quinta-feira, 14 de julho de 2016

HOMILIA DO DOMINGO - 16º Domingo do Tempo Comum Ano C

A ÚNICA COISA NECESSÁRIA
As atitudes diferentes de Maria e Marta, as duas irmãs que hospedam Jesus em casa, levam-nos a refletir sobre como estamos atentos à presença de Jesus em nossa vida, sobre como valorizamos tal presença, dedicando a ele tempo para ouvir sua Palavra e assim não reduzir a própria vida a agitações e preocupações.
O próprio Mestre nos garante que uma só coisa é necessária: reconhecer a preciosidade de sua presença, pôr-se a seus pés como discípulo, deixar que ele fale e seja luz em nosso caminho. Mais que transmitir um ensinamento, com suas palavras Jesus doa a própria vida. Aprender com ele não é entrar em contato com simples doutrina ou teoria; é sobretudo conhecer uma pessoa e suas opções de vida, sua compaixão para com os sofredores, seu longo caminho de doação em favor dos que não têm vida digna.
É no caminho a Jerusalém, de fato, que Jesus se hospeda na casa de Marta e Maria. Dedica-lhes tempo, convive e espera delas a atenção para que se realize um encontro que realmente transforme a vida e transforme as relações, naquela sociedade em que as mulheres não tinham o direito de aprender com nenhum mestre. Pois Jesus é Mestre diferente, sem igual, e conta com as mulheres para realizar sua missão.
A história das duas irmãs nos mostra assim que, mais importante que fazer as coisas, é fazê-las segundo o ensinamento de Jesus. A agitação e a preocupação de Marta a impedem de escutar a palavra do Mestre, como na parábola do semeador, onde as preocupações sufocam a semente e esta não produz fruto (cf. Lc 8,14). Maria soube escolher a melhor parte, ou seja, soube reconhecer que, atentos à palavra de Jesus, nossa vida e nossas ações ganham novo significado.
O quanto falta da atitude de Maria, a nós que frequentemente nos agitamos e inquietamos por tantas coisas? Quando aprendemos com o Mestre, reconhecemos a única coisa necessária, a vida que ele nos doa e que ninguém nos poderá tirar. Encontramos então, por acréscimo, tudo o mais: a esperança, a fé e o amor que nos impulsionam a doar-nos como ele se doou.
Pe. Paulo Bazaglia, ssp

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO