CONHEÇA!

domingo, 14 de abril de 2024

OS RITOS DO CATECUMENATO NA CATEQUESE CRISMAL


Numa tentativa de “abeirar-se” cada vez mais do Catecumenato (catequese) dos primeiros séculos da Igreja, muitas comunidades estão adotando o Ano Litúrgico como Calendário para a iniciaçãi à vida cristã. Inicia-se a catequese logo após a Páscoa e, num processo gradual e contínuo - dependendo da preparação dos catecúmenos e catequizandos - os sacramentos da iniciação são feitos ou no Sábado ou nos Domingos do tempo Pascal.

IIsso acontece porque a catequese está estreitamepnte ligada ao tempo litúrgico pela Quaresma, que são os 40 dias de preparação que a Igreja nos traz para a conversão, jejum, penitência e caridade. E encontramos esta orientação no RICA (pg. 115, item 139): “...os sacramentos da iniciação devem ser celebrados nas solenidades pascais e sua preparação imediata é própria da Quaresma”.

Durante a Quaresma, que precede os sacramentos da iniciação no, realizam-se os Escrutínios e as Entregas, ritos que complementam a preparação espiritual e catequética dos “eleitos” e se prolongam por todo tempo quaresmal. Esse tempo nos processo catecumenla é chamado Purificação e Iluminação.

Os Escrutínios são rituais que se realizam por meio de exorcismos (orações e bênçãos), e são de caráter espiritual. O que se procura por meio deles é purificar os espíritos e os corações, fortalecer contra as tentações, orientar os propósitos e estimular as vontades, para que os catecúmenos ou catequizandos se unam a Cristo e reavivem seu desejo de amar a Deus (RICA 154 a 159).

Uma coisa que nos passa despercebida é que toda a Liturgia Quaresmal foi feita para a catequese! Nada mais correto então, que, aqueles que estão sendo preparados para adentrar ao Mistério da Morte e ressurreição de Cristo, pela Eucaristia, o façam após este período de preparação. Observemos que todas as leituras dos cinco domingos da Quaresma são uma preparação para que os novos cristãos recebam os sacramentos da Iniciação.

Os escrutínios são difíceis de adaptar a catequese crismal com adolescentes. Primeiro que eles precisam ser feitos nos Domingos da Quaresma com as leituras dos Evangelhos do Ano A, e precisam anteceder o sacramento. Isso seria possível se eles recebessem a crisma no sábado santo. Ou seja, na missa da Vigilia pascal. E como a crisma é um sacramento dado pelos bispos, não há nem como fazer nas missas das paróquias. infelizmente não temos bispos suficientes para atender tantas paróquias e no mesmo dia!

Em 2018, eu estava na coordenação da catequese na Paróquia Bom Jesus dos Perdões, uma paróquia na região central de Curitiba. Por ser uma metrópole com diversas paróquias no centro, tínhamos somente 6 crismandos. E a catedral e mais a paróquia Vicentina também tinham poucos crismandos. Essa é uma característica dos grandes centros. Numa ação conjunta, com o consentimento do Arcebispo, organizamos a Crisma das três paróquias para o sábado santo na missa da Vigília Pascal a Catedral. Mesmo assim não tínhamos nem 20 crismandos. Foi um momento muito rico, por conta de toda a liturgia da Vigilia. Eu achei emocionante e lindo, mas, já não posso dizer o mesmo dos crismandos e famílias. Não sei se uma missa que dura 3 horas (eles não gostam muito nem da missa normal), foi de grande proveito para eles.

Apesar de tudo isso, gradualmente pode-se inserir pequenas celebrações e entregas no processo catequético. Para isso, é necessário que os catequistas e presbíteros conheçam intimamente o RICA – Ritual de Iniciação Cristã de Adultos. O RICA, apesar de ser um Ritual basicamente para adultos, pode ter seus rituais e celebrações adaptado para as crianças (RICA 312).

As celebrações que podem ser inseridas na catequese de crianças e adolescentes podem ser separadas em três tipos:

- Celebrações Catequéticas (momentos celebrativos): que podem iniciar ou concluir um conjunto de temas dos encontros catequéticos. São celebrações que podem acontecer no ambiente dos encontros com ou sem a presença da família, líderes das pastorais e da comunidade catequética. Essas celebrações resgatam os principais temas do itinerário catequético. Ex.: Acolhida dos novos catequizandos e famílias, Celebração Mariana (mês de maio), celebração dos Sete Sacramentos, dos Mandamentos, Bem aventuranças, do Mandamento do Amor, etc.

- Celebrações de entrega (Festas): são celebrações de caráter mais público, feitas perante a comunidade eclesial e que expressam o compromisso pessoal com a Igreja/comunidade. O ideal é que sejam celebrações eucarísticas, com monição especial do padre e participação da assembleia. Nelas podem ser feitas as entregas: da Cruz, da Bíblia, do Pai-Nosso e do Credo. Essas celebrações devem se moldar à estrutura as Santa Missa, sem comprometer seu caráter litúrgico, em seus quatro grandes momentos: Ritos Iniciais, Liturgia da Palavra, Liturgia Eucarística e Ritos Finais. Normalmente estas entregas são feitas durante a catequese para a Eucaristia. Cuide-se para não repetí-las na catequese crismal.

- Celebrações de preparação próximas dos Sacramentos: são celebrações que proporcionam um aprofundamento mais intenso sobre o sacramento que será celebrado. O RICA orienta que estas celebrações sejam feitas na Quaresma, por ser o tempo próprio da “Iluminação”, tempo para se preparar para os sacramentos de iniciação desde a Igreja primitiva. Orienta-se também que os sacramentos da Eucaristia e a Confirmação sejam celebrados no tempo Pascal, assim, o ano catequético fica desvinculado do ano escolar, valorizando a catequese como processo de iniciação a vida cristã e tirando seu caráter de “aula de religião” ou “escola de sacramento e doutrina”. Exemplos de celebrações: Celebração Penitencial (confissões, tanto para Eucaristia quanto para a Crisma), Celebração do Pão (para valorizar a Eucaristia); para a Crisma as Celebrações da Água, da Luz, da ressurreição, Vigília Crismal, etc.

Ângela Rocha
Catequista - Graduada em Teologia pela PUCPR.


PRÉ LANÇAMENTO
Apostila de Catequese Crismal
180 pgs. - Orientações sobre a catequese com pré-adolescentes e mais de 60 roteiros de encontros!

PEDIDOS: Whats (41) 99747-0348







sexta-feira, 12 de abril de 2024

ANO LITÚRGICO: ESPIRAL

O Ano Litúrgico é uma intervenção de Deus dentro da história humana. Relembra tudo o que Deus já realizou por nós, pela nossa salvação, e atualiza essas ações de Deus em favor de cada geração. Mais do que construir uma história própria, o Ano Litúrgico marca o tempo próprio de Deus dentro da história da humanidade, sempre em busca do ser humano, para salvá-lo da destruição inevitável que o tempo civil lhe causa.

Padre José Ulysses da Silva acredita que, a melhor imagem para entender o Ano Litúrgico não é o círculo repetitivo, mas a espiral ascendente, que jamais repete o mesmo círculo. Uma espiral salvífica, que parte do Alfa da criação e vai girando para o alto, em direção ao Ômega da Nova Criação em Cristo Ressuscitado. Assim, Deus nos salva dentro da nossa história e nos salva da nossa história, daquilo que ela traz de degeneração e morte.



FONTE: Apostila "Ano Litúrgico" - catequistas em Formação.

R$ 20,00

Para adquirir, envie mensagem pelo Whats para (41) 99747-0348

SOLENIDADES, FESTAS E MEMÓRIAS NO CALENDÁRIO LITÚRGICO

 

Uma das grandes graças da nossa Igreja Católica Apostólica Romana é o fato de ser iluminada por uma liturgia, que atualiza a história da salvação nos ritos e nas celebrações para despertar à esperança escatológica em seus fiéis. Segundo o Catecismo: “Esta é a razão pela qual, na liturgia, a Igreja celebra principalmente o mistério pascal pelo qual Cristo realizou a nossa salvação. (CIgC 1067). Na liturgia, a Igreja anuncia e celebra o mistério de Cristo, a fim de que os fiéis vivam e deem testemunho dele no mundo. Está é a riqueza da liturgia, que através das celebrações realiza o culto divino e anuncia o Evangelho.

É muito comum se ouvir o termo “festa” para designar toda e qualquer celebração. Estas celebrações são subdividas em tempos litúrgicos como Advento, Natal, Quaresma, Páscoa e Tempo Comum, fechando o ano litúrgico. Já as celebrações litúrgicas se estruturam, segundo o grau de importância, em: memórias, festas e solenidade. As solenidades são as principais celebrações, seguida das festas e depois as memórias, que podem ser facultativas ou obrigatórias.

 Solenidade

As solenidades são as celebrações mais importantes da liturgia da Igreja e não podem ser omitidas. São exemplos de solenidades Natal, Páscoa, Pentecostes, Imaculada Conceição de Maria, Santa Mãe de Deus, Sagrado Coração de Jesus, Cristo Rei dentre outras. Nestas solenidades, recebem destaque santos de notoriedade importância na história da salvação como São José, São João Batista, São Pedro e São Paulo. As solenidades se iniciam sempre com as vésperas do dia anterior e, da mesma forma que o domingo, a celebração possui oração própria, três leituras, orações dos fiéis, Glória e o Credo.

Festa

Depois das solenidades, em grau de importância, vem as festas em honra de algum título de Nosso Senhor ou de Nossa Senhora. As festas são celebrações litúrgicas dedicadas também aos grandes santos como os apóstolos, os evangelistas e alguns mártires como, por exemplo, São Lourenço. As festas possuem orações próprias e o Glória, mas possuem apenas duas leituras.

Memória

Por fim, as memórias, em grau de relevância, são as menores destas celebrações. Geralmente, referem-se à celebração de um santo, mas ainda pode celebrar algum aspecto ou título da vida de Nosso Senhor ou da Virgem Maria. Liturgicamente, não existe diferença entre a memória facultativa (que pode ser celebrada ou omitida) e a memória obrigatória. É celebrado o sacrifício pascal de Cristo com ênfase no testemunho de fé e na memória do santo celebrado que viveu de acordo com o Santo Evangelho. Quanto às leituras, elas podem ser específicas, mas, de regra geral, seguem o Ciclo litúrgico com as leituras próprias do dia.

 FESTAS E SOLENIDADES DO ANO LITÚRGICO

Tempo Pascal e Tempo Comum

 O Tempo Pascal é composto pelos seguintes Domingos e Festas:

 ü  Domingo de Páscoa da Ressurreição do Senhor

ü  Oitava da Páscoa - semana que procede a Páscoa

ü  2º Domingo da Páscoa: Domingo da Divina Misericórdia

ü  2ª Semana da Páscoa

ü  3º Domingo da Páscoa

ü  3ª Semana da Páscoa

ü  4º Domingo da Páscoa: Dia do Bom Pastor, e Dia mundial de orações pelas Vocações

ü  4ª Semana da Páscoa

ü  5º Domingo da Páscoa

ü  5ª Semana da Páscoa

ü  6º Domingo da Pácoa

ü  6ª Semana da Páscoa: Ascensão do Senhor (A Ascensão é tradicionalmente celebrada numa quinta-feira, a décima-quarta da Páscoa (segundo a contagem de Atos 1,3), embora algumas províncias  tenham mudado a observância para o domingo seguinte).

ü  7º Domingo da Páscoa: Pentecostes

ü  7ª Semana da Páscoa (até o sábado, no domingo já inicia o Tempo Comum)

A festa da PÁSCOA determina as seguintes festas: 

 ü  Domingo de Pentecostes: domingo após o da Ascensão do Senhor, 50º dia depois da Páscoa.

ü  Festa da Santíssima Trindade: domingo após o de Pentecostes, 56 dias depois da Páscoa – Tempo Comum.

ü  Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, ou Corpus Christi: quinta-feira após a Festa da   Santíssima Trindade, 60 dias após a Páscoa – Tempo Comum.

ü  Festa do Sagrado Coração de Jesus: segunda sexta-feira após o Corpus Christi, 68 dias após a Páscoa – Tempo Comum.

ü  Festa do Imaculado Coração de Maria: sábado após a Festa do Sagrado Coração de Jesus – Tempo Comum.

FESTA DA ASCENSÃO DO SENHOR

A Ascensão é uma solenidade litúrgica, comum em todas as Igrejas cristãs, que se celebra no 40º dia após a Páscoa da Ressurreição. Visto que este dia cai em uma quinta-feira, sua solenidade foi transferida, em muitos países, para o domingo seguinte. A Liturgia, para facilitar a participação dos fiéis, fixou a Ascensão do Senhor para o 7º Domingo da Páscoa. Com a Ascensão ao Céu, conclui-se a vida de "Cristo histórico" e se inicia o tempo da Igreja.

 Os onze discípulos foram para a Galileia, ao monte que Jesus lhes havia indicado. Quando o viram, se ajoelharam. No entanto, alguns ainda duvidavam. Mas Jesus, aproximou-se deles e lhes disse: “Toda autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, pois, e ensinai a todas as nações, batizando-as em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28, 16-20).

 A Assunção de Jesus ao Céu não é, portanto, uma "separação", mas um modo novo de ser: eis a explicação dos discípulos voltarem com "grande júbilo" (Lc 24,52). Com a morte, ressurreição e ascensão de Jesus, abrem-se as portas do céu e da vida eterna.

Nesta solenidade, a Igreja nos convida a voltarmos os olhos para o céu, nossa Pátria definitiva. Como diz São Paulo: “Vós que ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas do alto, onde está Cristo (Col 3,1)”. Em nossa profissão de fé, rezamos que Jesus “subiu aos céus e está sentado à direita do Pai”. Por isso, na Ascensão, celebramos Jesus dando por completa sua missão. Ele veio do Pai, revelou-nos o rosto Misericordioso do Pai, ensinou-nos a amar o Pai e a fazer em tudo a Sua Vontade. Ele cumpriu até o fim a missão que o Pai lhe confiou. Agora Ele volta para o Pai, após ter ensinado a percorrer o caminho que nos levará de volta para Deus, e Ele próprio se faz o caminho “ninguém vai ao Pai, senão por mim” (Jo 14,6).

Nos Atos dos Apóstolos 1, 1-11, encontramos a narração da Ascensão de Jesus. Enquanto Jesus se eleva e os discípulos ficam olhando para o alto, uma voz os interpela dizendo: “Por que ficais aí olhando para o céu? O mesmo Cristo que hoje foi elevado, virá novamente a vós”. A Ascensão deve nos levar a um comprometimento em nossa fé, como discípulos missionários do Senhor pois, com a Ascensão, termina a missão de Jesus e começa a missão da Igreja.

A Ascensão de Jesus não é uma despedida, mas sim, um novo modo de sua presença. Ele agora continua agindo através daqueles que Nele acreditam e que se dispõem a continuar o seu amor no mundo.

FESTA DE PENTECOSTES

O Dia de Pentecoste sempre cai em um domingo. O dia celebra um dia memorável, mas não é apenas o que aconteceu naquele dia, mas quando e porquê ele aconteceu que revela a mão de Deus, e um presente poderoso dado a todos.

Pentecostes é uma celebração religiosa cristã que comemora a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos de Jesus Cristo, cinquenta dias depois da Páscoa.  Atualmente, o Pentecostes é comemorado principalmente pela igreja católica e ortodoxa, no entanto, ambas celebram em datas diferentes. Em 2023, o Dia de Pentecostes será comemorado em 28 de maio, por exemplo. 

Por norma, o Pentecostes é celebrado 50 dias depois do domingo de Páscoa, data instituída como a da ressurreição de Jesus Cristo.  Para os cristãos, o Pentecostes é uma das datas mais importantes do Calendário Litúrgico, juntamente com a Páscoa e o Natal.

O termo “Pentecostes” se originou a partir do grego pentēkostḗ, que significa “quinquagésimo”, em referência aos 50 dias que se sucedem depois da Páscoa.

No Antigo Testamento da bíblia sagrada cristã, o Pentecostes era uma comemoração feita exclusivamente pelos judeus, logo após a última colheita do ano, numa forma de agradecer pela comida providenciada por Deus. Também ficou conhecida como uma celebração da Lei de Deus. Essa comemoração aconteceu especificamente na primeira Páscoa após o povo de Israel sair da escravidão do Egito e receber os Dez Mandamentos enviados por Deus. 

Porém, no Antigo Testamento, o Dia de Pentecostes é citado com outros nomes, como: Festa da Colheita ou Sega (Êxodo 23.16), Festa das Semanas (Deuteronômio 34.22) e Dia das Primícias dos Frutos (Números 28.26). 

No Novo Testamento, a comemoração de Pentecostes é citada no livro dos Atos dos Apóstolos 2, episódio que narra o momento em que os apóstolos de Cristo receberam os dons do Espírito Santo, logo após a subida de Jesus aos céus.

 

FESTAS E SOLENIDADES NO TEMPO COMUM

O Tempo Comum é o tempo litúrgico mais extenso, sendo 34 semanas, divididas em duas partes. A primeira parte inicia após a Festa do Batismo do Senhor e vai até a terça-feira de Carnaval. A segunda parte inicia após a Festa de Pentecostes. A cor predominante desse tempo é o verde, que simboliza a esperança, a esperança na vinda do reino de Deus. Durante o Tempo Comum, acompanhamos Jesus em sua vida pública e percorrendo Israel até chegar em Jerusalém e ser aclamado como Rei.

Algumas solenidades e festas importantes ocorrem durante o Tempo Comum, dentre algumas destacamos: Santíssima Trindade, que ocorre no domingo após Pentecostes; Solenidade de São Pedro e São Paulo, no fim do mês de junho ou início de julho; Assunção de Nossa Senhora, no dia 15 de agosto; e a Solenidade de Cristo Rei, na última semana do Tempo Comum.  

 FESTA DA SANTÍSSIMA TRINDADE

MISTÉRIO DE UM SÓ DEUS EM TRÊS PESSOAS: PAI, FILHO E ESPÍRITO SANTO.

O Domingo da Santíssima Trindade celebra a doutrina cristã da trindade, as três Pessoas de Deus: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. 

"[..] Mas Jesus, aproximando-se, lhes disse: Toda autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo." (Mateus 28, 16-20). 

No primeiro domingo depois de Pentecostes, comemora-se a festa da Santíssima Trindade. A Santíssima Trindade é um mistério de um só Deus em três Pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. E esse é o mistério central da fé e da vida cristã. Só Deus pode nos dar a conhecer, revelando-se como Pai, Filho e Espírito Santo. A festa da Santíssima Trindade quer trazer-nos o aspecto trinitário do tempo pascal, ou seja, a obra redentora de Deus, que se operou no Cristo Jesus pela ação viva e eficaz do Espírito Santo. O Deus dos cristãos é um Deus Uno e Trino, e é na mesma dimensão trinitária que se consumou a obra da redenção.

Em resumo, a Santíssima Trindade é: Pai que é Deus, que é Amor: somente o Pai que ama, respeita a liberdade de seu filho. Filho que é Jesus Cristo: é o Deus visível que se fez homem, nascendo da Virgem Maria para cumprir a vontade de Deus de libertar os homens do pecado. Espírito Santo que é o Amor do Pai e do Filho que nos é comunicado e transmitido.  A missão do Espírito Santo está sempre conjugada e ordenada à do Filho, ou seja, toda a vida de Jesus manifesta a vontade do Pai que por sua vez é manifestada pelo Espírito Santo.

Jesus é Deus e as principais provas são:

a) O próprio Jesus diz-se Deus (Jo 10, 30 / 14, 7 e Lc 22, 67-70).

b) Os milagres eram feitos pelo próprio Jesus, e não por meio de Jesus.

Segundo o CREDO, Jesus foi concebido pelo Poder do Espírito Santo, nascido da Virgem Maria. Maria foi então convidada a conceber Jesus e a concepção de Jesus foi obra do poder do Divino Espírito Santo: "O Espírito virá sobre Ti..." A missão do Espírito Santo está sempre conjugada e ordenada à do Filho, ou seja, toda a vida de Jesus manifesta a vontade do Pai que por sua vez é manifestada pelo Espírito Santo. 

Celebramos o dogma deste mistério para reverenciar, honrar, adorar a revelação da unidade e trindade de Deus. Um único Deus em três pessoas: o Pai que nos criou, o Filho que foi gerado do Pai e que nos salva e o Espírito Santo gerado pelo Pai e o Filho que nos santifica, por isso somos batizados ‘em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. 

Cristo veio cumprir a vontade do Pai (cf. Jo 17,4; Hb 10,7) e nos deu o Santo Espírito (cf. Jo 20,22), e sua ação na Igreja vai sempre ser entendida na dinâmica do Deus trinitário. Assim, só podemos celebrar o mistério sublime de nossa fé (que se encontra, em síntese, na celebração da Eucaristia), “em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”, e somente com “a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo” podemos caminhar na peregrinação da fé, vencer os obstáculos dos caminhos de nossa vida e chegarmos, finalmente, à pátria celeste. 

As leituras bíblicas da solenidade são distintas nos três ciclos anuais, possibilitando assim um enfoque ainda maior e diversificado na Liturgia da Palavra, mas o Evangelho é só de João e Mateus. 

FESTA DE CORPUS CHRISTI

Corpus Christi significa “Corpo de Cristo”. Nessa festa se comemora a presença de Jesus Cristo na Eucaristia. 

A Santa Igreja sentiu necessidade de realçar a presença real do "Cristo todo" no pão consagrado. A Festa de Corpus Christi foi instituída pelo Papa Urbano IV com a Bula ‘Transiturus’ de 11 de agosto de 1264 e no Brasil a festa passou a integrar o calendário religioso de Brasília em 1961, quando uma pequena procissão saiu da Igreja de madeira de Santo Antônio e seguiu até a Igrejinha de Nossa Senhora de Fátima. 

No dia de Corpus Christi, os fiéis enfeitam as ruas por onde a hóstia consagrada irá passar. Este gesto lembra a caminhada do povo de Deus, que é peregrino, em busca da Terra Prometida. No Antigo Testamento esse povo foi alimentado com o maná (Ex 16) no deserto. Hoje o povo é alimentado com o próprio Corpo de Cristo. 

A festa de Corpus Christi tem 2 grandes momentos: a celebração da Santa Missa e a a Procissão sobre os tapetes. Participar da confecção dos tapetes é uma forma de mostrar que somos uma comunidade composta de irmãos que possuem muitos dons distintos, diferentes. Os tapetes mostram a criatividade de cada um. 

 FESTA DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

Sua origem está ligada à devoção ao Santíssimo Sacramento, que floresceu fortemente ao longo do século XII e na qual se realçava a presença real do “Cristo todo” no pão consagrado.

Na noite de Quinta-Feira Santa, tendo mandado preparar uma sala, adequadamente (cf. Mc 14,12-16; Lc 22,8-12), Cristo Nosso Senhor, desejando ardentemente celebrar a páscoa com os seus discípulos (cf. Lc 22,15), instituiu o Santíssimo Sacramento da Eucaristia como alimento vital e salutar do povo por ele congregado no Espírito Santo. A instituição da Eucaristia tornou real o mistério por ele ensinado sobre o alimento de seu próprio Corpo e de seu próprio Sangue, como condição indispensável para se entrar no Reino do Céu (cf. Jo 6,52-58).

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus é uma das devoções católicas mais amplamente praticadas e conhecidas, tomando o coração físico de Jesus Cristo como representação de Seu amor divino pela humanidade.

História

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus remonta claramente ao século XI. Marcou a espiritualidade de São Bernardo de Claraval no século XII e de São Boaventura e Santa Gertrudes, no século 13. O início de uma devoção ao amor de Deus, simbolizado pelo coração de Jesus, é encontrado até nos pais da Igreja, incluindo Orígenes, São Ambrósio, São Jerônimo, Santo Agostinho de Hipona, São Hipólito de Roma, Santo Irineu, São Justino Mártir e São Cipriano, que usaram como inspiração João 7,37-39 e João 19, 33-37.

A primeira festa litúrgica do Sagrado Coração de Jesus foi celebrada em 31 de agosto de 1670, na França, através dos esforços de São João Eudes. A Missa e o Ofício composto por este santo também foram adotados em outros lugares, especialmente em conexão com a difusão da devoção ao Coração de Jesus, após as revelações a Santa Margarida Maria de Alacoque e à Beata Maria do Divino Coração Droste zu Vischering. 

Em 1856, o Papa Pio IX estabeleceu a Festa do Sagrado Coração de Jesus como obrigatória para a Igreja inteira, a ser celebrada na sexta-feira após a oitava de Corpus Christi. Os padres podem usar nesta missa, vestimentas brancas, como missa votiva em outros dias também, especialmente na primeira sexta-feira de cada mês (a menos que caiam em um dia de outra festa de classificação mais alta). Desde 2002, a solenidade do Sagrado Coração de Jesus também é um dia especial de oração pela santificação dos sacerdotes.

A Festa do Sagrado Coração de Jesus, ocorre 19 dias após o Pentecostes, na sexta-feira. É celebrada na sexta-feira após a celebração da Santíssima Trindade, e os textos bíblicos de suas leituras se distinguem também nos ciclos anuais, mas o Evangelho será de João, Marcos e Lucas.

 

SOLENIDADE DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO REI DO UNIVERSO

 Popularmente conhecida como “Festa de Cristo-Rei”, esta celebração é a mais recente dentre as quatro chamadas “Solenidades do Senhor”, que a Igreja celebra no Tempo Comum.

Sua origem se deve ao papa Pio XI, o qual, na Encíclica “Quas primas”, de 11 de dezembro de 1925, desenvolve a idéia de que um dos meios mais eficazes contra as forças destruidoras da época seria o reconhecimento da realeza de Cristo, na restauração de todas as coisas, como reza então a Oração do Dia, na referência ao projeto de Deus. Sua instituição comemorou o 16º centenário do Primeiro Concílio de Niceia, no qual se proclamou a igualdade substancial entre Cristo e o Pai.

Inicialmente foi fixado o último domingo de outubro para a sua celebração, tendo em vista a proximidade da Solenidade de Todos os Santos. Porém, com a reforma litúrgica do Vaticano II, sua celebração passou para o 34º domingo do Tempo Comum, último domingo então do Ano Litúrgico. Desta forma, fica claro que Jesus Cristo, o Rei, é a meta da nossa peregrinação terrena. Os textos bíblicos mudam em todos os três anos, para que possamos conhecer, plenamente, a figura de Jesus. Os textos da Liturgia, tanto bíblicos como eucológicos, fortemente voltados para o sentido escatológico e da realeza de Cristo. 

O sentido da criação e da restauração do mundo em Cristo (cf. Cl 1,15-20), que se consumou na sua Paixão, Morte e Ressurreição, com sua vitória definitiva sobre a morte (cf. 1Cor 15,26), sendo o Cordeiro imolado digno de receber a glória e o poder (cf. Ap 5,12), traz realmente a característica principal desta solenidade: Aquele que restaura o mundo, nele próprio criado e nele próprio subsistente, é aquele também que vai exercer sobre ele a sua realeza, e esta transcende a dimensão temporal e cósmica, isto é, os domínios de um mundo visível. A realeza, pois, que se celebra nesta solenidade é total, plena e celeste, exercida à direita do Pai (cf. At 7,56; Hb 1,3-4; Ap 22,1). 

A realeza de Cristo é aquela que se manifestou no sacrifício da cruz, com seu paradoxo, com sua “loucura” e com sua simplicidade redentora. Escarnecido por espectadores (cf. Mt 27,39-44), insultado pelo ladrão impenitente (Lc 23,39) e por soldados da vassalagem imperial (Lc 22,63-65), reverenciado, porém, pelas santas mulheres, dentre elas sua própria Mãe, estimado por discípulos e amigos, mesmo trêmulos e distantes, eis o quadro doloroso da Cruz. Mas, em sua soberana realeza, ele pôde livremente dar ao ladrão arrependido a dimensão mais profunda de seu poder e de sua misericórdia, afirmando: “Hoje mesmo estarás comigo no Paraíso” (Lc 23,43), como vai concluir o evangelho da celebração do Ano C. E os Santos Padres comentam: se ele disse isto a um ladrão, certamente dirá o mesmo a cada cristão comprometido com o seu Reino. 

Na riqueza dos textos bíblicos, a Liturgia proclama que Cristo é a origem, o centro e o fim do universo criado, como também a sua consumação mais profunda, na medida em que o restaura e o entrega ao Pai (cf. 1Cor 15,24). O Rei da eterna realeza é então o mesmo, “ontem, hoje, e por todos os séculos” (cf. Hb 13,8), como também é “o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Último, o Princípio e o Fim” (cf. Ap 22,13). 

É salutar para a nossa vida cristã saber que Cristo, no seu Mistério Pascal, fez de nós um reino de sacerdotes para Deus (Ap 5,10) e, ressuscitado, garantiu a nossa ressurreição, pois “Ele é o Senhor que destruirá também a morte como o último inimigo” (cf. 1Cor 15,26). Assim a Igreja, unindo sua oração à riqueza da palavra bíblica, já no início da celebração vai permitir-nos rogar a Deus com o coração cheio de confiança: “...fazei que todas as criaturas, libertas da escravidão e servindo à vossa majestade, vos glorifiquem eternamente”. 

Pode-se dizer que o Reino de Cristo é, pois, um reino que começa por dentro e que não se deixa corroer por forças exteriores, opostas a ele, ou não muito propensas a submeter-se a ele. É o reino da verdade, que dá testemunho da Verdade (cf. Jo 18,37), e não como os reinos deste mundo, que manipulam a verdade, fabricando-a a seu gosto, substituindo-a pela mentira, fazendo com que ambas (verdade e mentira) vistam a mesma roupagem e dando-lhes o mesmo conceito e o mesmo valor. O Reino de Deus não é um reino de interesses mesquinhos, de vassalos e de escravos, mas um reino de amor, de servidores fiéis, cujo Senhor não se contenta com “servos”, mas que abre seu coração para a intimidade de “amigos” (cf. Jo 15,15) e de “irmãos” (cf. Jo 20,17). Nesse Reino, a sabedoria está oculta aos sábios, doutores e entendidos, mas revelada aos humildes e aos pequeninos (cf. Mt 11,25; Lc 10,21). 

Finalmente, pode-se afirmar que esta celebração, colocada no fim do Ano Litúrgico, como que o coroa na glória do Cristo-Rei, no esplendor do Mistério Pascal, fazendo também ressoar em toda a Igreja e na vida de todos nós o caráter escatológico de toda a Liturgia e seu dinamismo santificador. As leituras bíblicas desta solenidade se distinguem nos ciclos anuais, com o evangelho de Mateus, João e Lucas. 

MAIS TRÊS ‘FESTAS’ DO SENHOR NO TEMPO COMUM

Três celebrações, com o grau de “festa”, e fixas, ocorrem ainda no Ano Litúrgico, no Tempo Comum, dedicadas ao Senhor. São elas: Apresentação do Senhor, em 2 de fevereiro; Transfiguração do Senhor, em 6 de agosto; e Exaltação da Santa Cruz, em 14 de setembro. Se tais festas caírem em domingo, então são nele celebradas, devido a precedência litúrgica sobre o domingo do Tempo Comum, por se tratar de “festas do Senhor”, de acordo com as normas da liturgia, quando então vão ter o grau litúrgico do domingo, isto é, com três leituras e com I Vésperas na Liturgia das Horas. 

Em dias de semana, como “festas” portanto, só são celebradas com duas leituras, podendo a primeira ser escolhida entre as duas que precedem o evangelho. Diferentes das Solenidades do Senhor, as festas aqui comentadas têm as mesmas leituras bíblicas para os três ciclos anuais, exceto a da Transfiguração do Senhor cujo evangelho muda de acordo com o ciclo anual. 

§  APRESENTAÇÃO DO SENHOR (2 de fevereiro) 

Esta festa tem caráter natalino, mas está fora do ciclo do Natal, e tem como objeto os acontecimentos bíblicos ocorridos no Templo de Jerusalém, narrados por Lc 2,22-39. A figura central é Jesus, portanto, cristológica, mas que tem Maria também como personagem viva e atuante. 

Na comunidade judaíca, todo primogênito varão era considerado propriedade de Deus (cf. Ex 13,12), e devia ser resgatado por uma soma de dinheiro, a título de sacrifício. Os pobres tinham um tratamento especial quanto ao resgate (cf. Lv 5,7), como aconteceu com a família de Nazaré (cf. Lc 2,24). A festa tem portanto como tema o fato bíblico da apresentação de Jesus por José e Maria, quarenta dias após o seu nascimento, em cumprimento da prescrição legal de Lv 12,2-4. 

A liturgia da festa, enfatiza então não tanto os acontecimentos das prescrições legais do Antigo Testamento, mas a realidade da luz, lembrando as palavras de Simeão “Luz para iluminar as nações” (cf. Lc 2,32). Daí, a procissão das velas na liturgia da missa, no rito próprio do Missal, e que deve ser valorizada sobretudo quando a celebração cai em domingo, onde a participação do povo é mais expressiva. 

A festa evoca o sentido de purificação e de luz. Ml (1ª leitura) descreve o efeito purificador de Deus quando da visita ao templo, e Lc (Ev), revela o Cristo como “Luz das nações”. A luz então aqui passa a ter um sentido profundo de iluminação e purificação, na aplicação concreta para as nossas vidas, como deixa transparecer também a segunda leitura.O texto do Evangelho constitui a clássica profecia de Simeão (O cântico “Nunc Dimmittis”), que, além do tema da luz, fala também da paixão do Senhor e dos sofrimentos de sua Mãe dolorosa. 

§  TRANSFIGURAÇÃO DO SENHOR (6 de agosto) 

Esta festa, também fixa, tem forte expressão na liturgia oriental, tendo se tornado objeto de celebração no rito sírio-oriental já no século V. Na Igreja de Roma, foi introduzida no século X. Seu tema específico é a glória, que passa pela cruz. Os relatos bíblicos, objeto da festa, são substancialmente idênticos nos três evangelhos sinóticos. Sua liturgia se distingue nos três ciclos, mas só pelos evangelhos. 

O tema da transfiguração sugere aprendizagem na vida cristã: da cruz para a glória, como sugere São Paulo em suas epístolas. São Pedro, inicialmente, rejeita tal idéia (cf. Mt 16,22; Mc 8,32), mas é convidado pelo Senhor para participar do acontecimento na montanha, como também o convidaria, depois, para a sua agonia no Getsêmani (cf. Mc 14,33). 

A liturgia convida também a reforçar a dimensão mística da fé, pois as pessoas são peregrinas neste mundo e não têm aqui cidade permanente (cf. Hb 13,14). Não devem assim viver satisfeitas em suas “tendas”, mesmo se feitas no alto da montanha, como queria Pedro, esquecendo dos irmãos, que, nas periferias do mundo, sofrem todo tipo de desigualdade e de injustiça. Cristo não hesita em assumir a cruz, e convida a fazer o mesmo (cf. Lc 9,23), seguindo-o em sua caminhada de paz e de redenção. Na dinâmica do reino, a glória passa pela cruz, assim como na lógica da vida não deve haver vitória sem luta. As leituras bíblicas são as mesmas para os três ciclos, exceto o evangelho, que muda de acordo com o ano, na mesma narração do fato bíblico.  

§  EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ (14 de setembro)  

A Festa da Exaltação da Santa Cruz é também fixa, com possibilidade de celebração em domingo, quando nele cai. 

Esta festa revela a presença da glória divina no sofrimento e na morte de Jesus. Seu ponto alto é a teologia joanina da glória de Cristo: a sua exaltação se dá na elevação da cruz (cf. Jo 3,14; 12,32). Aqui, “elevação” tem dois sentidos, que se completam: elevação do chão (ato físico da suspensão na cruz), e elevação na glória (pela ressurreição e ascensão), decretada pelo Pai. Na liturgia oriental, a festa aparece no século V, e em Roma no século VII. 

Bem no início do Cristianismo, a cruz era apenas instrumento material da morte de Cristo, instrumento de maldição no pensamento bíblico do Antigo Testamento (cf. Dt 21,23), mas já na era apostólica se transforma em símbolo do sacrifício redentor e até de Cristo e da vida cristã (cf. 1Cor 1,17-18; Gl 3,13; 6,14; Fl 3,18 etc.). 

Os temas centrais da celebração são, pois, a morte de Cristo e a redenção que Ele conquistou para todos. A antífona é a mesma da missa da Quinta-Feira Santa, no início do Tríduo Pascal, de espiritualidade paulina (cf. Gl 6,14), e tanto a primeira leitura como o evangelho são uma prefiguração e símbolo do Senhor “exaltado”, na visão teológica de São João. Já a segunda leitura, no cômputo de três, em celebração dominical, é a clássica passagem da kénose de Cristo, isto é, de seu esvaziamento e de sua humilhação, que tanto enfatizou São Paulo.  

Tem grande valor a celebração desta festa, principalmente no Ocidente materializado e secularista, dado ao consumo e voltado para o imediatismo dos prazeres que a vida moderna propaga. Mas, como diz John Konings: “Contemplar a cruz não é afundar no dolorismo, mas reconhecer o amor de Deus o mundo do desamor”.  

Jesus é a imagem do Pai, e Ele é pura bondade e compaixão, é perdão sem reservas (cf. Lc 23,34) e amor até o fim (cf. Jo 13,1), mesmo crucificado. Daí, o simbolismo profundo da cruz e o valor desta festa para os nossos tempos.  

 

CALENDÁRIO LITÚRGICO MARIANO

 O Concílio Vaticano II exorta os fiéis da Igreja ao culto da Virgem Santíssima, um culto que deve ser essencialmente litúrgico (Lumen Gentium, 67), quer dizer, associado à celebração das festas litúrgicas. 

O Concílio lembrou que, ao celebrar o ciclo anual do Senhor, a Igreja, celebra Maria. Maria está, pois, inicialmente associada às festas do Senhor e as festas de Nossa Senhora são, igualmente, agregadas ao Senhor a quem Maria está unida com laços indissolúveis. (Vaticano II, Constituição sobre a liturgia § 103). 

As diferentes festas marianas possuem 4 graus de importância: Solenidade, Festas, Memórias (memórias obrigatórias / memórias facultativas), Festas locais. 

Em 1974, o Papa Paulo VI renovou o calendário das festas da Virgem Maria, por meio da sua exortação apostólica, Marialis cultus. 

Principais Solenidades e Festas de Maria em datas fixas: 

  • 8 de setembro: Natividade da Virgem Maria: Festa
  • 8 de dezembro: Imaculada Conceição: Solenidade
  • 1º de janeiro: Santa Maria Mãe de Deus: Solenidade
  • 2 de fevereiro: Apresentação do Senhor: Festa
  • 25 de março: Anunciação: Solenidade 
  • 15 de agosto: Assunção - Solenidade
Pela sua trajetória como Mãe da Igreja, Deus elevou Mariaao céu. Cabe aqui ressaltar a diferença entre assunção e ascensão: Na Ascensão de Jesus, Ele sobe ao céu por Sua força própria. já na Assunção de Maria, Ela é elevada ao Céu, não por sua força, mas pela Graça de Deus. 

O Catecismo da Igreja, quando fala da Assunção de Maria, assim apresenta: “Finalmente, a Imaculada Virgem, preservada imune de toda mancha da culpa original, terminado o curso da vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celeste. E para que mais plenamente estivesse conforme a seu Filho, Senhor dos senhores e vencedor do pecado e da morte, foi exaltada pelo Senhor como Rainha do universo.” 

A Assunção da Virgem Maria é uma participação singular na Ressurreição de seu Filho e uma antecipação da ressurreição dos outros cristãos: “Em vosso parto, guardastes a virgindade; em vossa dormição, não deixastes o mundo, ó mãe de Deus: fostes juntar-vos à fonte da vida, vós que concebestes o Deus vivo e, por vossas orações, livrareis nossas almas da morte […]”. (Liturgia bizantina, festa da dormição de Maria). 

Nossa Senhora dormiu e foi elevada aos Céus. É isso que Deus quer também para nós: nos elevar ao Céu, nos dando o descanso merecido, nos aliviando de todos os sofrimentos e angústias que vivemos em nossa história. Nesse sentido, nossa morte é Graça de Deus. Dormimos para este mundo, para adentrarmos na eternidade que Deus nos reservou. 

Memórias de Maria 

  • Aos sábados: quando não se comemora uma solenidade, festa ou memória obrigatória, neste dia da semana, exalta-se a memória de Nossa Senhora. 
  • Memórias ligadas a antigos relatos apócrifos, relatos que não possuem valor histórico, possuindo, entretanto, valor espiritual:

ü  21 de novembro: Apresentação de Maria, no templo Memórias diocesanas, festas locais

ü  26 de julho: Sant´Ana e São Joaquim 

  • Memórias ligadas às aparições da Virgem Maria

ü  11 de fevereiro (Nossa Senhora de Lourdes),

ü  13 de maio (Nossa Senhora de Fátima),

ü  12 de dezembro: (Nossa Senhora de Guadalupe). 

  • Memórias ligadas à história da Igreja:

ü  Após o Concílio de Éfeso (431), deseja-se honrar Maria como a Mãe da humanidade do Filho de Deus, Mãe de Deus. A Ela é dedicada a Basílica de Santa Maria Maior. Em seguida, cria-se a sua festa, consagrando-lhe o dia 5 de agosto.

ü  O cisma de Avignon (1378), leva o Bispo de Praga, Bispo Jenstein, a introduzir a festa da Visitação.

ü  O movimento herético de Huss provoca o sínodo de Colônia (1423) e suscita, em seguida, a festa de Nossa Senhora das Dores. 

  • Memórias diocesanas, festas locais

Estas são inúmeras e marcam um acontecimento notável, numa diocese (fundação de um santuário após uma aparição ou revelações particulares, peregrinação regional etc.) ou um acontecimento importante para uma ordem religiosa. Nesta categoria, destacam-se: Nossa Senhora da Salette (celebrada no dia 19 de setembro), Nossa Senhora de Banneux, Nossa Senhora de Beauraing, as aparições de Betânia, Nossa Senhora de Todos os Povos (Amsterdam), Nossa Senhora da Ilha Bouchard, etc. 

§  IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA 

 Senhor nosso Deus, que preparastes no coração da Virgem Santa Maria uma digna morada do Espírito Santo, transformai-nos, por sua intercessão, em templos da vossa glória.

Esta memória litúrgica, estendida por Pio XII a toda a Igreja latina, está ligada a uma devoção que surgiu em tempos relativamente recentes, em paralelo com a do Coração de Jesus. Ela se baseia na linguagem da Bíblia, que reconhece no coração a interioridade mais profunda da pessoa. E é com um coração indiviso que Maria, humilde serva do Senhor (Lc 1,38; cf. Lc 1,48), guarda a palavra e a ação de Deus (Lc 2,19-51).

O Imaculado Coração de Maria é uma invocação mariana e devoção cujo culto foi pedido à Madre Virgínia Brites da Paixão, e que, mais tarde, ganhou particular destaque com as aparições de Fátima e encontrou o derradeiro reconhecimento mediante as revelações de Jesus Cristo feitas à Beata Alexandrina de Balazar. A devoção consiste na veneração do Coração Doloroso e Imaculado da Santíssima Virgem Maria, mãe de Jesus. 

O Papa Pio XII, efetuou um ato solene de consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria no dia 31 de outubro de 1942. Este ato de consagração veio, ainda, complementar o ato de consagração do Gênero Humano ao Sagrado Coração de Jesus, realizado algumas décadas antes pelo Papa Leão XIII, feito a pedido da Beata Irmã Maria do Divino Coração. 

De acordo com o legado dos pastorinhos de Fátima, foi Nossa Senhora quem, depois de mostrar a visão do Inferno a Lúcia, Jacinta e Francisco, lhes revelou o "Segredo". Contava a Irmã Lúcia que Nossa Senhora afirmou: "...para salvar as almas, Deus quer estabelecer no mundo a Devoção ao Meu Imaculado Coração” (in Memórias da Irmã Lúcia). 

O objetivo desta devoção ao Imaculado Coração de Maria é, portanto, a salvação das almas e a conquista da paz. "Se fizerem o que eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão a paz. A guerra vai acabar" (in Memórias da Irmã Lúcia). Com estas palavras, Nossa Senhora foi bastante clara no seu pedido, é em vista das almas que toda a sua mensagem destina-se. 

A teologia católica afirma que a salvação de toda humanidade é possível, porque Maria disse seu sim a Deus. Uma vez que Deus decidiu que o Salvador viesse por meio de Maria, assim por meio de Maria também podemos ser salvos, não salvos por ela, mas, por intercessão dela, pois os católicos creem que só Jesus Cristo é o Salvador e Maria Sua Mãe Santíssima é, a corredentora com seu Filho Jesus. Jesus é quem salva! Mas o meio pelo qual Deus utilizou para se fazer homem e habitar entre nós, foi Maria! Ela é a medianeira entre nós e Jesus Cristo, função que não diminui em nada a dignidade de Jesus Cristo como único Senhor e Salvador, Aquele que é o Caminho a Verdade e a Vida. 

O mundo inteiro tem sido repetidamente consagrado ao Imaculado Coração de Maria por diferentes papas: 

  • Pio XII, 31 de Outubro de 1942
  • Paulo VI, 21 de Novembro de 1964
  • João Paulo II, 13 de Maio de 1982
  • João Paulo II em união com todos os bispos do mundo, 25 de Março de 1984.
  • Francisco, 13 de Outubro de 2013.
  • Francisco, em especial a rússia e a Ucrânia, em 25 de Março de 2022.

 Quando celebramos a festa do Imaculado Coração de Maria; saboreamos a insondável bondade de Deus que desejou amar com um coração humano, um coração da Virgem de Nazaré. Foi no coração Imaculado de Maria, que o Senhor encontrou um espaço transbordante de santidade, beleza e doação total. O Coração de Maria é fonte de graças e virtudes, devemos contempla-lo e imita-lo na entrega total aos designos de Deus! Faça-se! 

É verdade que de uma forma ou de outra aprendemos a amar, e é sobretudo com os pais e na familia, que aprendemos os mais diversos sinais de amor. Quantas vezes Jesus recostado no colo de sua mãe, adormece com pulsar do coração Imaculado e amoroso de sua mãe. 

Maria ao mostrar-nos o seu coração é sobretudo a vida que ela mostra. Ela quer ensinar-nos que o amor repara os pecados, reanima a esperança, leva á vida, une, constrói, perdoa, santifica, defende os pequeninos e liberta os humilhados. São Lucas nos lembra que era no Coração de Maria que todas as coisas estavam conservadas, ou seja guardadas! As lembranças do Sim, do nascimento, da infância, da juventude e da missâo do filho de Deus, que era seu menino! 

A memória litúrgica do Imaculado Coração de Maria é comemorada no sábado seguinte à solenidade do Sagrado Coração de Jesus, celebrada na segunda sexta-feira depois da solenidade de Corpus Christi. Em 2023 o dia da Festa é 17 de junho.

PRINCIPAIS SOLENIDADES E FESTAS LITÚRGICAS DEDICADAS AOS SANTOS:

 §  SOLENIDADE DA NATIVIDADE DE SÃO JOÃO

A Igreja celebra, em 24 de junho a solenidade da Natividade de São João Batista e, dia 29 de agosto, celebrará a memória do seu martírio. Não há nenhum outro santo do qual a Igreja celebra os dois acontecimentos; celebra, geralmente, apenas o "nascimento para o céu", ou seja, sua morte. Mas, o próprio Jesus disse: “Em verdade vos digo que entre os nascidos de mulher não há ninguém maior do que João Batista” (Mt 11,11): o último dos grandes Profetas de Israel, o primeiro a dar testemunho de Jesus e a iniciar o batismo para o perdão dos pecados; neste contexto, ele batizou Jesus; e foi mártir em defesa da lei Judaica.

No século IV, já havia celebrações litúrgicas sobre João Batista, em datas diferentes. A sua data (24 de junho) foi estabelecida com base no texto de Lucas 1,36, quando diz que Isabel já estava “no sexto mês, ela, que todos diziam, que era estéril”. Logo, seis meses antes do Natal. Desde o século VI, esta festa é precedida por uma vigília. No Brasil, São João é uma das principais festividades juninas.

§  SOLENIDADE DE SÃO PEDRO E SÃO PAULO

Festa de São Pedro e São Paulo, também chamada de Solenidade dos Santos Pedro e Paulo, é uma festa cristã em honra ao martírio em Roma dos apóstolos Pedro e Paulo, que é observada em 29 de junho ou no domingo seguinte. A celebração tem origem muito antiga, sendo a data escolhida sendo ou o aniversário da morte ou do translado das relíquias dos santos.

A liturgia desta solenidade convida a refletir sobre estas duas figuras e a considerar o seu exemplo de fidelidade a Jesus Cristo e de testemunho do projeto libertador de Deus. Os cristãos ortodoxos também realizam esta festa, mas o fazem no dia 12 de julho.

O dia de São Pedro e São Paulo tem como objetivo manter viva na memória dos cristãos as origens da Igreja e, por isso, são celebrados no mesmo dia, pois estavam unidos no mesmo propósito. Esta data ainda é considerada o Dia do Papa, pois São Pedro, segundo os católicos, foi o primeiro Papa da Igreja, além de ter sido o que permaneceu por mais tempo com esse título (37 anos). 

A festa principal dos Santos Pedro e Paulo foi mantida em Roma em 29 de junho desde o século terceiro ou quarto. Notas revelam que a partir do ano 258 se celebrava a memória dos dois Apóstolos em 29 de junho na Via Apia ad Catacumbas, pois nesta data os restos dos Apóstolos foram trasladados para o local. Mais tarde, talvez com a construção da Igreja sobre as tumbas no Vaticano e na Via Ostiensi, os restos foram restituídos a seu anterior descanso: os de Pedro na Basílica Vaticana e os de Paulo na Igreja na Via Ostiensi. 

O dia 29 de junho ficou como data anual da celebração de São Pedro e São Paulo, em reconhecimento às virtudes cristãs dos dois importantes apóstolos que defenderam o Evangelho de Jesus Cristo com suas vidas. Os dois são padroeiros de Roma, juntamente com Santa Catarina de Siena. Os dois apóstolos são considerados os pilares da Igreja Católica. 

Embora pouco se saiba da vida de Pedro, após a ascensão de Cristo, a antiquíssima tradição católica assegura que o apóstolo viajou para Roma, em meados do século 1, fundando a primeira comunidade cristã da cidade. Essa hipótese é fortemente sustentada por historiadores como Eusébio de Cesareia que, embora tenha vivido dois séculos depois de Pedro, fundamentou sua obra na opinião de autores mais antigos. 

Paulo, após ter sido mantido preso por dois anos em Cesareia, conseguiu que seu caso fosse reaberto e obteve o direito de ser julgado por um tribunal apropriado em Roma, em vista da sua cidadania romana.  Ele teria chegado a Roma por volta do ano 60 e pregado na cidade por dois anos, enquanto estava em prisão domiciliar. Os dois foram martirizados em Roma.

São Pedro passou seus últimos anos em Roma liderando a Igreja, durante a perseguição, até o martírio em 64. Ele foi crucificado de cabeça para baixo a seu pedido, por não se considerar digno de morrer como o seu Senhor. Ele foi enterrado na colina do Vaticano e a Basílica de São Pedro foi construída sobre o seu túmulo. 

A Bíblia não narra como ou quando Paulo morreu. De acordo com a tradição cristã, o apóstolo foi decapitado em Roma, durante o governo do imperador Nero, em 67.  O tratamento mais "humano" concedido a ele, ao invés da crucificação, foi graças à sua condição de “romano”. Ele está enterrado em Roma, na Basílica de São Paulo fora dos Muros.  

Na homilia de 2012 para a solenidade de São Pedro e São Paulo, Bento XVI chamou esses dois apóstolos de "principais patronos da Igreja de Roma. A tradição cristã sempre considerou São Pedro e São Paulo inseparáveis: juntos, de fato, eles representam todo o Evangelho de Cristo", afirmou Bento XVI. 

§  SOLENIDADE DE SÃO JOSÉ 

A Igreja celebra no dia 19 de março a Solenidade de São José. Narram os Evangelhos que São José é descendente da casa real de Davi. É o esposo da Virgem Maria e pai adotivo de Jesus Cristo. Nos Evangelhos ele aparece na infância de Jesus. Pode-se ver as citações nos livros de Mateus Capítulos 1 e 2, e em Lucas 1 e 2. Na Bíblia, São José é apresentado como um justo. Mateus, em seu Evangelho, descreve a história sob o ponto de vista de José. Já Lucas narra o tempo de infância do menino Jesus contando com a presença de José. São José era carpinteiro na Galileia e foi escolhido para ser esposo da Virgem Maria, protetor da Sagrada Família, foi escolhido por Deus para ser o patrono de toda a Igreja de Cristo. 

São José foi um homem justo, trabalhador e exemplo de pai. A simplicidade e a fidelidade fizeram de São José o protetor escolhido para Maria e para o próprio Jesus, bem como para todos: “O Anjo do Senhor manifestou-lhe, em sonho, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber Maria como tua Mulher, pois o que nela foi gerado vem do Espírito Santo. (Mt 1,20). 

São José foi inserido no calendário litúrgico Romano em 1479. São Francisco de Assis e, mais tarde, Santa Teresa d’Ávila, foram grandes santos que  ajudaram a divulgar a devoção a São José. No ano de 1870, São José foi declarado oficialmente como o Patrono Universal da Igreja. O autor desta declaração foi o Papa Pio IX. No ano de 1889, o Papa Leão XIII, num de seus grandes documentos, exaltou as virtudes de São José. O Papa Bento XV declarou São José como o patrono da justiça social. Para ressaltar a grande qualidade e poder de intercessão de São José como “trabalhador”, O Papa Pio XII instituiu uma segunda festa em homenagem a ele, a festa de “São José operário” no dia primeiro de maio. 

São José é invocado também como o padroeiro dos carpinteiros. Na arte cristã ele é representado tendo um lírio na mão, representando a vitória dos santos. Algumas vezes ele aparece também com o menino Jesus ou nos braços, ou ensinando a Ele a profissão de carpinteiro. 

************

 Ângela Rocha - Catequistas em Formação

 

FONTES DE PESQUISA:

ADAM, Adolf. O Ano Litúrgico: Sua história e seu significado segundo a renovação litúrgica. São Paulo: Loyola, 2019.

CONCÍLIO VATICANO II. Constituição Sacrosanctum Concilium sobre a Sagrada Liturgia. São Paulo: Paulinas, 2002.

CONCÍLIO VATICANO II. Lumen Gentium: Constituição Dogmática sobre a Igreja. São Paulo: Paulinas, 1998.

CONGREGAÇÃO PARA O CULTO DIVINO E A DISCIPLINA DOS SACRAMENTOS. Instrução geral do missal romano. 3ª ed. Brasília: CNBB, 2023.

KONINGS, John S.J. Liturgia dominical: Mistério de Cristo e formação dos fiéis – Anos A – B – C. 3ª ed. Petrópólis: Vozes, 2003.

PAULO VI. Constituição pastoral Gaudium et Spes: Sobre a Igreja no mundo de hoje. São Paulo: Paulinas, 1998.