sábado, 28 de dezembro de 2019

CATEQUESE JUNTO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA

                                                                                                     

  “O DIFERENTE NOS EDUCA” 
    Dom Elder Câmara

INFORMAÇÕES NORTEADORAS

O termo “deficiência” indica falta de algo, um déficit. É registrada pela comparação a semelhantes, ao costumeiro e usual, ao dito “normal”. Toda pessoa humana é limitada, isso é um denominador comum entre nós, no entanto, quando a falta ultrapassa certos limites demarcado pela ciência, chamamos “deficiência”.


Hoje, a tendência é considerar a deficiência do ponto de vista funcional, dinâmico, em um relacionamento centrado na pessoa. Por isso, o termo utilizado atualmente, é “pessoa com deficiência”, o que dá ênfase à pessoa e ao valor que lhe é próprio, mesmo sabendo que esse termo pode ter suas limitações. Sendo assim, os termos: deficiente, pessoa portadora de deficiência, pessoa portadora de necessidade especial, o autista, o síndrome de Down, não são mais usados. A pessoa não porta nada, ela tem a deficiência, mas antes de tudo é uma pessoa. Em outras palavras: ela não é a deficiência, ela é uma pessoa com deficiência.


No que se refere à Catequese, por muito tempo usou-se o termo Catequese Especial, mas atualmente a terminologia orientada pela Igreja é Catequese junto à pessoa com deficiência ou Catequese Inclusiva.

PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E AS SAGRADAS ESCRITURAS

O Texto Base da Campanha da Fraternidade de 2006, como o Tema “Catequese e pessoa com deficiência” apontou para o risco de se querer explicar a deficiência do ponto de vista da Teologia da Retribuição, muito presente no Antigo Testamento. Esta Teologia procurar mostrar um Deus que cumula os seus fiéis com riqueza e saúde, enquanto castiga os infiéis com miséria e enfermidades (Jó 11,13-20).


Neste sentindo, percebemos que são identificadas como benção as situações de felicidade: bem-estar, saúde, longevidade, fecundidade, boa fama e prosperidade; são consideradas maldições as situações de infelicidade: desconforto, enfermidade, empobrecimento, humilhação, esterilidade, angústia (Dt 7,9-10). As deficiências, na medida em que foram encaradas como situações geradoras de infelicidade, entraram na lista das maldições (Dt 28,28).


No Novo testamento existem vários textos que relatam o encontro de Jesus com as pessoas com deficiência. Os Evangelhos relatam a atitude humana e inclusiva de Jesus, retomando o verdadeiro sentido da Lei. Ele resgata o valor e o sentido da defesa da vida.

                   CATEQUESE JUNTO À PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Algumas considerações para o trabalho

“Queremos sentir membros da Igreja de Cristo”: o grande trabalho da catequese inclusiva é fazer com que a pessoa com deficiência sinta-se Igreja. Para isso, é preciso criar espaço para elas, oportunizar sua de participação efetiva na comunidade, promovendo-a como sujeito ativo de sua história.


O documento recente da CNBB sobre Iniciação à vida cristã nos orienta sobre a formação de discípulos-missionários, mas para que isso aconteça, por primeiro os sujeitos precisar ter acesso à uma comunidade, à Palavra, à experiência com a pessoa Jesus. Só assim é possível traçar este itinerário para formar discípulos-missionários. No entanto, ainda são muitas as barreiras que impedem o acesso dos nossos irmãos com deficiência, sejam elas arquitetônicas, de comunicação e, a principal e pior delas, as atitudinais.


Não é raro em nossas comunidades as pessoas com deficiência serem dispensadas da catequese, a começar por uma iniciativa da família, muitas vezes o primeiro espaço social gerador de preconceitos. Isentá-las significa muitas vezes “menos trabalho” e/ou considerá-las incapazes. Envolvê-los exige esforço, dedicação, inspiração.


A definição da incapacidade é gerada principalmente num contexto em que a catequese tem caráter centrado no conteúdo e na doutrina e menos catecumenal e mistagógico. Ainda são comuns discursos como: “Ela receberá a Eucaristia e nem consegue fazer o sinal da cruz direto? Mal sabe ainda rezar a oração do Pai-nosso”.
"Toda pessoa é capaz de Deus!" 

É necessário nos questionarmos: a admissão aos sacramentos contempla uma dimensão puramente intelectual ou é sinal da presença de Deus na vida da pessoa?
Muitos catequistas também se sentem incapazes de conduzir crianças, jovens e adultos com deficiência. Nem sempre se sentem “à vontade” e os sentimentos são os mais diversos: dó, compaixão, medo, aflição, afastamento, emotividade. A maioria deles são naturais e possivelmente relacionados ao desconhecimento ou falta de convivência com pessoas com deficiência. Existe também uma questão psíquica/emocional, em outras palavras, o catequista não está preparado interiormente, consciente ou inconsciente, pois a diferença do outro pode destacar as nossas deficiências.


Os catequistas ideais para este trabalho são aqueles que se sentem a chamados a esta vocação se colocam à serviço. A constante experiência com a pessoa de Jesus e o estudo são dois pilares importantes para os catequistas que se dispõem a servir na Catequese Inclusiva como indica o Diretório Nacional de Catequese (2005): “É necessário levar em consideração as descobertas e avanços das ciências humanas e pedagógicas e assumir a pedagogia do próprio Cristo, que privilegiou os cegos, mudos, surdos, coxos, aleijados.”


A catequese inclusiva pode e deve desempenhar um papel de ponte entre a sociedade e a igreja, de modo que as mesmas conquistas na sociedade repercutam no seio da Igreja e suas experiências tenham um impacto social.



“As pessoas com deficiência não devem ser levadas ao coração da Igreja, como se fossem de fora, exteriores a esse coração. Ao contrário, de imediato, elas nos mostram onde está esse coração.”
 (Jean-Marie Lustiger- cardeal emérito de Paris).

Michele Toso
Fonoaudióloga e Psicopedagoga
Intérprete de Libras/Português
              Coord. Diocesana da Pastoral da Inclusão da Diocese de São Carlos-SP


Nenhum comentário: