CONHEÇA!

sexta-feira, 30 de setembro de 2022

SUGESTÃO DE FILMES E SÉRIES BÍBLICAS

Foto: Boletim Voz da Igreja - Arquidiocese de Curitiba Pr.

Luz, câmera, ação! Confira esta seleção de filmes e séries bíblicas para você assistir em família!

Filmes e séries bíblicas podem nos ajudar a entender melhor os contextos históricos da Bíblia e até gravar certas passagens para termos a Palavra de Deus em nosso coração. É claro que os filmes nunca conseguirão reproduzir a verdade absoluta dos textos sagrados e é normal discordarmos de um ou outro aspecto. Afinal, a verdade absoluta só encontramos na Palavra de Deus.

Como o final de semana está chegando, separamos filmes e séries que contam histórias bíblicas conhecidas para você aproveitar seu tempo com a família. Então, chama a família, prepara a pipoca, corra para o sofá e aproveite as nossas indicações.

Filme: O Filho de Deus
Sinopse: Vindo de uma pescaria fracassada, Pedro (Darwin Shaw) encontra Jesus Cristo (Diogo Morgado), que o convence a segui-lo. Logo Cristo reunirá 12 apóstolos que têm por missão espalhar seus ideais pela Terra. Entretanto, por mais que pregue o amor ao próximo e a compaixão, sua crescente popularidade desperta a ira de pessoas importantes de Jerusalém, que não desejam que o status quo seja alterado. A traição de um de seus apóstolos, Judas (Joe Wredden), faz com que Cristo seja capturado e levado a julgamento.
Duração: 2h14
Lançamento: 2014
Classificação indicativa: 14 anos

Filme: A estrela de Belém (Infantil)
Sinopse: Bo é um jovem asno que está cansado de ficar aprisionado em um estábulo, onde sempre anda em círculos para fazer com que o moinho funcione. Incentivado pelo pássaro Davi, seu melhor amigo, ele consegue escapar e, na fuga, se esconde em meio a uma festa de casamento. Ao término do evento, ele é encontrado pela recém-casada Maria, que carrega no ventre aquele que será conhecido como o filho de Deus.
Duração: 1h16
Lançamento: 2017
Classificação indicativa: Livre

Filme: Ao lado de Cristo
Sinopse: Ao Lado de Cristo é a história de dois homens não identificados que foram crucificados ao lado de Jesus e como eles vieram para estar ao lado dele na cruz naquele dia fatídico. Uma história épica que começa com a jornada dos Magos e seu encontro casual com o jovem Dimas e seu irmão Jotão na manjedoura em Belém. Logo em seguida, os jovens irmãos sofrerão uma tragédia indescritível que resulta em serem capturados por um bando de ladrões com tendência para a violência. Lá, eles encontram Gestas, outro jovem que compartilhará seu destino. Juntos, em sua jornada para a cruz, eles tentarão fugir de seu destino. Mas primeiro, eles devem sobreviver a um centurião romano implacável que ameaça desencadear uma terrível vingança sobre eles. Ao longo do caminho, eles frequentemente se cruzam com Jesus e outras figuras bíblicas influentes. Mas eles logo descobrirão que não há como escapar do fim brutal que os aguarda no Gólgota.
Duração: 1h33
Lançamento: 2021
Classificação indicativa: 12 anos

Série: The Chosen (os escolhidos)
Sinopse: The Chosen é uma série de televisão de drama histórico estadunidense baseada na vida de Jesus de Nazaré. Foi criada, dirigida e co-escrita por Dallas Jenkins. É a primeira série com múltiplas temporadas sobre a vida de Jesus, e a primeira temporada obteve o maior financiamento por crowdfunding na história do entretenimento, tanto da televisão como do cinema. Os criadores da série afirmaram que esperavam distinguir a nova série dos retratos anteriores de Jesus, criando uma história baseada em episódios com múltiplas temporadas. A série retrata Jesus “através dos olhos daqueles que o conheceram”.
Duração: 2 temporadas
Lançamento: 2017
Classificação indicativa: 12 anos
Disponível no aplicativo oficial da série The Chosen

Filme: Ressurreição
Sinopse: Às vésperas de um levante em Jerusalém, surgem rumores de que o Messias judeu ressuscitou. Um centurião romano agnóstico e cético (Joseph Fiennes) é enviado por Pôncio Pilatos para investigar a ressurreição e localizar o corpo desaparecido do já falecido e crucificado Jesus de Nazaré, a fim de subjulgar a revolta eminente. Conforme ele apura os fatos e ouve depoimentos, suas dúvidas sobre o evento milagroso começam a sumir.
Duração: 1h47
Lançamento: 2016
Classificação indicativa: 12 anos

Filme: Êxodo – Uma animação épica (infantil)
Sinopse: reconta a história de Moíses libertando seu povo da escravidão no Egito através de animação stop motion com os personagens da LEGO. A animação explora os contos bíblicos com bastante senso de humor como outras produções do mesmo estilo, mas com profundidade emocional o suficiente para emocionar o público.
Duração: 45 min
Lançamento: 2019
Classificação indicativa: Livre


Filme: A história de Ester
Sinopse: Essa narrativa apresenta Mardoqueu, um honesto judeu, e Hamã um perverso primeiro-ministro que foge completamente ao controle do jovem rei persa Xerxes. Hamã é o segundo em autoridade depois do rei persa e quer ser venerado por todos. Mas Mardoqueu não se curva diante dele. Tal atitude aumenta a ira de Hamã e o faz criar planos terríveis contra esse líder judeu e seu povo. Resta, então, a Ester, prima de Mardoqueu, a difícil tarefa de conquistar o coração do rei e, ainda, de desmascarar Hamã e seus intentos de traição para salvar seu povo.
Duração: 1h29
Lançamento: 2013
Classificação indicativa: Livre

Filme: Êxodo: Deuses e Reis
Sinopse: Uma adaptação da história bíblica de Êxodo, segundo livro do Antigo Testamento. O profeta Moisés (Christian Bale), nascido entre os hebreus na época em que o faraó ordenava que todos os homens hebreus fossem afogados. Moisés é resgatado pela irmã do faraó e criado na família real. Quando se torna adulto, Moisés recebe ordens de Deus para ir ao Egito, na intenção de liberar os hebreus da opressão. No caminho, ele deve enfrentar a travessia do deserto e passar pelo Mar Vermelho.
Duração: 2h30
Lançamento: 2014
Classificação indicativa: 14 anos

Filme: Davi vs Golias: A batalha da fé
Sinopse: Situada no meio de um embate entre dois dos maiores impérios da Antiguidade, uma batalha de proporções épicas acontece quando um simples pastor chamado Davi se mostra um grande guerreiro ao enfrentar o mais temido campeão inimigo, o gigante Golias. Esta é uma adaptação da famosa história contada na Bíblia em 1° Samuel 17, quando Israel superou os filisteus com a coragem de um jovem pastor e sua fé em Deus!
Duração: 1h15
Lançamento: 2017
Classificação indicativa: 14 anos

Coleção: A Bíblia Sagrada
Sinopse: A Amazon dispõe de uma série completa com os mais incríveis personagens bíblicos, em produções prodigiosas e atuações impecáveis. Assista, relembre e aprenda mais sobre a vida de Jesus, Abraão, Jeremias, Ester, Salomão, Sansão e Dalila, Paulo de Tarso, Jacó, Davi, Moisés, José do Egito e sobre o livro do Gênesis. Cada filme possui elenco e produção próprias, mas sempre imperdíveis.
Classificação indicativa: 14 anos



FONTE: Setor de comunicação da Arquidiocese de Curitiba

sábado, 24 de setembro de 2022

REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DOMINGO: UMA NOVA DIVISÃO DE CLASSES

 

26º DOMINGO DO TEMPO COMUM – Lc 16, 19- 31

Conhecemos a parábola. Um rico despreocupado que festeja esplendidamente, alheio ao sofrimento dos outros, e um pobre mendigo a quem ninguém dá nada. Dois homens separados por um abismo de egoísmo e pela falta de solidariedade que, segundo Jesus, pode se tornar definitivo, por toda a eternidade.

Vamos mergulhar um pouco no pensamento de Jesus. O rico da parábola não é apresentado como um explorador que oprime sem escrúpulos seus servos. Esse não é o seu pecado. O rico é condenado simplesmente porque desfruta descuidadamente de sua riqueza, sem se interessar ou aproximar do pobre Lázaro.

Esta é a profunda convicção de Jesus. Quando a riqueza é exclusivo gozo da abundância, não ajuda a pessoa no seu processo de crescimento, mas a desumaniza, pois a torna indiferente diante da desgraça alheia.

A grave crise econômica está dando origem a uma nova divisão de classes: a classe dos que têm trabalho e a classe dos que não o têm; aqueles dentre nós que podem continuar a aumentar seu bem-estar e aqueles que estão ficando mais pobres; aqueles que exigem uma remuneração cada vez maior e acordos cada vez mais vantajosos e aqueles que não podem mais exigir nada.

A parábola do rico e do pobre Lázaro é um desafio à nossa vida satisfeita. Podemos ainda organizar os nossos jantares de fim de semana e continuar a desfrutar com alegria do nosso bem-estar quando o espectro da pobreza já ameaça muitos lares?

Nosso grande pecado é a indiferença. O desemprego tornou-se algo tão normal e cotidiano que já não nos escandaliza nem nos fere tanto. Fechamo-nos cada qual em nossa vida e permanecemos cegos e insensíveis perante a frustração, a crise familiar, a insegurança e o desespero desses homens e mulheres.

O desemprego não é apenas um fenômeno que reflete o fracasso de um sistema socioeconômico radicalmente injusto. Os desempregados são pessoas concretas que agora mesmo necessitam da ajuda daquelas de nós que desfrutam da segurança de um emprego. Daremos passos concretos de solidariedade se nos atrevermos a responder a estas perguntas: necessitamos realmente de tudo o que compramos? Quando termina a nossa necessidade e quando começam nossos caprichos? Como podemos ajudar os desempregados?

Texto: José Antonio Pagola

Tradução de Antonio Manuel Álvarez Perez

Fonte: CEBI.ORG.BR

 

quinta-feira, 22 de setembro de 2022

A MISSA: GESTOS E POSIÇÕES

 

 FAZER O SINAL DA CRUZ (Sinal do Batismo):



– Com água benta ao entrar na igreja;
– Junto com o sacerdote no começo da Missa;
– Quando o padre aspergir água em sua direção (se houver rito de aspersão);
– Na conclusão do Credo;
– Após receber a Comunhão;
– Durante a bênção final, quando o sacerdote invoca a Trindade;
– Com água benta ao sair da igreja (como recordação batismal de anunciar o Evangelho de Cristo a toda criatura);

Com o polegar na cabeça (persignação), nos lábios e no coração quando o ministro anuncia o evangelho.

- Ou "Abençoa, Senhor, a minha mente, boca e coração, para melhor entender, proclamar e amar a Tua palavra".


UNIR AS MÃOS:
As mãos juntas: significam recolhimento interior. Mostra fé, súplica e confiança. É atitude de profunda piedade.
- No Pai Nosso;
- Enquanto reza ao chegar na igreja;
- Na oração após a comunhão - ou seja, nos momentos oracionais.


BATER NO PEITO:



No “mea culpa” (“por minha culpa, minha tão grande culpa”) no Ato Penitencial.
– Às palavras “Tende piedade de nós” no Cordeiro de Deus
– Ao dizer: “Senhor, eu não sou digno…”. 







FAZER GENUFLEXÃO:
é um gesto de adoração a Jesus Eucarístico:

– Antes de se dirigir ao banco.

– Ao sair do banco para deixar a Igreja

- Em frente ao Santíssimo Sacramento e ao sacrário.


REVERÊNCIA: feita de pé, abaixando-se a cabeça, é atitude de veneração ao altar. Então, ao entrarmos na Igreja se o Sacrário estiver localizado no seu interior fazemos a genuflexão em sua direção; se não estiver, reverenciamos o altar.

FAZER INCLINAÇÃO DE CABEÇA:


– Quando o crucifixo na procissão de entrada passa (caso tenha Bispo, quando ele passar);

– Quando o sacerdote diz “Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós…”;
– Ao dizer o “Senhor, tende piedade de nós” no Kyrie;
– A cada menção do nome de Jesus e a cada vez que a Doxologia [“Glória ao Pai…”] for rezada ou cantada;
- Também quando pedir que o Senhor receba a nossa oração. (“Senhor, escutai a nossa prece”) e ao fim das orações presidenciais: (“Por Cristo nosso Senhor”, etc.)
– Ao turiferário quando ele fizer o mesmo, tanto antes como depois da incensação do povo;
– Ao Dizer o nome da Virgem Maria;
– No momento da Consagração de cada espécie;
– No Pai Nosso – ao dizer “Senhor eu não sou digno…” 

FAZER INCLINAÇÃO PROFUNDA:

- Para o altar quando entrar na Igreja, quando não há sacrário ou não é visível;
- Ao altar toda a vez que passar por ele;
– Quando o sacerdote faz genuflexão após a consagração de cada espécie.






FICAR EM PÉ:
demonstramos respeito e consideração, indicando prontidão e disposição para obedecer:
– Para a procissão de entrada;
– Para os ritos iniciais;
– Para o Evangelho;
– Para o Credo;
– Quando o sacerdote disser “Orai, irmãos e irmãs…”;
- Na liturgia eucarística até o final do “Santo, Santo, santo”;
– No Pai Nosso.
– Nos ritos finais.

FICAR SENTADO: é uma posição cômoda que favorece a catequese e a meditação sobre a Palavra que está sendo recebida:

– Na leitura das escrituras;
– Na homilia;
– No ofertório;
– Após a oração depois da comunhão.




FICAR DE JOELHOS:
declaramos nossa adoração e total submissão a Deus e à Sua vontade:

– Ao chegar no banco para oração privada  antes do início da Missa.

– No Natal e na anunciação durante a oração do Credo

– Depois do Santo, Santo, Santo ficando de joelhos durante toda oração eucarística

– Antes de senta-se, depois de receber a comunhão para oração privada

– Quando o sacrário é aberto (ou em pé);

– Depois da missa para oração privada.







































OUTROS GESTOS E POSTURAS

 

Impor as mãos (pelo sacerdote) – usado em todos os Sacramentos. É um sinal de bênção, reconciliação e transmissão de missão ou função.


Prostração: Gesto muito antigo, bem a gosto dos orientais. Estes se prostravam com o rosto na terra para orar. Assim fez Jesus no Horto das Oliveiras. Hoje essa atitude é própria de quem se consagra a Deus, como na ordenação sacerdotal. Significa morrer para o mundo e nascer para Deus com uma vida nova e uma nova missão.


Silêncio – indica respeito, atenção, meditação, desejo de ouvir e aprofundar a palavra de Deus. Na celebração eucarística, deve ser praticado durante o ato penitencial e após o convite à oração inicial, após uma leitura ou após a homilia. Depois da comunhão, todos são também convidados a observar o silêncio sagrado. ajuda o aprofundamento nos mistérios da fé. Fazer silêncio também é necessário para interiorização e meditação.


Incensar – (O incenso) simboliza a oração elevada a Deus.

 

Um dos maiores gestos e de grande importância é depois de cada celebração, quando devemos voltar ao nosso ambiente levando o próprio Jesus em nosso sacrário interior. Temos a missão de testemunhá-Lo, anunciá-Lo e irradiar a Sua luz. Que possamos viver em nosso dia a dia àquilo que celebramos. Louvando a Deus por tudo que somos e temos; acolhendo; perdoando como somos perdoados; vivenciando e anunciando a Palavra refletida e respondendo com gestos e atitudes concretas ao que Deus nos pede. Sejamos no mundo discípulos missionários promotores da paz, da igualdade, da fraternidade, da partilha, da justiça e do serviço doação.

 

 

FONTE: Missal Romano, Sagrada Congregação para o Culto Divino (IGMR).

quarta-feira, 31 de agosto de 2022

CURSO: CATEQUESE E PEDAGOGIA DA BELEZA

PUCPR oferece curso de extensão “Catequese e Pedagogia da Beleza”

No mês de setembro, a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) oferece o curso de extensão “Catequese e Pedagogia da Beleza”. As aulas – na modalidade online – estão previstas para iniciar no dia 15 de setembro e seguem até o início de dezembro, completando 45 horas de curso.

Voltado para estudantes, catequistas, lideranças comunitárias e público externo, o curso propõe contribuir na formação permanente de catequistas a partir da dimensão do belo, do lúdico e do místico, para que a catequese favoreça a interação fé e vida.As inscrições custam R$50,00 e podem ser feitas através do LINK.

Clelia Peretti, coordenadora do curso, é Doutora em Teologia (Faculdades EST); possui pós-doutorado em Fenomenologia (Centro Italiano di Ricerche Fenomenologiche e Pontifícia Universidade Lateranense – Roma) e mestrado em Educação (PUCPR). Atualmente é professora no Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado e do Bacharelado em Teologia (PUCPR) e líder do Grupo de Pesquisa Teologia, Gênero, Educação (PUCPR).

 SERVIÇO:

Curso de extensão “Catequese e Pedagogia da Beleza”
Início das aulas: 15/09/2022
Horário: 19h às 22h
Inscrição a R$50,00 através do LINK.

__

Com informações da PUCPR.

sábado, 27 de agosto de 2022

REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DOMINGO: PRIORIDADE ABSOLUTA PARA OS PEQUENOS, POBRES E VULNERÁVEIS!


 2º DOMINGO DO TEMPO COMUM – Lucas 14, 1. 7-14

Jesus não desperdiça nenhuma ocasião para ensinar. Como Palavra viva e atuante de Deus, ele propõe uma inversão radical na escala dos valores da sociedade e da religião, e não se cala nem mesmo na casa de uma autoridade, em pleno jantar para o qual havia sido convidado. Ele desenvolve a corajosa lição de hoje num sábado, na casa de um dos chefes dos fariseus, logo depois de afirmar que as necessidades de qualquer pessoa estão acima das leis. No dia dedicado à vocação dos leigos, fixemos os olhos em Jesus, a Palavra que ressoa como Boa Notícia.

Jesus evita ficar na periferia ou na superfície das questões essenciais. Seu ensino não é sobre as regras de boas maneiras numa refeição solene, mas sobre uma questão fundamental da vida cristã: quem é o maior ou o primeiro, o mais importante ou notável na vida cristã? Jesus começa pela crítica ao orgulho e aos privilégios e passa à questão dos beneficiários da nossa atenção. Ele conhece o costume de privilegiar, tanto nas festas quanto nas decisões e projetos políticos, os familiares, parentes, amigos e vizinhos. Para Jesus, este é um círculo muito estreito.

Inicialmente, Jesus fala aos hóspedes que estão com ele à mesa, afirmando que “todo aquele que se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado”. Depois, dirige-se ao próprio anfitrião que o acolhe, questionando sua expectativa de retribuição. E deixa muito claro que orgulho e a busca de retribuição são posturas anti-evangélicas. Os cristãos e as igrejas não podem ceder a honras e vaidades, mas buscar decididamente o lugar reservado aos servidores, superar a velha prática de servir, apoiar e defender prioritariamente as pessoas e instituições que a favorecem.

Jesus propõe a inversão da ordem dos grupos e pessoas que costumam aparecer no topo das nossas listas de honoráveis, presenças infalíveis entre os convidados das nossas festas e solenidades: os pobres, aleijados, coxos e cegos devem ser os primeiros! É claro que aqui Jesus não quer estragar nossa festa, mas questionar a estreiteza das fronteiras que traçamos entre ‘nós’ e ‘eles’, entre os ‘nossos’ e os ‘outros’. Jesus coloca em questão a busca de compensações que rege nossas pequenas e grandes ações. A verdadeira felicidade consiste em dar generosamente.

Dom Helder Câmara nos ensinava que o maior perigo que ameaça os cristãos e a hierarquia é o desejo de sempre vencer e jamais fracassar, de sentir-se sempre querido/a e nunca sobrar. E chegou a advertir um colega bispo: “Mais grave do que ser apanhado pela engrenagem do dinheiro, é ser apanhado pela engrenagem do prestígio”. Na verdade, a busca de privilégios e compensações é tão desgastante quanto infantilizadora: o caminho que dá acesso a eles costuma passar pela subserviência, e é acompanhado pelo medo do anonimato e pelo apego doentio aos bens e títulos.

Para quem segue o caminho de Jesus, a recompensa é prometida para ressurreição dos justos. A felicidade que ninguém pode roubar é aquela que conquistamos entrando pela estreita porta da humildade, da generosidade e da solidariedade. É a alegria profunda que experimentamos quando ouvimos da boca dos porta-vozes da vida o convite: “Amigo, vem para um lugar melhor!” E, enquanto caminhamos nesta direção, não há honra e alegria maiores que servir, compartilhar sonhos e lutas com aqueles que normalmente são ejetados para os últimos lugares.

A Carta aos Hebreus nos diz que, em Jesus e na comunidade que o segue, torna-se visível a assembleia dos primogênitos, o verdadeiro povo de Deus, constituído de homens e mulheres que descobriram a grande honra de amar e servir. Esta é a verdadeira cidade de Deus, a manifestação e a morada de Deus no mundo. Fogo, tempestade, trevas, sons de trovões e trombetas são nada diante do sinal grandioso de homens e mulheres mansos e corajosos, humildes e generosos.

Jesus de Nazaré, servidor humilde e generoso, queremos acolher teu o chamado e seguir o teu caminho de estar entre os ‘últimos’ e a serviço deles. Que nesta semana, dedicada às vocações leigas, tua Palavra ocupe um lugar importante em nossa vida, ilumine nossa percepção e guie nossas decisões. Hoje tu nos pedes que reservemos os primeiros lugares aos que são vistos e tratados como ‘últimos’. Envia-nos teu Espírito, para que ele nos ajude a assimilar este mandamento e escutar teu convite: “Vem para um lugar melhor!”  Assim seja! Amém!

Texto: Itacir Brassiani msf

Fonte: CEBI.ORG.BR