quinta-feira, 7 de abril de 2016

FALANDO DE PAIS, ENCONTROS, CRIANÇAS...


 Como deve ser um “primeiro” Encontro de Pais na catequese 
Está marcado o Primeiro Encontro de Pais do ano, com as turmas de 1º Etapa da catequese. O "ano catequético" para nós começa depois da Oitava da Páscoa, na semana seguinte ao Domingo da Misericórdia, depois do Rito da Primeira Eucaristia. Os convites já foram enviados. Por escrito e por mensagem no celular.

Aqui temos cinco etapas e catequese. As primeiras três preparam para o sacramento da eucaristia e as outras duas para a crisma. São, portanto cinco anos de encontros para ensino da fé, onde, como "ritos de passagem", temos os sacramentos da Iniciação (Eucaristia e Crisma). E é um ensino da fé baseado naquilo que a nossa Igreja Católica Apostólica Romana preconiza em seus diretórios como "os sete pilares da fé". (Para saber o que é isso, consultar o DNC item 130 e DGC 130).

As crianças entram na catequese no ano em que completam nove anos. Não temos catequese para crianças antes desta idade. Algumas razões nos levam a proceder assim: Primeiro que, se os pais são "os primeiros catequistas dos filhos", eles precisam de espaço para fazer isso (os primeiros oito anos). É nos primeiros anos de vida da criança que se forja a sua personalidade e o seu caráter. Exemplos precisam ser dados nas vinte e quatro horas do dia... e não uma hora e meia por semana. Depois que o número de catequistas, nunca é suficiente para o número de crianças. Assim, preferimos direcionar todos os nossos esforços para a catequese nestes cinco anos. Por fim, as crianças precisam estar plenamente alfabetizadas para poder acompanhar as leituras bíblicas orantes e todo material pedagógico necessário a uma boa catequese.

Outro fator importante: nossas turmas de catequese, dificilmente têm mais que 12 crianças. A catequista consegue, assim, fazer um trabalho personalizado de evangelização, também com os pais. E a (o) catequista não se cansa ou se desmotiva tentando controlar uma "turba desenfreada" de crianças num encontro para falar de religião, coisa que, infelizmente, não faz parte da vida da maioria delas.

Neste sábado teremos, então, nosso primeiro ENCONTRO - sim, esta é a palavra certa, "encontro" e não reunião – com os pais do 1º Tempo/Etapa da catequese. Falaremos, entre outros assuntos: o que é a catequese, o que se espera dela para os filhos; e o que se espera dos pais para com os filhos e com a Igreja. Sem cobranças, apontamento de dedo ou lições de "como criar seus filhos". Os pais não precisam e não querem isso. Eles querem apoio, ajuda e acolhida neste mundo tão individualizado e "apressado", onde o tempo com o filho é tão pouco que se compensa com coisas de que, na verdade, a criança não precisa. Mas, não falamos isso aos pais. Eles têm perfeita consciência disso, assim como sabem que vão colher o que plantarem. Eles têm conhecimento dessa realidade e, por isso, procuram a catequese para os filhos. Para mudar.

E é isso que nós queremos fazer: Conversar com eles sobre catequese. Que nós queremos também "fazer catequese" com os pais, para que eles possam apoiar os filhos nos momentos em que a catequista não está. A catequista quer conhecer e apoiar a família no que ela precisar. Fazer catequese sem estresse e cobranças de nenhum dos lados.
Nosso encontro inicial é uma "apresentação" do "espaço catequético" para as famílias e, ao mesmo tempo, é um "acolher" verdadeiramente estas famílias. Descrevemos este encontro como uma grande "roda de conversa", um ouvir e falar. Assim como temos expectativas, os pais também têm.

O que eles esperam de nós como "Igreja"? Queremos saber para poder ajudar. O que a catequese espera deles como pais (presença nos encontros de pais e participação nas missas), e o que a comunidade espera deles como fiéis (Implantação do Dízimo catequético). O assunto é sério. E se for tratado com seriedade da nossa parte, teremos recíproca da parte deles.

Falamos, ainda, do "Rito de Entrega da Palavra", que acontece no primeiro domingo de maio. Qual a importância desse gesto, desta "entrega" da Bíblia que os pais fazem para os filhos. Uma bíblia com dedicatória e passada às mãos dos filhos como verdadeira herança de fé. E como esta "herança", este "tesouro", é importante ao longo de toda a vida deles! É Deus que nos sustenta e é a sua Palavra que nos guia. Como uma criança não vai valorizar um tesouro destes, abençoado na missa, entregue pelas mãos de seus pais, perante toda a comunidade?

Neste primeiro encontro, apresentamos nosso cronograma de encontros com os pais, também. Teremos mais CINCO ao longo do ano. Que pretendemos fazer, a maioria, aos domingos, uma hora antes da missa da catequese. São eles:

01 - Sobre a BÍBLIA, apresentando a Bíblia, sua história, suas divisões e como se manuseia e procura leituras, como fazer uma leitura orante (o encontro acontece na semana anterior ao Rito de Entrega num sábado ou durante a semana, à noite);

02 - Sobre a MISSA, como este importante "segundo encontro" da semana é importante para nós, para as crianças e para a família; é nele que "celebramos" o que vemos na catequese; é na Eucaristia que os pais se "abastecem" com a força de Jesus para sua missão de pais e cristãos (marcado para o final de Junho);

03 - Sobre o ANO LITÚRGICO, para que os pais relembrem a caminhada da Igreja ao longo do ano e como estes "tempos" são importantes na vida da Igreja, principalmente o Tempo do Advento, Natal e da Quaresma; Falamos também do calendário da catequese, que começa e termina no tempo pascal. Que é preciso "viver" o tempo da Igreja para "ser" Igreja. (Encontro para o final de agosto);

04 - Sobre a COMUNIDADE: como ela hoje se mantém (dízimo), quais as pastorais, grupos e movimentos que a mantém viva e como ser um cristão engajado na Igreja, fazendo valer a "Fé, Esperança e Caridade" para qual ela existe (meados de outubro);
05 - Sobre o TEMPO QUARESMAL, a vivência da Semana Santa e a participação efetiva nas Campanhas da Fraternidade de todos os anos (fevereiro do próximo ano).

É tudo isso numa tarde de sábado. Com uma hora e meia de duração, não mais. Mas, muito produtivo e frutífero. E “pontual”. Começando e terminando na hora certa. Sem extensos momentos de oração, apenas a oração do Pai Nosso e a invocação da Trindade. Os pais não vieram para uma tarde de oração. Vieram para saber da catequese dos filhos.

Assim se faz um Encontro de Pais.

Ângela Rocha

Convite - Modelo



SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO