sábado, 6 de fevereiro de 2016

A Alegria Cristã e o Carnaval

De volta para as carnestolendas torna-se oportuno olhar para este acontecimento cultural do carnaval com discernimento e simpatia cristã. Percebemos neste evento marcante da civilização brasileira pelo menos duas tendências inspiradoras: a que se origina do próprio calendário cristão e da explicação a uma das etimologias da palavra, carne vale isto é a carne vale no período que precede ao tempo quaresmal da penitência quando se proibia a ingestão de carne.
E a segunda que vem das festas saturnálias romanas onde havia uma procissão de um carro naval em honra de Saturno, o carrus navalis , que era acompanhado com danças e músicas profanas com pessoas sem roupa. Estas duas visões se misturam e se mesclam como podemos apreciar. A alegria cristã vem do sorriso Pascal, da vida plena, do aleluia da Resurreição, transformando totalmente a existência humana e fazendo do cristão um homem festivo e lúdico.
No entanto mesmo a festa mais singela e simples pode-se confundir e deturpar quando perdemos a consciência e o equilíbrio, dando vazão a impulsos desordenados e desvariados. Harvey Cox na sua obra sobre a Festa dos Loucos da Idade Média afirmava que uma vez no ano as pessoas tem o direito de perder a cabeça, isto é libertar-se da racionalidade e do controle social. Novamente devemos considerar que a alegria é um dom do Espírito Santo que nos orienta e conduz, também nestas ocasiões onde é preciso ser espontâneo, criativo e contente sem perder a identidade e desrespeitar aos nossos irmãos/ãs.
Muitas pessoas, por excessos podem ofender o matrimônio, a castidade, provocar acidentes ou brigas das quais se arrependerão o resto das suas vidas. Cabe a nós cristãos sermos os anjos bons dos irmãos, ajudando-os a voltar com segurança a casa, advertir o consumo excessivo de bebida, a ultrapassagem da linha da decência e da conveniência, que leva a comportamentos torpes e agressivos. Que o Senhor da Vida e da Verdadeira Alegria nos ajude como ao Rei Davi e São João Batista, a pular e a dançar louvando a Misericórdia do Pai. Deus seja louvado!

Dom Roberto Francisco Ferreria Paz
Bispo Diocesano de Campos (RJ)

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

DUVIDAS? CAIXA DO CHINÊS!

Aquilo que os catequistas acham "chinês" e gostariam de "traduzir" para uma linguagem mais simples...

Sempre recebemos mensagens, e-mails ou comentários no Facebook com dúvidas dos catequistas. E para facilitar resolvemos "copiar" uma ideia de um padre lá de Portugal: O Pe. Rui Santiago, que em seus encontros de formação pastoral, coloca na sala uma caixa para que as pessoas coloquem suas dúvidas. Depois ele procura responder em uma "linguagem mais simples", pois, muitas vezes, as coisas parecem "chinês" para nós.

Para nós funciona assim: Em nosso grupo no Facebook, colocamos uma postagem com uma "caixa do chinês" onde os catequistas que lá estão cadastrados, colocam suas perguntas:

VOCÊ TEM ALGUMA DÚVIDA SOBRE A CATEQUESE E O ENSINO DA FÉ? TEM ALGUMA COISA QUE PARECE "CHINÊS" PRA VC? COLOQUE SUA DÚVIDA NA "CAIXA DO CHINÊS" E TENTAREMOS RESPONDER:


E vamos colhendo as perguntas e respondendo uma por uma. São temas interessantes e perguntas do cotidiano da catequese que, na medida do possível (e do nosso conhecimento), respondemos numa outra publicação.

E a partir de agora, vamos partilhar com nossos leitores do Blog, uma vez por semana também, as PERGUNTAS e RESPOSTAS da CAIXA DO CHINÊS.

Ângela Rocha
Catequistas em Formação.

OBS. As perguntas podem ser enviadas do blog também. É só mandar um e-mail, usando a caixa do FALE CONOSCO aqui do lado esquerdo.
Ou da Página 





LITURGIA DIÁRIA