terça-feira, 26 de agosto de 2014

REVISTA SOU CATEQUISTA - SAIU A 6ª EDIÇÃO!

EXTRA! EXTRA!

SAIU A 6ª EDIÇÃO DA REVISTA DIGITAL SOU CATEQUISTA!

E esta edição traz como matéria de capa uma homenagem ao Catequista! Acompanhem, comentem, curtam e compartilhem!




TODAS AS EDIÇÕES DA REVISTA "SOU CATEQUISTA" PARA QUEM QUER FAZER DOWNLOAD:
http://soucatequista.com.br/edicao01.pdf 
http://soucatequista.com.br/edicao02.pdf 
http://soucatequista.com.br/edicao03.pdf 
http://soucatequista.com.br/edicao04.pdf 
http://soucatequista.com.br/edicao05.pdf
http://soucatequista.com.br/edicao06.pdf 


É só clicar na figura do "disquete" que aparece do lado direito que o download se inicia, ou então clicar com o botão direito do mouse em qualquer área e clicar em "Salvar como", escolher a pasta do seu PC e salvar.

domingo, 24 de agosto de 2014

O CATEQUISTA E SUAS "ESPECIALIDADES": Discussão do grupo

Sempre pensei que o ideal é acompanhar as crianças desde que elas começam na pré-catequese até que elas façam o Sacramento. Já pensou a cumplicidade que isso ia nos proporcionar? O conhecimento que teríamos de cada um deles? Seu jeito de pensar, seu jeito de ser, suas famílias... Talvez aí sim, teríamos uma comunidade verdadeira.

Agora tudo que temos são rápidos encontros semanais que não nos dá tempo nem de conhecer a todos pelo nome, que dirá seus anseios, sua família e suas vivências. Temos aí cerca de 30 encontros, trinta horas com eles, que não nos dá nem três dias de vivência! Queremos mudar a vida deles como? Tocar seus corações de que jeito? Por osmose?

Isso me frustra por demais... Na paróquia onde comecei a catequese, a catequista ficava três anos com a mesma turma na primeira eucaristia. Aí assumiam os catequistas de crisma que ficavam dois anos com os adolescentes.

Nossa! Nem posso descrever a maravilha que é isso. Tornamo-nos, além de catequista e catequizando, AMIGOS! Ontem ainda conversei com um catequizando meu de 2009. Infelizmente nem sempre é assim.

Na maioria dos lugares temos catequistas “especialistas”. Especialistas em primeiro ano, especialistas em segundo ano, em terceiro nem tanto... É onde falta mais gente. Porque será? E temos os especialistas da "perseverança" (nome que considero até pejorativo) e especialistas de Crisma, onde também não tem muita gente não.

E eu me pergunto: Essa "especialidade" é por afinidade com aquela faixa etária ou é por acomodação de não ter, a cada ano, que rever o seu planejamento, pensar em encontros diferentes, novas dinâmicas, novos planejamentos?



COMENTÁRIOS DO GRUPO

Parte superior do formulário
Rosangela Tamaoki Minha querida amiga aqui em nossa paróquia temos essa realidade. Mas não pense que por isso é mil maravilhas. Claro que se a catequista se empenha ok. Mas vc não imagina quando o catequizando fica anos e anos com uma catequista/professor....é de chorar....Então nem sempre quantidade é qualidade....O que importa mesmo é o catequista estar sempre revendo seus métodos, suas didáticas, se formando, informando e principalmente se convertendo. Abraços

Ângela Rocha Bom, aí já é falha das coordenações. É preciso que se observe isso, a paróquia não deveria ter NENHUM professor, seja a catequese continuada ou não. Em Aparecida, estávamos conversando com o Bispo de Guarapuava exatamente sobre isso. E ele nos disse que um dos maiores problemas que eles (os bispos) enfrentam é a falta de consciência de alguns catequistas (e agentes de pastoral em geral) em realmente "se aposentar" e dar lugar para novas ideias, novas pessoas... e ficam "atravancando" a paróquia por anos, espantando quem quer efetivamente fazer alguma coisa.

Silvaneide Costa Acredito que seria maravilhoso, acompanhar essas etapas, principalmente em turmas com (inclusao), criar um laço de amizade ate com as famílias!

Rosangela Tamaoki Não é tão simples assim minha amiga, trabalhar com pessoas, principalmente dentro da comunidade, aqui se tornam intocáveis. Saem quando querem, não tem como pedir para sair,... E as vezes nem acham que estão fazendo errado, nem fazem formação porque acham que não precisam...vc mais do que ninguém conhece o "achismo" que existe dentro das nossas comunidades, entre nossas catequistas também, A coordenação com certeza faz o que pode... E assim caminha a nossa Igreja, mas Deus não abandona seu povo e aos poucos vamos conseguindo transformar aqui e ali..

Denise Joly Barczak Acredito que o problema esta realmente em catequistas de terceiro ano, pois nem sempre tem "candidatos" pra essa fase...então aqueles que o são não podem sair ... sendo assim,não poderiam acompanhar desde o inicio...infelizmente!

Marino Campos Aqui iniciou esse ano uma mudança, não terá mais perseverança, a criança faz a 1° eucaristia e continua mais 3 anos no crisma, e para quem quiser poderá não só permanecer os 3 anos da turma da eucaristia, mas também os 3 anos de crisma, meu objetivo é ficar com eles os 6 anos, será um desafio, os temas são mais difíceis, exigem um estudo do assunto, mas são muito interessantes, exige porque tanto o tema é mais difícil como não tem apostila, só o tema e as referências do catecismo e da bíblia para ler, entender, montar o encontro e ensinar e além disso aplicar em meio a essas referências concretas o nosso testemunho de acordo com o tema que está sendo abordado.

Ângela Rocha Pois é minha amiga Rosangela Tamaoki, é o bom e velho "amadorismo" com que se faz evangelização na nossa Igreja, enquanto para tudo mais se exigem os melhores recursos, na catequese ainda trabalhamos com os "intocáveis" e "imexíveis"...

Ângela Rocha Denise Joly Barczak, veja só o quanto isso é incongruente: como um catequista, qualquer que seja, não se considera capaz de trabalhar com o terceiro ano (que pra nós é o da Eucaristia)? Como posso ser catequista e não me considerar capaz de "preparar" para o sacramento? Pior é que sou "vítima" disso... rsrsrsr.

Ângela Rocha Marino Campos, já a sua ideia de acompanhar os catequizandos por seis anos eu não considero que vá ser eficiente. Na catequese de crisma, o catequista precisa ter outra dinâmica, ele acompanha adolescentes e jovens, logo, precisa estar na "frequência" destes jovens. Com as crianças nos primeiros anos de catequese é outra pedagogia, outra história. Neste caso, uma mudança é necessária para que a Crisma se torne uma coisa "nova", um novo evento na vida deles. Desculpe meu amigo, mas, ninguém aguenta seis anos de catequese com uma pessoa só. E além do mais, os catequistas de crisma e de eucaristia precisam ter uma formação diferenciada. Crianças são bem diferentes de adolescentes e jovens.


Marino Campos Rsrsrs... entendo... mas aqui a falta de catequistas é muito grande pela quantidade de crianças, mas vamos ver o que Deus nos reserva, a dinâmica deve ser modificada de fato, mas pensando pelo lado de que quem deve ser o centro é Jesus e não o catequista então com bastante empenho e trazendo para os corações dessas crianças o Jesus que queremos transmitir a elas, não importa quem vai estar ali na frente nem mesmo o tempo, o nosso pároco está a 15 anos em nossa paróquia, claro que um dia ele vai embora, mas ele tem uma grande capacidade de inovar, muitos não enjoaram dele, até causa um certo desconforto quando se fala em vir outro pároco, parece que queremos ele para sempre, mas entendemos que em algum momento virá outro.

Nadja Felix verdade Ângela Rocha sou catequista de 2 turmas uma de pré e outra de crisma, são turmas bem diferentes vivo pesquisando livros de como preparar meus encontros, mas a realidade é bem diferente, pois prender a atenção dos jovens é difícil, mts são desligados, obrigados pelos pais, etc e tal , portanto to aceitando sugestões, mas amo o que faço com toda certeza!

Laura Cruz eu tambem concordo , porem o que dizem é que a gente não pode ficar com as crianças os 3 anos que elas devem conhecer outras catequistas etc na minha opinião tambem deveriamos ficar com eles pois a gente cria um laço muito importante e com sua familia tambem é muito gratificante a catequese acaba sendo pra familia toda muito bom

Suzana Lossurdo Aqui na paróquia do Santuário de Nossa Senhora Aparecida, Barra Bonita-SP, ficamos com as crianças pelos 3 anos, e mesmo assim não conhecemos muito bem os pais, isso sem levar em consideração, a falta de catequistas e as turmas que são grandes, principalmente aos sábados, e realmente, a pouca quantidade de horas com eles, nos causa tristeza, alguns pais batem a parte para levar o filho embora se o encontro demora um pouco mais, muitas vezes nem fala com a gente. Mas somos teimosos, graças a Deus, e continuamos fazendo o que mais gostamos: Evangelizar.

Mah Figa Aqui em minha comunidade nós ficamos 3 ou até os 5 anos com eles ,mas tem catequista que prefere ficar só com as crianças pois dizem não saber lidar com adolescentes, então fica de acordo com a escolha de cada um...

Valeria Maria Pinto Dos Santos eu não consigo ficar com adolescentes, nada contra, mais consigo plantar (talvez) uma sementinha no coração dos pequeninos, mais facilmente.

Senilda Verona sou catequista numa comunidade do interior onde se conhece todas as familias,gosto de conversar com os adolescentes,trazer o conteudo do encontro para as nossas vidas,ouvir relatos,fatos que eles vivem no dia dia,alem de evangelizar devemos ser amigos de nossos catequizandos.

Ângela Rocha Eu digo uma coisa a vocês, com tudo que sei, pela minha experiência de vida e na catequese, pelos meus estudos a respeito, por tudo que pesquiso e por nunca estar "de fora" de nada... ainda assim não sou capaz de ser catequista de Crisma e Eucaristia. Não porque são sacramentos diferentes, mas sim porque eu teria que me desdobrar em bem mais que a meia dúzia que me desdobro pra ser uma catequista coerente. Eu acho humanamente impossível fazer planejamento, estudar os perfis, a pedagogia, a psicologia, enfim... de idades tão diferentes. Então eu me dedico a ser catequista de crianças dos 9 aos 12 anos, considero 3 anos um tempo mais do que suficiente para ficar com uma turma. Um ano é pouco, três já faz com que o relacionamento entre nós e a família seja mais estreito. Além do mais tem a questão dos "ritos de passagem". Receber a Eucaristia pela primeira vez marca uma "passagem" na vida deles, é um marco de que não são mais crianças, agora são "jovens", a cabeça é outra, o papo é outro... eles precisam do "novo", precisam se sentir "mais velhos", mais "maduros"... Ah! Tenha dó, é a mesma coisa que começar a ir pras baladinhas e levar o pai e a mãe junto... nada a ver! rsrsrrs...

Candida Esteves Dos Santos Aqui em minha comunidade a Catequese leva, em média, 02 anos e meio e com a mesma catequista. Realmente a gente acompanha o crescimento deles, de crianças de repente, nas "férias", viram moças e rapazes... Mas a intimidade que deveria ser criada e incentivada só acontece com os catequisandos cujas famílias já estão na igreja, trabalhando ou não. Se a família não comparece, o mais certo é a criança desaparecer, e ainda ter vergonha de falar com a gente quando encontra na rua, no ônibus, etc. Tento fazer com que nossos encontros sejam sempre especiais e, quando dá, trago alguém de outra pastoral pra falar com eles, outra voz, outro olhar, penso que sempre enriquece. Não trabalhamos com o RICA e gostaria de conhecer melhor, tentar outro caminho, já que a Catequese Familiar não tem rendido os frutos que esperávamos. Um abraço.

Renata Torres Goldfeld Peixoto Aqui na minha Paróquia, até o ano passado, a Catequese durava 1 ano, com encontros semanais de uma hora e meia.A partir deste ano, vai acontecer durante 1 ano e meio. Como geralmente é dívida ?? O que acontece em cada ano ?? O que é este terceiro ano ?? A perseverança ??

Ângela Rocha  Aqui a catequese dura CINCO ANOS, isso para o Regional Sul II, Paraná, de modo geral. Em alguns lugares pode ter até mais, se tiver catequese infantil por exemplo ou a perseverança. As crianças começam a catequese formal, aquela que é "obrigatória" para receber os sacramentos, no ano em que completam 9, fazem 3 anos de catequese e recebem a Eucaristia, depois ficam mais dois anos na catequese e recebem a Crisma. Temos um itinerário para os cinco anos que é basicamente assim: 1º Ano - Um querigma, centrado na apresentação de Jesus às crianças; 2º ano - Um pouco da história da Salvação, criação, caminhada do povo de deus; 3º Ano - A Igreja, os sacramentos; 4º ano - vivencia da fé, dos mandamentos, das bem-aventuranças; 5º ano - voltado para os temas atuais na adolescência fundamentados na fé.

Juliana Bellozo Acho q pelas duas coisas, eu vou levar minhas duas turma até o crisma se Deus ASSIM ME PERMITIR!

Kelly Cristine Em nosso comunidade as catequistas revesam todos os anos nunca uma catequista pega a mesma turma dois anos seguidos só quando não tem jeito mesmo, ou seja, quando não tem catequista, é muito bom pois sempre nos reciclamos do conteúdo, mais sempre nos planejamentos trocamos ideias experiencias, e sempre estamos conectadas umas as outras.

Selma Correa Ai fica uma pergunta ,como podemos apresentar Jesus em uma hora? Como falar com eles sobre sua familia e compartilhar da missa, e o conteudo do livro, mas infelizmente nao ha espaço na minha paroquia pra termos 1h30 de catequese,mas estou tentando mudar isso!! Ja passei por todas a etapas , e nao creio nesta especialidade, estou com os meus catequizando desde a primeira etapa , conheço algumas familias e isto nos faz sermos amigos , dos pais para melhor entender seus filhos!! E bom demais ter a familia trabalhando junto ,pois eles sao os primeiros catequista de seus filhos, pois na hora do matrimonio eles se comprometeram em educar seus filhos na religiao! E quanto ao conteudo,ha ! Como mudar Deus!! so podemos melhorar o nosso jeito carinhoso de falar de DEus e seu filho com a ajuda do Espirito Santo.Cada realidade e diferente entao nao podemos crer que e tudo igual ,mas as formaçoes para catequistas ajudam e muito , cresci com todas as formaçoes! .Mas sempre quero um pouco mais!!

Givanilda Coelho Aqui na "minha" paróquia, faz 4 anos que o catequista fica com a turma até o final ou seja: Eucaristia 2 anos e Crisma também 2 anos, acho que assim se cria um vínculo com o catequizando e também com sua família, conhecendo melhor suas necessidades e carências.
Parte inferior do formulário


sábado, 23 de agosto de 2014

ORAÇÃO DO CATEQUISTA


DICAS DE SITES - "APLICAÇÕES DO ESPÍRITO"

DICAS DE SITES... que segundo o Papa Bento XVI, são "aplicações do espírito".
Eu peguei na formação que tivemos no Encontro Nacional da PASCOM, em Aparecida, DOS DIAS 24 A 27 DE JULHO DE 2014.. Em resumo são estas páginas:


OTHER 6 - www.other6.com
Trata-se de um site ou página ou "social network", ao estilo Twitter, que nos convida a fazer um ato de fé e devoção em forma de resposta a duas perguntas. É o que se pode traduzir por "aplicações do espírito”. É o OTHER 6, uma rede social que partilha com seus inscritos a resposta das duas perguntas: o lugar no qual encontram Deus durante o dia e o lugar no qual teriam a necessidade de reconhecê-lo. Apesar de ser em inglês, é bem interessante, dá para pedir ao Google que traduza pra você.
Visitem a página e cadastrem-se. Ela é usada por pessoas do mundo inteiro.
O nome "other 6" se refere aos "outros seis". Nós encontramos Deus na Igreja todos os domingos, mas, onde encontramos Deus nos outros seis dias da semana?

Trata-se de uma podcast (que são arquivos de áudio transmitidos via internet. Neles, os internautas oferecem seleções de músicas ou falam sobre os mais variados assuntos).  Este, o "Pray as you go", que traduzindo ficaria mais ou menos como "Ore para você ir", é uma sessão de oração diária, projetado para uso em MP3 players portáteis, para ajudar você a orar sempre que encontrar tempo, especialmente quando no carro ou em transito para o trabalho, estudo,etc. Ou seja, ore enquanto você está indo a algum lugar. Com duração entre dez e 13 minutos, combina música, leitura bíblica e algumas questões para reflexão. É produzido por iniciativas dos jesuítas na Grã-bretanha e de outras partes do mundo, especialistas na espiritualidade de Santo Inácio de Loyola. E vamos treinar nosso inglês!

PRAYER WALL - http://www.24-7prayer.com/prayerwall"Para iluminar o seu dia...". A "Prayer Wall" partilha intenções de oração com o mundo todo, funciona como um grupo de oração ou aquelas gadgets que alguns sites usam para que o usuário deixe sua oração.



Ou "Espaço Sagrado" , um lugar para oração e reflexão, onde você tem a opção de acompanhar a oração em português vendo imagens e refletindo...

Retiro de 3 minutos, que permite fazer uma pausa espiritual de poucos minutos graças à música, às imagens e a palavra de Deus. Nesse tem uma opção do lado esquerdo onde a mensagem pode ser lida em espanhol. E vamos "treinar" línguas!





GRUPO VIRTUAL DE ORAÇÃO E INTERCESSÃO REAL - https://www.facebook.com/groups/grupovirtualdeoracao/

Trata-se de um grupo no Facebook, administrado pela Dinha Claudia Pinheiro. É um grupo fechado onde você entra só a convite dos membros. Nele se reúnem atualmente 37 pessoas, que se juntam para orar uns pelos outros e pelas orações do mundo todo. Os encontros tem dia e hora marcada. Por isso o grupo é fechado, as pessoas que estão nele realmente se comprometem na oração e no encontro semanal. Para participar é só entrar em contato com a Dinha por meio do Grupo Catequistas em Formação ou da pagina pessoal dela.


MENSAGEM AO GRUPO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO DE PE. ANTONIO SPADARO

OLÁ PESSOAL!
Recebi um e-mail que me deixou muuuuuuuito feliz! Quem mandou foi o Pe. Antonio Spadoro, que é "só" diretor da revista La Civiltá Cattolica e consultor do Pontifício Conselho da Cultura e do Pontifício Conselho das Comunicações Sociais, portanto, ligado ao Papa!
Olha só:

De: spadaro.a@gmail.com
Enviada: Sexta-feira, 8 de Agosto de 2014 10:31
Para: angprr@uol.com.br
Assunto: I 2 blog
Cara Angela,
ho visto i due tuoi blog. Ti ringrazio per avermeli segnalati! Fai un bel lavoro in rete. Il Signore ti benedica e ti accompagni!
Un abbraccio!
p. Antonio Spadaro

Traduzindo:
"Cara Angela, eu vi seus dois blogs. Obrigado por tê-los me indicado! Você faz um bom trabalho na rede. O Senhor te abençoe e esteja com você! Um abraço."


Ele está falando do "Catequistas em formação" e do  "Catequistas Amadora". Dá pra não ficar tremendamente feliz e orgulhosa do nosso trabalho?