sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

HOMILIA DO DOMINGO


                              5º DOMINGO DO TEMPO COMUM ANO B


Jó é o ícone do sofrimento. Apesar de sua fidelidade a Deus, não ficou imune a dor: “Não é acaso uma luta a vida do homem sobre a terra?” A dor é uma realidade humana, faz parte da nossa vida independente de nossas escolhas. Hoje se difunde a teologia da prosperidade, quando se realiza uma troca com Deus: fidelidade gera ausência da dor. Esta posição foi combatida pelo livro de Jó.

Podemos ver o sofrimento como um castigo ou como uma oportunidade. Podemos colocar a nossa dor no altar de Deus ou no altar do diabo: do altar de Deus vem a paciência, as lições, a fortaleza, o consolo como nos diz o Salmista (“Ele é bom e conforta os corações”); do altar do diabo vem a revolta. Do sofrimento de Jó brotou uma prece: “Lembra-te”. Diante da dor, resta-nos a confiança que nos faz pedir para que o Senhor não se esqueça de seus filhos.

O sofrimento não é assunto resolvido no Antigo Testamento. É Jesus que revela o sentido da dor humana. Ele que carregou sobre si as nossas dores e foi homem experimentado nas adversidades humanas. Jesus assume a nossa dor, portanto, tem um coração sintonizado, solidário com nossas dores: mostra que conhece a dor do ser humano por dentro, e não é indiferente a ela. Esta compaixão move Jesus para ir ao encontro dos sofridos. O Senhor Jesus vive o princípio proclamado por São Paulo “Fiz-me tudo para todos para salvar alguns”. Jesus se fez doente para curar os feridos, experimentou as limitações humanas para ter compaixão de todos os que sofrem.

A cura da sogra de Pedro é apenas um sinal, pois só no fim dos tempos ele acabará com toda dor. As curas são antecipações do que virá: o mundo sem males e sem dores. O Reino prometido já é realizado, mas ainda está por vir. Jesus não veio para resolver todos os problemas de saúde de Cafarnaum ou da Galiléia. Quando o procuram porque encontraram uma espécie de curandeiro, Jesus os deixa e vai a outros lugares, pois não pode se prender à vontade egoísta das pessoas: “Vamos a outros lugares, às aldeias da redondeza!” Jesus deixa claro que não deseja atender os desejos da multidão, que seu principal objetivo não é a popularidade, como muitos dos ministros cristãos. Ele prefere o ministério da ausência, ou seja, a fuga estratégica que cria a possibilidade de que a presença tenha sentido; também prioriza os momentos de solidão e silêncio que o alimentam para que possa seguir em sua missão de realização da vontade do Pai. Por fim, a fuga de Jesus significa sua missionariedade: Ele vai em busca de todos, não prioriza os mais agradáveis, os mais ricos, os mais fáceis. É o missionário do Pai, e precisa ir  outros lugares.

São Paulo, na 2ª leitura, fala do prazer e da gratuidade em pregar o Evangelho. Também se reconhece como missionário que não se prende por desejos humanos, a exemplo de Jesus. Mereceria salário, mas não quer ser peso para a comunidade, nem escandalizar. Sua vida não é movida por dinheiro, pois existem verdadeiras motivações que o fazem evangelizar.

Algumas perguntas importantes diante dos textos deste domingo: quais são as dores que mais oprimem a minha alma? Como é minha reação diante da dor? O que espero de Deus: cura milagrosa ou fortaleza? Desejo que Deus atenda meus desejos egoístas ou estou aberto para que a vontade de Deus seja realizada?


Pe  Roberto Nentwig
Arquidiocese de Curitiba-PR



FONTE:
NENTWIG, Roberto. O Vosso Reino que também é nosso. Reflexões Homiléticas, Ano B. Curitiba; Editora Arquidiocesana, 2015. Pg. 79.

*Adquira os livros com as Homilias completas!

Palavras sobre o Reino na vida a partir dos Evangelhos. São três livros: Ano Liturgico A, B e C. Cada livro tem o valor de R$15,00. Kit com os três livros: R$30,00 + frete.


Postar um comentário