sábado, 11 de janeiro de 2014

RITOS E CELEBRAÇÕES NA CATEQUESE - PARTE II

As celebrações

As celebrações possibilitam um ambiente rico em símbolos litúrgicos e sinais que manifestam os valores fundamentais do Evangelho e levam ao entendimento do momento sagrado que se vive. Portanto, é necessário que se crie um itinerário celebrativo que proporcione aos catequizandos viver a fé de um modo mais ativo e prático. Dessa forma o “aprendizado” se dará, tanto pelas palavras que ouvem, quanto pelo ambiente de fé que os rodeia. É a união da “teoria” com a prática. Durante muito tempo vivemos uma catequese exclusivamente “teórica”, o que ocasionou uma separação entre catequese e liturgia.

Em princípio, vamos pensar este itinerário como intrínseco a própria implantação da IVC nos moldes do catecumenato na paróquia. Onde isso ainda não é possível, gradualmente pode-se inserir pequenas celebrações e entregas no processo catequético. Para isso, é necessário que os catequistas e presbíteros conheçam intimamente o RICA – Ritual de Iniciação Cristã de Adultos. O RICA, apesar de ser um Ritual basicamente para adultos, pode ter seus rituais e celebrações adaptado para as crianças (cfe item 312). Aliás, ele trás um capítulo dedicado à  iniciação de crianças em idade de catequese.

Mas, vamos separar as celebrações em três tipos:

- Celebrações Catequéticas (momentos celebrativos): que podem iniciar ou concluir um conjunto de temas dos encontros catequéticos. São celebrações que podem acontecer no ambiente dos encontros com ou sem a presença da família, líderes das pastorais e da comunidade catequética. Essas celebrações resgatam os principais temas do itinerário catequético. Ex.: Acolhida dos novos catequizandos e famílias, Celebração Mariana (mês de maio), celebração dos Sete Sacramentos, dos Mandamentos, Bem aventuranças, do Mandamento do Amor, etc.

- Celebrações de entrega (Festas): são celebrações de caráter mais público, feitas perante a comunidade eclesial e que expressam o compromisso pessoal com a Igreja/comunidade. O ideal é que sejam celebrações eucarísticas, com monição especial do padre e participação da assembléia. Nelas podem ser feitas as entregas: da Cruz, da Bíblia, do Pai-Nosso e do Credo. Essas celebrações devem se moldar à estrutura as Santa Missa, sem comprometer seu caráter litúrgico, em seus quatro grandes momentos: Ritos Iniciais, Liturgia da Palavra, Liturgia Eucarística e Ritos Finais.

- Celebrações de preparação próximas dos Sacramentos: são celebrações que proporcionam um aprofundamento mais intenso sobre o sacramento que será celebrado.  O RICA orienta que estas celebrações sejam feitas na Quaresma, por ser o tempo próprio da “Iluminação”, tempo para se preparar para os sacramentos de iniciação desde a Igreja primitiva. Orienta-se também que os sacramentos da Eucaristia e a Confirmação sejam celebrados no tempo Pascal, assim, o ano catequético fica desvinculado do ano escolar, valorizando a catequese como processo de iniciação a vida cristã e tirando seu caráter de “aula de religião” ou “escola de sacramento e doutrina”. Exemplos de celebrações: Celebração Penitencial (confissões, tanto para Eucaristia quanto para a Crisma), Celebração do Pão (para valorizar a Eucaristia); para a Crisma as Celebrações da Água, da Luz, da ressurreição, Vigília Crismal, etc.

Todas estas celebrações e momentos celebrativos devem ser entendidas como expressão orante dos conteúdos trabalhados na catequese. É necessário encontrar o momento ideal, dentro do itinerário anual (planejamento), para realizar a celebração. Lembrando que não se “celebra” aquilo que não se entende e que, além dos catequizandos, a família também precisa ser preparada para estes momentos.

O objetivo principal da catequese e das celebrações é levar o catequizando a uma verdadeira experiência de encontro com Jesus Cristo. Deve-se cuidar com muito zelo para que as celebrações não se transformem em apenas leituras e encenações. A acolhida deve ser fraterna e verdadeira, o ambiente deve ser bem preparado e agradável, os catequizandos devem ser envolvidos de forma a serem participantes ativos e não expectadores ou “atores” que decoraram a fala.

É essencial, também, que se proporcione um ambiente de profunda espiritualidade, de profunda oração, usando recursos e leituras adequadas: as  Sagradas Escrituras, símbolos, mantras (refrões), músicas, orações, etc.; que “ensinem”  os catequizandos a “conversarem” com Deus, a  sentirem a presença Dele em suas vidas, a entenderem Jesus Cristo e a valorizarem a devoção Mariana.

Em todas as celebrações o ambiente deve estar preparado e adequado ao tema que se quer celebrar, sempre com a presença dos símbolos cristãos: a Bíblia, a cruz, flores, velas, trigo e pão, uva e vinho, imagem de Maria, etc. Em cada uma das celebrações a organização deve nomear previamente o comentarista (catequista, pai, mãe, catequizando, membro da comunidade) e distribuir previamente a cada um a sua participação, para que não se faça nada de improviso. Os comentários devem ser uma referência e não devem inibir a espontaneidade, importante para a celebração. No entanto, há que se cuidar, também. para que não se faça “discursos longos” e desnecessárias “explicações” sobre os símbolos apresentados. Símbolo não se “explica”. Se o fizermos, significa que ele não “simboliza” aquilo que queremos.

Também se deve escolher músicas e cantos adequados ao momento que está sendo celebrado. Mantras e refrões ajudam a interiorização e conduzem à oração.

Quando as celebrações forem integradas a Celebração Litúrgica (Missa) cuide-se para que estas não interfiram no ritual da Santa Missa e sim,   complementem a Liturgia. O padre celebrante deve estar perfeitamente integrado ao processo de catequese de Iniciação a Vida Cristã e conhecer o RICA,  para que as celebrações não sejam comprometidas. As celebrações de entregas na missa não podem, de forma alguma, ser motivo de “estresse” entre catequistas e padre.

Na PARTE III, começaremos a falar das principais Celebrações a serem realizadas: Acolhida dos catequizandos e entrega dos símbolos, Pai Nosso e Credo.

Ângela Rocha
Catequista
Fontes de pesquisa:
RICA – Ritual de Iniciação Cristã de adultos
Itinerário Celebrativo para Iniciação Cristã de Crianças e Adolescentes, Arquidiocese de Curitiba.

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO