sábado, 29 de outubro de 2016

HOMILIA DO DOMINGO: O PRIMEIRO PASSO

HOMILIA DO 31º DOMINGO DO TEMPO COMUM – ANO C

Neste domingo, o Evangelho nos apresenta a perícope do encontro de Jesus com Zaqueu. Trata-se de um cobrador de impostos, considerado impuro pelos judeus. Zaqueu era um ladrão, desonesto em suas cobranças, além de ser um homem de muitas posses.

Para este homem é destinada a misericórdia de Deus, pois o Senhor não despreza nenhuma de suas criaturas, como nos diz o livro da Sabedoria: “Sim, ama tudo o que existe e não desprezas nada do que fizeste, porque, se odiasse alguma coisa, não a teria criado” (Sb 11, 24). Deus não deseja a condenação de ninguém, mas, a felicidade de seus filhos: “Acaso eu quero a morte do pecador – oráculo do Senhor – e não que se converta e tenha vida?” (Ez 18, 23). A misericórdia manifestada em Jesus nos revela a gratuidade divina, fundamentada no amor que ama acima de qualquer pecado. Esta gratuidade ainda é mal compreendida por muitos em nossos dias.

Zaqueu fez o caminho da conversão. Queria ver Jesus, havia um desejo intenso de ver o Salvador, e de vê-lo de longe. Não queria ser descoberto, identificado. Por isso, estava escondido na árvore. Não é incomum a atitude de Zaqueu: aqueles que se escondem porque têm baixa autoestima, acham-se incompetentes, insignificantes; há aqueles que se escondem porque não querem compromisso (na comunidade); há aqueles que têm medo de encontrar a salvação e preferem se esconder, não dão o passo; há aqueles como Zaqueu que se envergonham do próprio pecado.

Subir na árvore revela também uma atitude empenhativa. O que faria um homem rico, reconhecido, subir numa árvore para ver o Mestre Jesus? Não pode ser apenas a sua baixa estatura, mas o desejo real de encontrar salvação. Ou seja, Zaqueu dá o passo, tem uma atitude real em prol da reconstrução de sua identidade e de sua vida. Sem esta atitude proativa, não há salvação, pois a graça de Deus é um convite para que demos o nosso passo.

A atitude de Jesus é de acolhimento: “Hoje quero estar em sua casa!” (Lc 19,5). Seu primeiro passo não é condená-lo, dar lições de moral, falar da sua vida de cobrador de imposto. Nem mesmo relutou por ele ser um homem de “má índole”. Jesus vai a sua casa, de um modo despojado, sem preconceitos. Esta deve ser a nossa atitude hoje: uma Igreja que não tenha medo de ir ao encontro, que não se deixa conduzir por rótulos e preconceitos. Precisamos proporcionar a experiência do Senhor que começa pela acolhida, atitude de verdadeiro amor. Há muitos Zaqueus escondidos, olhando o Senhor de longe. Eles esperam só um convite, uma oportunidade, uma atitude de acolhida. Quem irá chamá-los?

Zaqueu experimentou uma atitude de amor gratuito. A consequência foi a sua mudança de vida: “Senhor, vou dar aos pobres a metade dos meus bens e, se causei qualquer prejuízo a alguém, restituirei quatro vezes mais” (Lc 19,8). O que comoveu o coração de Zaqueu foi a misericórdia, a grandeza de Jesus, não os moralismos falsos. Este amor provocou mais do que um sentimento, causou, sim, uma nova atitude.

Hoje a salvação entrou em sua casa” (Lc 19,9). Lucas gosta desta expressão “hoje”. A salvação não é só um lugarzinho no céu, como esperavam os tessalonicenses preguiçosos com a comunidade. A salvação é uma nova atitude diante da vida, arraigada na experiência do amor. Hoje a salvação pode entrar na tua casa e na minha. Basta que mais uma vez deixemo-nos amar pelo Senhor. Ele bate a porta; se permitirmos sua entrada, Ele entrará e fará conosco a refeição!

Pe. Roberto Nentwig

Arquidiocese de Curitiba – PR.

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO