terça-feira, 15 de agosto de 2017

SEMANA DA FAMÍLIA: 3º DIA - A NECESSÁRIA MUDANÇA DE MENTALIDADE E DE ESTRUTURA


SEMANA NACIONAL DA FAMíLIA 13 A 19 DE AGOSTO DE 2017

TERÇA FEIRA – 15 DE AGOSTO.

TEMA: A NECESSÁRIA MUDANÇA DE MENTALIDADE E DE ESTRUTURA

Precisamos repensar nossas atitudes, mudar nossa mentalidade e sair do comodismo, apresentando ao mundo que somos Igreja de Cristo, a Igreja que caminha para frente, com lucidez e esperança, com paciência e misericórdia, com coragem e humildade, com atitudes de escuta e diálogo, afinal, essa é a nossa missão como batizados a caminho do céu.

Com isso em mente, vamos iluminar nossa reflexão vendo o que “Deus nos fala”:

DEUS NOS FALA:

“No dia seguinte, João estava lá, de novo, com dois dos seus discípulos. Vendo Jesus caminhando disse: “Eis o Cordeiro de Deus! ”. Os dois discípulos ouviram esta declaração de João e passaram a seguir Jesus. Jesus voltou-se para trás e vendo que eles o seguiam perguntou-lhes: “Que procuras? ” Eles responderam: “Rabi (que quer dizer Mestre), onde moras? ” Ele respondeu: “ Vinde e vede! ”. Foram, viram onde morava e permaneceram com Ele aquele dia. Era por volta das quatro horas da tarde, André, irmão de Simão Pedro, era um dos dois que tinham ouvido a declaração de João e seguido jesus. Ele encontrou primeiro o próprio irmão Simão, e lhe falou: “Encontramos o Cristo! ” (Que quer dizer Messias). Então conduziu-o até Jesus que lhe disse olhando para ele: “Tu és Simão, filho de João. Tu te chamarás Cefas” (Que quer dizer Pedro). No dia seguinte ele decidiu partir para a galileia e encontrou Filipe, Jesus disse a ele: “Segue-me! ” (Filipe era de Betsaida, a cidade de André e de Pedro). Filipe encontrou-se com Natanael e disse-lhe: “Encontramos Jesus, o filho de José de Nazaré, aquele sobre quem escreveram Moisés, na Lei, bem como os profetas”. (Jo 1, 35-45).

João anunciava o cristo e dava testemunho para que todos pudessem crer por meio dele, formava discípulos e os levava a Jesus, não os prendia a si, pois jesus era o sentido de sua vida e missão. André crê em João, sai de onde está e vai até Jesus, fica com ele. Depois volta para sua comunidade, conta a seu irmão que conheceu o Mestre e leva Pedro para que tenha a mesma forte e bela experiência. Pedro, que será o escolhido para iniciar a Igreja, foi a Jesus pelo chamado de André. Filipe segue Jesus e o reconhece como aquele que foi anunciado e o anuncia a Natanael.

A experiência de estar na presença de Jesus nos transforma e nosso encantamento de discípulo deve contagiar e aquecer o coração dos que nos ouvem. O que temos e sabemos de melhor queremos partilhar com quem amamos e valorizamos: nossa Família. Testemunhando nossa fé levamos todos até Jesus para que cada um descubra a missão que Ele lhe reserva e a siga.

Devemos ser a “Igreja em saída” como pede o Papa Francisco, ir em direção aos outros, ajudar quem ficou caído a beira do caminho, acolher o filho pródigo, caminhar junto, acompanhar a formação como discípulos. Para isso precisamos “ficar com Ele”, deixarmo-nos transformar como pessoa, mudar nosso modo de ser e agir para que todos possam ver Cristo em nós. O desafio do cristão será, sempre, viver no mundo sem ser do mundo, transformando a sociedade pelo nosso testemunho de vida e de amor.

O Papa Francisco incentiva: “Aos cristãos de todas as comunidades do mundo, quero pedir-lhes, de modo especial um testemunho de comunhão fraterna, que se torne fascinante e resplandecente”.

Como nossa família, diante do desafio destes “novos tempos” tem vivido a fé e atendido o pedido do Papa? Temos levado irmãos para Jesus?

“A Igreja não é uma ilha de perfeitos, mas uma comunidade missionária de aprendizado em seu modo de ser, organizar e agir como seguidora de Cristo. Viver neste mundo globalizado implica mudança de mentalidade e estrutura”. (Doc. 105 – Cristãos Leigos e Leigas na Igreja e na sociedade).

Nossa família tem vivido fiel aos valores cristãos, apesar da transformação dos tempos? Que atitudes de nossos filhos demonstram isso?

Nós, os leigos, somos mais que colaboradores do clero, “somos corresponsáveis do ser e agir da Igreja”, portanto, “importante a formação de um laicato maduro e comprometido para contribuir na missão eclesial” (Doc. 105).

Nossa ação pastoral tem sido baseada no que aprendemos em nossos estudos do Magistério da Igreja e da sagrada Escritura? E a nossa família, como aprofunda a sua fé?

Lembram-se daquela música do Pe. Zezinho, onde uma criança perguntava o que é preciso para ser feliz? Amar como Jesus Amou, sentir o que Jesus sentia, (...)

Vamos fazer um gesto concreto de tentar “viver como Jesus viveu! ” Vamos observar cada ato nosso (individualmente e em família) durante um tempo? (Esta semana). Cada um vai sorrir, cozinhar, comprar, trabalhar, dirigir... como Jesus faria. Parece simples, mas mudará o mundo a partir de você e de sua família.


Subsídio “Hora da Família 2017” – Pastoral familiar do Brasil – CNBB.



SUGESTÃO DE COMENTÁRIOS PARA A MISSA
Terça-feira - 15 de agosto

INICIAL: Estamos vivendo o 3º Dia da “Semana Nacional da família. E o tema é a “Mudança de mentalidade e de estrutura”, (cujo texto completo pode ser acompanhado pela internet na página da Paróquia Bom Jesus no Facebook). Com muita alegria, hoje refletimos nossa missão de batizados a caminho do céu. Precisamos repensar nossas atitudes, mudar nossa mentalidade e sairmos do comodismo, apresentando ao mundo que somos Igreja de Cristo, a Igreja que caminha para frente, com lucidez e esperança, com paciência e misericórdia, com coragem e humildade, com atitudes de escuta e diálogo.

FINAL: Devemos ser a “Igreja em saída” como pede o Papa Francisco, ir em direção aos outros, ajudar quem ficou caído a beira do caminho, acolher o filho pródigo, caminhar junto, acompanhar a formação como discípulos. Para isso precisamos “ficar com Ele”, deixarmo-nos transformar como pessoa, mudar nosso modo de ser e agir para que todos possam ver Cristo em nós. O desafio do cristão será, sempre, viver no mundo sem ser do mundo, transformando 

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO