quinta-feira, 24 de novembro de 2016

SOU CATEQUISTA... E AGORA? FAÇO O QUE?


VOCÊ CONHECE TODOS OS CONTEÚDOS DE FÉ TRABALHADOS NA CATEQUESE DE EUCARISTIA E CRISMA DA SUA PARÓQUIA?

Tem um pedido bastante recorrente em nosso grupo, na nossa página e no nosso blog:

Gostaria se sugestões para trabalhar com a Eucaristia...” ou “Gostaria de sugestões para a crisma”, ou ainda “Que temas trabalhar nesta ou naquela etapa?”. E o que me deixa mais perplexa ainda: “O que fazer na pré-eucaristia?” e “O que fazer na perseverança?”. Ora, se alguém “inventou” estas etapas, deveria saber qual o objetivo delas e ter em mente um planejamento. Ou não? Sou eu que estou “delirando”?

E vocês pensam que isso é coisa de quem vai começar a ser catequista agora, se enganam. Nem sempre. Tem gente que está na lida faz tempo e ainda não sabe o que faz ou o que fazer.

Não estou dizendo que não é para pedir sugestão, não! Uma coisa é ter um tema e não saber que método usar para trabalhar, outra bem diferente é nem ter esse tema... O objetivo do grupo Catequistas em Formação é ajudar a todos em sua missão. Mas, primeiro vamos ver o que nossa paróquia tem e espera de nós. E se ela não tiver nada, aí sim, vamos trabalhar para que ela tenha.

Mas, o que me deixou "pasma", foram alguns relatos dos catequistas que estão fazendo o curso de ITINERÁRIO comigo. Da enorme dificuldade em se conseguir na paróquia os roteiros de temas que são trabalhados nas diversas etapas. Parece que em alguns lugares isso é até “segredo de estado” ou “assunto proibido”.

Então, agora eu compreendo tantos pedidos de ajuda com roteiros...

Em nosso curso, num dos passos para se construir o itinerário, temos que trazer os conteúdos que são trabalhados em nossas paróquias, partilhar com as equipes e dali tirar um roteiro de temas ideal, que atenda os diretórios diocesanos, paroquiais e da Igreja, sobre a iniciação cristã, sobre a catequese. Enfim, é necessário saber, o que afinal, precisamos “ensinar” aos nossos catequizandos sobre a fé da Igreja Católica no tempo que nos é dado: seja um ano, dois anos, três anos ou mais até. Este método de aprendizagem se chama OFICINA.

E, pasmem comigo, muitos catequistas NÃO CONSEGUEM DESCOBRIR o que os outros catequistas das demais etapas, fazem nas suas paróquias. Nem sequer uma “listinha” rascunhada de temas sai: “Ah não tem!”; “Ah, eu uso o livrinho”; “Ah, não faço, tenho tudo na cabeça.” Um catequista não saber do outro, apesar de ser um absurdo, até é compreensível. Agora, alguém te falar que não sabe o que faz em 32 encontros num ano, que tem tudo só "na cabeça", é PRACABÁ! Como é que um catequista pode ter os encontros "de cabeça"??? Vai para a catequese sem saber o que fazer e lá, cai tudo do céu? Haja força do Espírito Santo aí, heim!

Onde fica a catequese como “processo gradual e progressivo de ensino da fé[1]? E como é que a coordenação de uma paróquia não sabe dos roteiros de encontros da catequese?? Como é que não se faz planejamento anual? Como não se faz planejamento conjunto? E se a catequese lá for de três anos e todo mundo fizer a mesma coisa todo ano? Ou se cada um faz o que lhe dá na telha? Como fica a iniciação desse cristão?

Fragmentada, frágil, infantil e dispersa, para dizer o mínimo. Aí a gente fica se perguntando porque a catequese não funciona e a maioria vai embora depois da crisma...

Em 2006, eu peguei minha primeira turma de catequese, sem saber absolutamente nada. Mas, sabe a primeira coisa que me deram? OS ROTEIROS DE TEMAS que eu devia trabalhar! E sabe o que era também uma prática naquela paróquia? Que os catequistas da mesma etapa se reunissem a cada dois meses e colocassem no papel o planejamento dos encontros. E era dos OITO encontros que faríamos. Não era só o tema não, era o ROTEIRO COMPLETO, com tema, dinâmica, atividades, orações, tudo! E tínhamos um manual como subsídio. Só que o manual não era nossa base, era “subsídio” apenas.

Isso tudo era entregue à coordenação para se arquivar numa pasta. E havia pastas de muitos anos arquivadas. E a catequese nesta paróquia é de TRÊS ANOS para a Eucaristia e DOIS ANOS para a Crisma. Assim, qualquer catequista que quisesse saber o que as outras etapas faziam era só pegar os planejamentos já feitos! Ou se quisesse uma sugestão de encontro, bastava consultar as pastas ou ainda, se mudasse de etapa, tinha parâmetros para trabalhar. Isso já faz dez anos. Hoje eles devem ter tudo isso em arquivo eletrônico.

Mesmo não tendo uma programação formal de formação básica para catequistas, esta paróquia me proporcionou uma FORMAÇÃO que guardo até hoje. Ela me ensinou a PLANEJAR e ORGANIZAR a catequese, coisa que me ajudou muito a ser uma catequista. Quem dera todos tivessem essa iniciativa.

Ângela Rocha

[1] DNC 41. Por ser educação orgânica e sistemática da fé, a catequese se concentra naquilo que é comum para o cristão, educa para a vida de comunidade, celebra e testemunha o compromisso com Jesus. Ela exerce, portanto, ao mesmo tempo, as tarefas de iniciação, educação e instrução (cf. DGC 68). É um processo de educação gradual e progressivo, respeitando os ritmos de crescimento de cada um.

*A paróquia que citada no texto, é a Paróquia Catedral Nossa Senhora de Belém, na Diocese de Guarapuava – Pr. 

domingo, 20 de novembro de 2016

UHUUU!!! ESTAMOS DE FÉRIAS NA CATEQUESE!

Hoje é um dia especial: Domingo do Cristo Rei do Universo, fechamento do ano litúrgico. E não há, em muitas paróquias, a presença de catequizandos na missa. Isso porque a catequese já decretou “férias”. E quem tinha que receber os sacramentos, já recebeu.

Não consegui nem tirar minha filha da cama. Eita Mãe e catequista incompetente! “Ah Mãe! A catequese já acabou”. E assim é com muitos pais. Já é um tanto difícil levar os filhos à missa normalmente, que dirá quando a catequese já promoveu as festinhas de despedida e os catequistas já deram “adeus” às turmas até o próximo ano.

E a partir do próximo domingo viveremos um dos tempos mais fortes da liturgia: o Advento. E onde estarão nossas crianças? De férias, é claro! E é possível que só voltem a “viver” Igreja somente lá pelo mês de março, já que o carnaval é no final de fevereiro em 2017. Até começarmos de fato, será meio da quaresma.

Fico pensando como explicar ou justificar essa “organização” da catequese. O fato é que nem é preciso. Ninguém estranha. Afinal a catequese sempre foi dissociada da Liturgia. O ano litúrgico é apenas “ponto” do conteúdo da catequese. As crianças e jovens aprendem o que é, quais os tempos, cores, etc., mas, viver, praticar, é outra história. Exigiria muito mais que o comodismo e a ineficácia de nossa catequese.

Estou sendo dura eu sei, mas, explico: É extremamente difícil aos catequistas estender a catequese do ano para algo mais além daqueles 28 ou 30 encontros anuais. É de praxe que se tenha pelo menos três meses de parada no final do ano - coisa que nem a escola formal faz mais - e mais um mês no meio do ano. Não, não dá para dedicar mais que oito meses a missão. É demais! Isto para mim parece um tanto “preguiçoso” da nossa parte.

E também, como explicar aos pais que não se tira férias de Deus? Difícil. Aí a gente se agarra aquelas velhas desculpas:
- De que as crianças precisam descansar... Descansar do que? De ir à Igreja durante uma hora uma vez por semana?
- De que os pais querem tirar férias logo... Como? Eles também deixam de ir à Igreja nas férias?
- De que as famílias viajam nas férias... Sinceramente, por mais abastadas que sejam, duvido que uma família fique viajando de férias durante três meses. Muito menos que as crianças fiquem três meses na casa dos avós! São caso raros.

Ah, poderíamos sim - se quiséssemos de verdade - viver o Domingo do Cristo Rei e o Advento na catequese. Mas, falta COMPETÊNCIA para isso, isso sem falar na falta de vontade mesmo. O padre manda a gente parar? Duvido. Ele não para!

Agora, estranho mesmo, é perceber nas paróquias onde se vive a Catequese em estilo Catecumenal, que isto também acontece! Sim, isto mesmo! Em muitas dioceses já se vive uma catequese orientada pelo Calendário Litúrgico. Que começa e termina no Tempo Pascal. O início da catequese se dá logo após o Domingo de Páscoa. E, teoricamente, acaba depois da Quaresma, no tempo pascal ainda. Mas isso é “teoricamente”. Os pais, acredito, nem sabem disso. É complicado demais explicar a eles. Isto porque, os pais viveram, também, uma catequese onde o Ano Litúrgico era só teoria!

Fico aqui pensando onde e quando se viverá, neste novo estilo de catequese, o tempo da Iluminação e Purificação. Porque eles são vividos nos domingos da Quaresma e tem seu ápice na Semana Santa. Outro período de “folga” da catequese. Será que a catequese vai criar sua própria “Semana Santa” em outra data?

Sei que muitos de vocês vão querer me “pegar pelo pescoço”, afinal, os catequistas precisam de “férias” e descanso da lida. Ah, sim, claro que precisam. Mas, tiram férias da Igreja e das celebrações também? E deixemos por conta do pais este tempo... Afinal os pais também são “catequistas dos filhos”. Ah, claro! Pais que estão precisando mais de catequese que os próprios filhos...

Estamos de passagem na vida deles, é verdade. Mas, essa passagem precisa ser de uma longa “viagem” e não apenas aquela que a gente faz de alguns minutos num ônibus urbano.

Preguiça e falta de competência soa muito duro, sim. A preguiça eu até retiro e troco por comodismo. Mas a incompetência eu deixo e ainda reforço! E mais, nem é preciso "vincular" catequese à missa. Este vínculo é implícito! Ora, então eu faço catequese para que os catequizandos participarem da missa se quiserem ou se os pais quiserem? Então viver comunitariamente a comunhão e a Palavra é opção? Na catequese estou "educando" para a Eucaristia e a vida em comunidade. Se os catequizandos declinam dessa vivência, que catequese estou fazendo? Os pais nos trouxeram suas crianças, elas estão ali, resta-nos fazer um bom trabalho, inclusive de catequese familiar!

As palavras, às vezes, soam duras, mas são necessárias. Neste nosso “sistema” de evangelização, achamos que, quem menos tem culpa somos nós, catequistas. Porque não está em nossas mãos muitas das decisões que, realmente, seriam eficazes para uma catequese que consiga tocar família e catequizando. Porém, muitas vezes nos omitimos em nossas paróquias e reuniões para evitar bater de frente com as lideranças, outras vezes não procuramos nos reciclar e nem entender e muito menos analisar a eficácia que está tendo a nossa evangelização. A verdade é que, quando não conseguimos criar vínculo entre homem/Jesus/Eucaristia (que acontece na missa!), não atingimos o objetivo maior que é a “pertença” e o “seguimento” ao projeto do Reino. Certamente falhamos aí, como falham os pais, como falham os padres, como falha a comunidade.

E aí, já nem penso em "culpa". É como as coisas são e vem vindo ao longo do tempo. O que acontece é que nos "acostumamos", nos acomodamos a pensar que não vamos conseguir mudar as coisas. E, assim como temos catequistas comprometidos que veem tudo isso, que lutam para mudar, para interferir na organização da catequese; temos também aqueles que sequer tem consciência de que as coisas podiam ser diferentes. E enquanto isso caminhamos em busca da nossa santidade, errando e acertando. Mas, nunca deixando de “pensar” que esta missão é nossa.  

Festejemos o REI! Mas, não podemos esquecer que Ele precisa de nós para ajudar a construir o Seu REINO.

Um excelente início de Ano Litúrgico para todos!

Ângela Rocha
Catequista

OS DEZ MANDAMENTOS DO ADVENTO

 1.      Abrir as portas do coração.Deus desce e vem. Quer estar no meio de nós. Vamos abrir nossos corações e a porta da fé. Advento é Deus nos procurando para o dialogo, a aliança de amizade, a oferta da salvação. Não fecheis vossos corações, vamos acolher receber, ouvir a Deus que vem. Escancarai as portas do coração a Jesus Cristo. Ele bate à nossa porta.

2.      Respeitar o direito e a justiça.Os textos bíblicos do Advento enfocam a nova ordem, a nova terra que o Messias trará. O seu trono pousa sobre o direito e a justiça, a paz e a convivência fraterna. O que o Messias vai trazer é o reino de Deus que consiste em “amar a misericórdia, praticar a justiça e viver na presença de Deus” (Miq. 6, 8). O reino de Deus transforma o deserto em jardim, as espadas em arados, as lanças em foices.

3.      Estar vigilantes, não distraídos. Quem espera deve estar vigilante, acordado, atento. São três as vindas de Deus: no Natal, no fim do mundo e no nosso cotidiano. Precisamos estar antenados, conectados, sintonizados com Deus, sua presença, sua vontade, seus desígnios. Agitação, barulho, dispersão nos afastam da oração, do silêncio e, portanto da vigilância. Vivemos apressados, atulhados com mil preocupações e também cansados, apáticos, indiferentes no que diz respeito a Deus e ao próximo. Vigiai, pois não sabeis nem o dia, nem a hora.

4.      Endireitar os caminhos tortuosos. Advento é tempo de conversão. Caminhos tortuosos levam à perdidão. O rumo, a bússola, a direção de nossa vida é Jesus Cristo, que pela mediação da Igreja, é luz do nosso caminho. É hora de sair de si, peregrinar, ir ao povo, endireitar os caminhos em direção ao irmão e a Deus.

5.      Preparar a chegada. A mãe prepara a chegada do bebê, a cozinheira prepara as refeições, a noiva prepara o casamento. Tudo o que é preparado tem sucesso. Devemos estar preparados para a vinda do Senhor. Nunca ociosos, desligados, desinteressados. Longe de nós a mediocridade, a sonolência, a mesmice, o desinteresse. Preparemos um belo presépio para acolher o Menino. Preparemos nossos corações.

6.      Escutar a voz que chama. João Batista clama no deserto, chamando-nos ao silêncio, à escuta, à meditação. Saber parar, silenciar, contemplar é remar contra a corrente do consumismo, da dissipação, do barulho. Advento tem tudo a ver com deserto onde Deus fala ao coração.

7.      Uma criança vai nascer. Maria esta grávida por obra do Espírito Santo graças a sua resposta de fé. Advento leva-nos a pensar na gravidez, nos cuidados e respeito com o nascituro, na generosidade de acolher a vida de mais um filho. O embrião é um de nós, é um filho. Jesus foi também embrião e Maria cuidou dele.

8.      Viver o tempo que nos é dado. Advento é um tempo especial. Que fazemos com nosso tempo? É preciso viver o hoje, o agora, o instante, o momento presente com intensidade, consciência e alegria. Percebemos que o tempo passa, a vida é breve o fim vem. Demos tempo a nós mesmos, aos outros, a Deus. É no tempo que construímos a historia e acolhemos a salvação.

9.      Visitar e ir ao encontro. Visita e encontro são os dois pés do Advento. Recebemos a visita de Deus e no propomos a visitar casas, asilos, hospitais, cadeias, creches. A missão hoje depende da visitação. A visita proporciona a experiência do encontro, do diálogo, da comunicação.

10.  Participar das novenas. Façamos de nossa rua, prédio, condomínio, uma família. Façamos a experiência da alegria que vem da comunhão e participação e de novas amizades. Superemos a solidão, o egoísmo, e isolamento e busquemos a socialização, a comunicação, a convivência.
                                                              

 Dom Orlando Brandes
Folha de Londrina, 30 de novembro de 2013.

HOMILIA DA SOLENIDADE DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO

Hoje proclamamos Cristo como rei. Trata-se de um título não isento de ambiguidades. Certamente, não seria Ele um Reino monarca da idade média. Nem se parece com qualquer chefe de estado do nosso século. Seu reinado não é deste mundo.

Há um perigo em chamar Deus de rei. O risco é reforçar uma imagem de Deus que deve ser banida de nossas mentes. Sim, banida! Que se apague a imagem de um Deus dominador, poderoso, arbitrário, impassível, imutável. Aquele que reina acima de nós. Este não é o Deus de Jesus Cristo.

Deus veio até nós. Veio participar do nosso drama, de nossas dores, sofrer o que sofremos, sujar-se com a nossa lama. É preciso que levemos mais a sério o que a teologia chama de quenosis, termo que significa rebaixamento, esvaziamento, aniquilamento de Deus. Devemos levar a sério, que o Pai faz a sua quenosis quando cria, pois, a criatura lhe é infiel; que o Verbo faz a sua quenosis quando se encarna, e participa da dor humana, do abandono na morte de cruz; que o Espírito faz a sua quenosis quando vem até a Igreja e em cada coração. Deus se rebaixa, Deus participa da fraqueza, Deus sai de seu pedestal onipotente.

Quantas afirmações sobre a onipotência... É comum o discurso que exalta o poder de Deus, sua vitória, sua força, seu domínio... Entendamos, seguidores do Cristo, que Jesus manifestou quem é Deus: “Ele é a imagem do Deus invisível! ” (Cl 1,15). E que imagem é esta? Do servo, daquele que é chamado de rei na cruz, daquele que foi insultado ao morrer, daquele que morreu perdoando... onde está o seu poder? Onde está o seu domínio? Por que se sujeitou aos ultrajes? Por exibicionismo? Não! Ele assumiu a nossa condição com radicalidade. Em Jesus aprendemos que Deus é todo poderoso no amor e na misericórdia.

 “Salva-te a ti mesmo se, de fato, és o Cristo? ” (Lc 23,35). “Salva-te a ti mesmo e a nós! ” (Lc 23,39). Estas frases não são expressões exclusivas das testemunhas da morte do Filho de Deus... São expressões que surgem na boca e no coração de muitos que vivem os seus dramas humanos e pensam em um Deus que deveria vir, sim, em socorro trazendo a salvação imediata. Então, quantas orações carregadas de rancor e desespero: “Salva-me Deus! Salva-me, porque tu és o Todo Poderoso? Onde estás? Até quando terei que suportar? ” A resposta de Deus está na entrega do Senhor, na sua quenosis. Ele não nega a lógica de sua criação, Ele não intervém sempre de modo abrupto para mudar a lógica do mundo que segue sofrendo as dores de parto até o dia de sua redenção. Ao contrário, Ele assume toda esta história de limites e contrariedades e, na solidariedade, vem ao nosso encontro sofrer conosco e nos dar a salvação a partir de baixo. Por que? Eu não sei. Mas mesmo sendo mistério, é fácil perceber que é um mistério de amor...

Até quando o ser humano fabricará um ídolo que está acima dele para fazer os seus favores? A imagem da onipotência, faz-nos onipotentes. A imagem do Deus quenosis, faz-nos humildes e servidores. Escolhamos o nosso Deus.

E acima dele havia uma plaquinha: “Este é o rei dos judeus”. Ironia que não revelava a totalidade de seu ser, pois Ele é o rei de todos nós. Rei na quenosis, Rei no amor, Rei na misericórdia que morre perdoando e oferecendo o Paraíso ao ladrão arrependido... 

Pe. Roberto Nentwigteste de velocidade da internet.

Arquidiocese de Curitiba - PR

domingo, 13 de novembro de 2016

REFLEXÃO DO DOMINGO: "Tomem cuidado e não se deixem enganar!"


“Jesus respondeu: Vede que não sejais enganados. Muitos virão em meu nome, dizendo: Sou eu; e ainda: O tempo está próximo. Não sigais após eles.” Lc 21, 8

Estamos quase no final de mais um ano litúrgico, pois no próximo domingo será a sua conclusão com a festa de Cristo Rei do Universo. É por isso que o evangelho de hoje nos quer preparar para o futuro, para as coisas que poderão acontecer em nossas vidas antes do seu fim.

É natural que todos tenhamos um pouco de curiosidade pelas coisas futuras, pois queremos nos sentir seguros, queremos fazer bons programas de vida, queremos ser felizes...

O problema é que tal curiosidade muitas vezes nos faz cair em armadilhas, pois existem algumas pessoas mal-intencionadas que manipulam a realidade e se apresentam como adivinhos: decifram as estrelas, leem as cartas, jogam Tarô, dizem ter contatos com espíritos... E acabam semeando uma grande confusão.  A nós Jesus também diz hoje: “Tomem cuidado e não se deixem enganar”:

Estas pessoas nos querem convencer de que existe um destino e que tudo já está programado. E porque o destino já está todo definido, eles acreditam que podem ter acesso através de algum meio para o poder conhecer. Assim, porque acreditam que podem consultar o nosso futuro, se põem a disposição, mediante uma oferta ou um pagamento, para nos contar tudo. Nao os sigam” disse Jesus.

Mas, a Pergunta é: se o destino já está todo traçado, de que adianta conhecê-lo? E se o conhecendo podemos fazer algo para mudá-lo, então, significa que não estava traçado, mas que na verdade somos nós que o construímos com nossas ações.

Que ninguém nos engane: nosso futuro depende em grande parte de nossas eleições presentes e todos sabemos disso. Sempre que colocamos nosso esforço para realizar algo, é porque entendemos que o futuro, que as conquistas, dependem em grande parte da força de vontade que possuímos. Deus se comove com o suor dos homens de bem, e bendiz as obras de suas mãos.

Temos que estar atentos também a outro fenômeno muito perigoso.

Existem pessoas que estão convencidas de que o futuro está em suas mãos, ou que podem realizar qualquer coisa, ou que são tão capazes que sabem o que é o melhor para os demais, ou que receberam uma iluminação especial e que todos têm que lhes dar razão em tudo... elas acabam pensando que são exatamente elas as salvadoras do mundo. Os grandes ditadores que a história conheceu, que acreditavam ter uma missão especial pela qual fizeram muitas vítimas, são um exemplo de quanto mal pode fazer o ser humano quando acaba acreditando ser um deus. Também com estas pessoas não nos podemos enganar. Também a estas não devemos seguir.

Todos somos chamados por Deus a colaborar na construção do futuro, mas ninguém deve acreditar ser o único chamado, nem tampouco devemos acreditar e seguir aqueles que querem tomar o lugar de Deus. Certamente a colaboração que Deus espera de nós, não é o fazer anúncios de catástrofes ou pregações sobre os futuros sofrimentos do inferno. Estas coisas podem gerar medo, mas não uma autêntica conversão. O Reino de Deus não será jamais imposto pela força, pois onde existe violência ele não pode crescer. Ao Reino de Deus são convidados os pacíficos, os mansos e os humildes. São convidados os que desejam conhecer o amor de Deus e estão dispostos a se deixar transformar por ele, descobrindo-se um irmão entre os irmãos, onde todos são importantes, mas ninguém é o único necessário, a não ser Cristo Jesus.

Vede que não sejais enganados. Muitos virão em meu nome, dizendo: Sou eu; e ainda: O tempo está próximo. Não sigais após eles. ”

Que o Senhor vos abençoe e vos guarde.
Que o Senhor mostre a sua face e vos seja favorável!
Que o Senhor volva o seu rosto misericordioso e vos de a paz.
Frei Mariosvaldo Florentino, capuchinho.




SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO