reuniões, dos eventos e dos retiros.

-Comprometer-se em aprimorar a sua formação na Escola Arquidiocesana de Catequese- EAC.

-Se constituiu família, que tenha recebido o sacramento do matrimônio.

-Ter disponibilidade de tempo para participar das atividades da catequese, fazendo uma programação que priorize: a formação, a preparação dos encontros catequéticos, a participação em reuniões e em celebrações litúrgicas.

-Cultivar o espírito de obediência e respeito às diretrizes referentes à catequese, tanto em nível da Igreja Universal, quanto em nível da Igreja Particular."

Que tal fazer uma pesquisa para saber se a sua (Arqui) Diocese possui normas para o Catequista?

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO