sábado, 8 de junho de 2019

ROTEIRO DE LEITURA ORANTE – PENTECOSTES



Leitura Orante de João 20, 19-23 - Pentecostes

Celebramos nesta Leitura Orante o dom prometido do Espírito Santo. Vamos compreender o que a palavra diz e depois orar com a palavra ou deixar que a palavra ore em nós. Pentecostes era uma antiga festa do judaísmo, era a festa das colheitas e os cristãos dos primeiros tempos adotaram parte do calendário antigo do judaísmo e inseriram nesta calendarização algumas festas como próprias do cristianismo. O Pentecostes é uma delas. O texto é João 20, 19-23.

Pacificação interior:

Para melhor entender e absorver a palavra como “oração” é necessário que nos pacifiquemos. Que deixemos a distração, os devaneios, as lembranças de compromissos ou de problemas, de atividades esquecidas que afloram ao nosso pensamento - justamente agora que estamos orando – que fiquem lá fora. Pacificarmo-nos interiormente. Fechando os olhos, buscando uma posição que favoreça o nosso recolhimento, vamos nos por confortáveis, vamos nos entregar a este momento. Lentamente vamos a uma primeira respiração, façamos o mesmo uma 2ª vez. Parece um exercício banal, ordinário, de pouca significação, de todos os dias até. Mas, fazendo com lentidão e com concentração, predispõe-nos à oração. Agora, tente imaginar os seus pulmões a encher-se de ar, o sangue a circular pelas artérias, pelas veias. Tente imaginar seu cérebro em intensas atuações de recordação, de ordens ao coração para bater, aos pulmões para respirar, ele está sempre ativo, mas, agora estará pensando só em Deus.

♫ Mantra: Vinde Santo Espírito, vinde Santo Espírito, vinde Santo Espírito... (6X)


Num segundo momento peçamos ao Espírito Santo que nos ajude a compreender as palavras que vão inspirar nossa oração:

Vinde Espírito Santo....


♫ Mantra: Vinde Santo Espírito, vinde Santo Espírito, vinde Santo Espírito... (3X)

1º PASSO – LEITURA

Evangelho de Jesus Cristo segundo João:

“Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus,
as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e pondo-se no meio deles, disse: 'A paz esteja convosco'. Depois destas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor. Novamente, Jesus disse: 'A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio'. E depois de ter dito isto, soprou sobre eles e disse: 'Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos'”. 

♫ Mantra: Vinde Santo Espírito, vinde Santo Espírito, vinde Santo Espírito...

2ª leitura: Silenciosa, cada um com a sua bíblia em mãos, leia novamente, fixando-se nos trechos mais importantes. Saboreando as palavras... concentrando-se no significado de cada palavra, de cada frase...

2º PASSO - MEDITANDO

Era o anoitecer do primeiro dia da semana. De qual semana? A tarde de qual dia?
Alguns versículos antes, Maria Madalena fora no “primeiro dia da semana”, até o sepulcro para ungir o corpo do amigo Jesus, pois não fora possível fazer isso na sexta, chegara o sábado e nada pode ser feito. Ela foi logo cedo no primeiro dia da semana, a pedra fora removida. Os discípulos foram até lá e viram que o corpo não estava lá. Qual era mesmo o dia? Era o primeiro dia da semana: Era o dia da ressurreição!

E estavam fechados numa sala. Talvez o cenáculo, onde estavam os discípulos, por medo dos judeus. Não é que os judeus perseguiam e ameaçavam os cristãos. Não, não era isso. “Judeus”, no evangelho de João, era uma menção àqueles que não quiseram crer. Então o temor e o medo que eles tinham era de falar de Jesus, o temor de recordar as promessas da ressurreição. Estavam atemorizados, sem forças e motivação para testemunhar quem era Ele. E o Mestre tinha morrido, fora uma decepção e estavam mergulhados em dúvidas e interrogativas. Era esse o medo, não eram as ameaças vindas de fora, o medo vinha de dentro. Fecharam as portas, mas, era de dentro deles que vinha o temor.

Pois bem, Jesus veio e pondo-se no meio deles disse-lhes: “A paz esteja convosco”. Jesus veio, pôs-se, disse... Três verbos: vir é uma ressonância antecipada daquilo que se espera, daquilo que os discípulos creram desde o início, que um dia o Senhor virá, voltará. “Pôs-se em meio a eles”: porque este detalhe espacial no meio? Porque para comunidade encontrar o ressuscitado é preciso a vida comunitária, a partilha da fé. Só é possível reconhecê-lo e percebê-lo lá onde a fé é partilhada e a esperança compartilhada, lá o senhor se deixa vir.  E o senhor se colocou em meio deles e disse:  A paz esteja convosco”. “Paz” era a maneira comum, ordinária de saudar as pessoas.

Nós dizemos “bom dia”, “boa tarde”, “boa noite”.  Naquela época se dizia “Paz”, Shalom.  Precisamos mergulhar no sentido dessas saudações. Naquela época saudar com um “bom dia”, não era uma saudação fugaz, de momento, como se fosse uma mera cortesia. Quem dizia um bom dia, comprometia-se a fazer bom o dia da pessoa que encontrava. O mesmo aqui com “a paz”: o Senhor vem trazer a paz e oferecer a sua vida de ressuscitado para que eles experimentem a paz. Que não é a tranquilidade, que não é a ausência de problemas ou divergências, não! Mas, é a segurança e a convicção de que a vitória do senhor Deus está assegurada pela ressurreição. Então, por mais que os discípulos se deparem com desafios de toda ordem, o ressuscitado se faz próximo para que, com sua vitória, os discípulos experimentem a sua alegria. De fato, eles se alegraram, ficaram cheios de alegria por vê-lo.

“Como o Pai me enviou eu também vos envio”. Interessante este versículo: “Como o Pai me enviou eu também vos envio”.  Não é que um passa para o outro a missão, longe disso! Mas, se o Pai enviou seu filho Jesus para salvar o mundo, os discípulos são enviados por Ele, pelo Salvador, para que ofereçam a salvação que ele, Filho, assegurou a humanidade. A missão dos discípulos se fundamenta na missão do Filho: o Pai envia e o filho leva à salvação, é Ele, o Salvador, os discípulos têm então essa corresponsabilidade.  Não são salvadores, mas levam à vida, à humanidade, a voz do Salvador.

“E o Senhor soprou sobre eles”. Muito importante para o dia de Pentecostes é o sopro é a vida, a experiência do homem bíblico era muito singela: se eu não respiro, se fico sem ar eu morro. Então a vida que ele soprou sobre eles, os discípulos, é a vida do ressuscitado.
Mostrou-lhes as mãos e o lado”, não para mostrar feridas ou cicatrizes da crucificação... o lado aberto pela lança do soldado, não é para mostrar cicatrizes curadas e feridas abertas, Ele queria que os discípulos entendessem que só é possível encontrar-se com o ressuscitado, se seguir o caminho da cruz. Não é possível o encontro com o ressuscitado recusando o caminho e o seguimento da cruz.

É este o sentido do que celebramos no Pentecostes. O sopro do Espírito sobre eles é a vida do ressuscitado que Ele comunica aos discípulos. E este sopro faz com que os discípulos se tornem ricos e impregnados da vida do ressuscitado. O sopro sai do mais profundo do corpo. Recorda o Antigo Testamento, em Gênesis, que o Senhor soprou nas narinas do primeiro homem e ele se tornou um ser vivente. Também em Ezequiel 37, num campo cheio de ossos ressequidos, imagem de Israel que experimentara a morte, o profeta deu um sopro - o sopro do profeta e não de Deus – e fez com que todos aqueles ossos se tornassem vida, o povo voltou a vida. Agora, aqui, é o sopro de Jesus filho, sobre os discípulos para que enviados, levem a vida do ressuscitado aonde forem, a quem encontrarem. Era a promessa do Espírito Santo e onde o ele é levado, o perdão se torna a experiência mais imediata: a quem perdoardes, haverá perdão. A quem retiverdes, ou seja, a quem ainda não chegou a crer no Espírito e no Salvador, o perdão chegará quando a fé for uma experiência objetiva e real.

♫ Mantra: Vinde Santo Espírito, vinde Santo Espírito, vinde Santo Espírito...

3º PASSO - ORAÇÃO

Vamos dar outro passo: eu também estou lá, naquela sala... Com meus medos, o mesmo medo dos discípulos de testemunhar Jesus, não era medo dos judeus os perseguirem, não, era medo de testemunhar Jesus que ressuscitara e agora perdoa. Estou lá com eles, eu com meus medos. E Ele me mostra suas mãos, mostra que teve medo, sofreu, suou sangue mas sustentou-se, está a me olhar e me mostrar as mãos, o lado... Eis que meu Espírito lhes é dado... Posso sentir seu sopro em mim, me dizendo: vai, leve a paz, leve o perdão...
E eu qual é a minha palavra, qual a minha resposta?

Oremos juntos: Senhor Jesus, trouxeste-me a paz, mostraste-me suas marcas, mas, conheces meus medos e vergonhas. Até parece que não falo de ti para não parecer beata, carola, como se isso fosse me empobrecer. Senhor tenho medo, sopra sobre mim teu Espírito para que eu me alegre em pronunciar o Teu nome, em apresentar a Tua vitória e levar-te àqueles a quem eu encontrar e deixa-me ajudar-te a perdoar pois precisam da tua paz.

♫ Mantra: Vinde Santo Espírito, vinde Santo Espírito, vinde Santo Espírito...


4º PASSO – CONTEMPLAÇÃO

Fechando os olhos vamos imaginar as cenas que o texto nos propõe.
Uma tarde, o sol que se põe, alguma nuvem com o brilho dos últimos raios de sol, um céu avermelhado, os discípulos reunidos. Estão fechados numa casa, temem, duvidam, debatem, lamentam-se e tudo parece ter se perdido. Uma semana antes o senhor era vitorioso, triunfal, fora recebido na casa de Lázaro, aquele que Ele fizera sair do túmulo.... Sim, mas agora, fora o senhor ao túmulo e a sensação era de derrota, lá estão eles a falar, gesticular, olham pela janela, irritam-se alguns talvez.

E o senhor se faz vier. Ninguém sabe por onde entrou, pela porta, pela janela? Estes limites o Senhor não tem mais. E se põe no meio deles, olha, saúda.... Tente imaginar a euforia daqueles que o veem.... É verdade ou é um sonho? Ou é a mente desvairada deles ou alucinações febris. O senhor lhes mostra a mão, lá estão marcas dos pregos, mostra o lado, lá está o sinal da lança, mas, está vivo e lhes fala. Tente imaginar a atenção daqueles, os olhos arregalados.

“E a paz esteja convosco”. Ouça esta frase com eles.  Tente ouvir isso... O senhor está dizendo a você e a eles, repete a mesma frase: “A paz...”. Agora ele se aproxima de Pedro, um sopro suave, João, outro sopro... imagine João, Tiago, André, Felipe... eles todos. O senhor sopra sobre um por um e em cada um deles. Receba o Espírito Santo, aquele sopro é como se o mundo fora recriado. Outrora Deus soprara em Adão e se ele se tornara um ser vivo. Agora aqueles... recebei o Espírito Santo e a quem perdoardes, haverá perdão. Aqueles onze, pois Judas não está lá, entreolham-se... Perdão... a quem perdoares, haverá perdão. Sim, perdão! Ainda não conseguem crer, vivem a perplexidade. Será que é Ele? Novamente: a quem perdoardes...  Eles olham para o senhor maravilhados, por tê-lo encontrado e entreolham-se pela magnitude da missão que lhes foi incumbida. Pelo Espírito Santo, este foi um sopro de vida recebido do ressuscitado para levar o perdão. É o mesmo sopro que sinto em meu rosto agora: O sopro do Espírito que me faz discípulo também.

♫ Mantra: Vinde Santo Espírito, vinde Santo Espírito, vinde Santo Espírito...

 Pai Nosso que estais no céu...


* Inspirada na Leitura Orante feita por D. Antônio Peruzzo, Arcebispo de Curitiba – Em 04 junho de 2017.


Este e outros roteiros, encontram-se em nossa apostila: "Roteiros de Leitura Orante para a Catequese": Discípulos de Emaus, Samaritana no poço, Atos dos Apóstolos, Jesus: caminho, verdade e vida...

O material está em formato de "apostila", em arquivo PDF e pode ser disponibilizado no e-mail de vocês por R$ 10,00, depositado em conta:

CAIXA ECONÔMICA - AG. 3635
CTA POUPANÇA: 013.00000230-8
PAULO ROBERTO ROCHA - CPF 598.914.759-72

É só depositar e me avisar pelo e-mail angprr@gmail.com!

E você ainda pode ESCOLHER uma leitura bíblica (dos Evangelhos), que recebe de presente um roteiro feito especialmente pra você!

Nenhum comentário: