quinta-feira, 6 de julho de 2017

ROTEIRO DE ENCONTRO: HONRAR PAI E MÃE

Gostaríamos de partilhar com vocês nosso encontro desta semana, onde refletimos o Evangelho de Mateus 11, 25-30. Iniciamos com a seguinte dinâmica:

DINÂMICA DO FARDO 
Material necessário: sacos de feijão, açúcar, sal, arroz, farinha ou qualquer outra coisa que seja pesado. Se preferir, os sacos podem ser encapados com papel/sacola de sua escolha.

PROCEDIMENTO:

• Solicite um catequizando voluntário para participar da dinâmica.
• Depois de escolhido o voluntário, avise que pode pedir ajuda se não aguentar
Com o peso dos fardos.
- Peça para o catequizando estender os braços e entregue um fardo leve (pode ser o saco de sal, por exemplo) e pergunte se está pesado.
- Acrescente o saco de feijão e pergunte se está pesado.
- Acrescente o saco de farinha  e pergunte, está pesado?
- Acrescente o saco de açúcar, e pergunte, está pesado?
- Acrescente o saco de arroz e mais uma vez pergunte, está pesado?
Acrescente coisas até que fique bem pesado. Se não houver fardos suficientes, acrescente o caderno, a bolsa da catequese... Influencie os outros catequizandos a ajudar o voluntário a segurar os fardos.

SUGESTÃO PARA REFLEXÃO:

Você já carregou algo muito pesado? Percebeu que à medida que o tempo passa, parece ficar mais pesado e difícil carregar?
Será que acontece o mesmo com os fardos da vida que carregamos? O sal (fardo pequeno) é leve, porém quando somados aos demais fardos se tornou muito pesado. Em nossa vida também é assim, fardos leves somados a outros maiores se tornam insuportáveis. 
Mas Deus quer aliviar os nossos fardos. Deixemos que ele caminhe conosco. Também nós podemos aliviar o fardo das outras pessoas.
A dinâmica auxiliou muito na reflexão do evangelho.

DESENVOLVIMENTO DO ENCONTRO

TEMA: HONRAR PAI E MÃE

OBJETIVO: Levar o catequizando a compreender a importância dos pais ou daqueles que têm responsabilidades sobre eles. Que devem amá-los, respeitá-
los e ter gratidão para com eles durante toda a vida.
Mostrar uma pequena caixa ou envelope fechado e dizer para as crianças que ali está guardado um dos mandamentos, que é tão importante que merece ser estudado separadamente. 
Para que as crianças descubram, dar pista, tais como; refere-se a elementos muito importantes, que estão sempre perto de nós; sem eles seria difícil viver; somos muito importantes para eles, etc.
Continuar até que as crianças descubram: “Honrar Pai e Mãe”.
Pedir que uma delas abra a caixa ou envelope, mostrando a gravura que representa este mandamento. Perguntar se elas sabem o que significa exatamente a palavra “HONRAR’.

REFLEXÃO:

Que é honrar? É respeitar, amar, cuidar, proteger, obedecer. Deus colocou, entre suas leis, essa que lembra ao filho o dever de gratidão para com aqueles que o receberam na Terra, deram-lhe um corpo, cuidaram da sua saúde, alimentaram-no, educaram-no, e o encaminharam no mundo, até que tivesse condições de dirigir a própria vida. Lembra o Mandamento que, mais tarde, os filhos devem amparar os pais – ainda que sejam adotivos –, servindo-os na velhice, pois estes muito trabalharam, sofreram e se dedicaram, anos a fio, para torná-los felizes e fazê-los progredir. Honrar pai e mãe é, assim, expressar gratidão, demonstrar amor filial. É, enfim, também cumprir o mandamento cristão do amor ao próximo.
Observação: comentar que tem vários tipos de família e que umas são compostas por pai, mãe e filhos, outras de avós e filhos e tios, outras de irmãos, outras de pais com filhos adotivos. E que devemos amar a todos e tratá-los com respeito, pois são eles responsáveis pela educação. Família é quem você mora, é quem cuida de você.

Ao final do encontro (reservamos 10 minutos), fizemos uma proposta: 

Levamos envelopes, papel, uma caixa de sapato com lápis de cor, giz de cera, adesivos, figurinhas, cola colorida... e pedimos que escrevessem uma carta para o pai, ou para a mãe, ou para os dois, ou para o responsável. Poderia ser um pedido de perdão, um agradecimento, um pedido de ajuda ou qualquer outra coisa que desejassem expressar. Deixamos bem claro, que não teriam que ler para os amigos e nem para a catequista e deveria ser entregue para o destinatário assim que chegar em casa. Nosso desejo era que a carta se transformasse em uma linda mensagem de amor. Aí veio a surpresa: No início ficaram sem saber o que escrever. Depois que começaram, não queriam parar.
Enquanto escreviam a carta, colocamos a música "Trem Bala" (baixinho). 

O tempo do encontro acabou e tivemos que esperar por mais 10 minutos. Percebemos que tinham necessidade de escrever muitas coisas, desabafos... Alguns iam terminar em casa, pois o tempo não foi suficiente. Uma das crianças teve a ideia de deixar a carta na portaria para que o porteiro entregasse à sua mãe.
Estamos felizes por ter proporcionado este momento entre as crianças e suas famílias.


Roteiro de Encontro de hoje foi a partilha das catequistas Silvana Chavenco Santini e Regina Célia Fregadolli Auada, Paróquia São José Operário -  Maringá -PR.

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO