segunda-feira, 12 de outubro de 2015

ENCONTROS DE PAIS NA CATEQUESE: COMO FAZER?


Como fazer um bom "Encontro com os pais"?

Os “Encontro de Pais” precisam acontecer. Mesmo que seja uma vez só no ano... E aqui vão algumas dicas de como conduzi-los.

Todo e qualquer encontro precisa de OBJETIVO.

Realizar encontro para cumprir calendário e cronograma, ou mesmo porque “está no planejamento”, é pura perda de tempo. Todos os encontros e reuniões precisam ter um “motivo” válido. É preciso analisar o grupo que você quer envolver.
  • Afinal, qual a realidade destes pais?
  • Estes pais já não têm uma agenda cheia com trabalho, estudo e um monte de outras coisas?
  • Qual a real necessidade da reunião ou encontro para o grupo de pais?
  • Esta reunião precisa ser feita?
  • Avisos e informativos podem ser feitos por escrito ou mesmo através do e-mail.
  • Os encontros e reuniões de pais jamais devem ser um “incômodo” na vida deles.

E se o problema detectado é a falta de envolvimento com os pais na catequese dos filhos? O que fazer?

Infelizmente essa é uma realidade de quase todas as paróquias e pastorais catequéticas. É fruto da própria realidade sócio-cultural em que vivemos. A catequese é tratada como se fosse uma “aula de religião” ou uma obrigação social. Necessária para adquirir certo conhecimento “religioso” para “adquirir” os sacramentos da Eucaristia e Crisma, essa é a visão da maioria dos pais.

Vocês já foram às reuniões de pais de uma escola? A presença só é maciça se for por alguma obrigatoriedade como: pegar boletim, justificar faltas das crianças, notas baixas, etc. Como na catequese não tem nada disso, a maioria dos pais pensa duas vezes antes de ir. Por que ficar sentado lá, uma hora ou mais, se depois posso pegar a coisa por escrito?

A verdade é que “Encontros de pais”, precisam ser encarados como “formação” ou catequese mesmo! Ou seja, é preciso por no planejamento anual a catequese para os pais. Sente-se a necessidade de oração, espiritualidade, partilha, solidariedade na vida das famílias. Todos os problemas que temos, envolvendo comportamento, falta de assiduidade, desinteresse e a própria falta de vivência de Igreja, deve-se a falta de evangelização das famílias. Essa nossa catolicidade “herdada” já não funciona mais. Ser cristão não é fator genético.

Que tipo de “formação” os pais necessitam? O que tratar nos encontros de catequese com os pais?

Normalmente os pais passaram por algum tipo de catequese ao longo da vida, seja na infância ou nos cursos de noivos, batismo, encontros de casais, etc. Espera-se, portanto, que eles tenham algum conhecimento da doutrina religiosa e dos pilares da nossa fé: Orações, sacramentos, Credo, Mandamentos, história da salvação, vida de Jesus e história da Igreja.

Espera-se... no entanto, o que percebemos é que a catequese que eles tiveram é, na maioria das vezes, muito superficial. Como precisamos trabalhar com a premissa de que precisamos deles para nos ajudar na catequese dos filhos, recomenda-se que os conteúdos abordados com a família sejam os mesmos abordados com as crianças, claro que, numa linguagem adulta e mais dinâmica.

Exemplos:
  • Conhecimento da Bíblia, os pais precisam saber manusear a Bíblia para junto com os filhos, fazer leituras. Nada como um encontro para “relembrar” isso dando pequenas dicas sobre ela;
  • A cada etapa da catequese reforça-se um conjunto de orações católicas: Santo Anjo, Ave Maria. Pai Nosso. Ideal é que se faça um encontro sobre “Orações” onde se reforce a necessidade dos pais orarem com os filhos e os incentivarem também a fazer orações espontâneas, a participar dos momentos de oração com a comunidade, terços, novenas, grupos de oração, etc.
  • Assim como é necessário relembrar os grandes pilares da fé como o Credo, os Mandamentos e Bem-aventuranças;
  • Recordar os sacramentos, principalmente dos da Iniciação: Batismo, Eucaristia e Confirmação juntamente com a Reconciliação.
  • Outro tema importante é o “Ser Igreja”, e aqui se inclui a Liturgia (Missa), Ano litúrgico, os atos de caridade e fraternidade (dízimo e outras contribuições), etc.

Quando fazer o encontro é encarado como uma “obrigação” e não uma necessidade

Um grande equívoco acontece quando as coordenações se vêem na “obrigação” de fazer os ditos “encontros”... Que acabam virando “reunião”. E muito maçantes por sinal. Como ele está lá, no planejamento anual e “tem que” acontecer, o encontro vira um "atropelo" e não se prepara uma pauta com objetivo ou uma razão específica para reunir os pais. Aí, aproveita-se a presença destes, para despejar tudo que se tem a fazer no ano e perde-se totalmente o foco do que é a “catequese” com os pais.

Fazer encontro com todos os pais da catequese ou dividir por etapas?

Uma coisa que acontece, para poupar “tempo” são os encontros de pais envolvendo multidões, ou seja, envolvendo todos os pais, independente da etapa em que estão os filhos. Isso não traz bons resultados. Um auditório cheio não proporciona o clima de acolhimento e “intimidade” que se precisa criar. Afinal estamos falando de “encontro” e não de reunião. Interessante é que se reúnam pequenos grupos.

Apesar disso, reuniões se fazem necessárias na catequese. Reuniões mesmo, onde se passe o cronograma do ano, as normas gerais da paróquia/diocese para a catequese, o que se espera dos pais e o que se espera das crianças (número de encontros, freqüência, etc.), qual o conteúdo da catequese, enfim. Temos também as reuniões para se organizar os grandes eventos como a celebrações do sacramento e as entregas. Mas estas reuniões devem ser feitas separadamente, somente para os pais das turmas interessadas.

Mas, atenção! Nunca misture as coisas. Fazer uma “reunião”, cheia de avisos e informações, junto com um “encontro”, com oração, espiritualidade e reflexão; é um erro enorme. No mínimo, uma das duas coisas, vai ser encarada pelos pais como “cansativo” e “desnecessário”.

Como então, “administrar” os encontros de pais?

Essa é uma coisa que se pode copiar das ciências sociais, como a administração por exemplo:

  • A primeira coisa, claro, é que a reunião ou encontro tem que ter um objetivo que deve ter sido pensado antecipadamente.
  • Depois precisa ter uma pauta e um cronograma do tempo necessário.
  • Cada pessoa que se pretenda envolver precisa ser “convidada” ou “participada” da reunião ou encontro.
  • Quando se trata de encontro, é um convite. Afinal se você convida alguém para um encontro, essa pessoa tem o direito de se recusar a ir.
  • Quando é uma reunião, é uma convocação. Trata-se da necessidade de resolver algum assunto. Se os pais precisam decidir algo ou precisam ser informados sobre o andamento da catequese, precisam estar lá. E para isso se faz ata e lista de presença.

É preciso diferenciar uma coisa da outra. Assim como é preciso PLANEJAR. E planejar com carinho! Discutir com o grupo, ver as reais necessidades com relação aos conteúdos abordados. Muitas vezes um simples café da manhã com os pais, sem discutir assunto algum, é muito mais frutífero do que um encontro com palestra e reflexão. Estes encontros “informais” proporcionam um conhecimento mais “íntimo” entre catequista e família.

Vamos pensar nisso!

Ângela Rocha

Catequistas em Formação

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO