sexta-feira, 1 de junho de 2018

HOMILIA DO DOMINGO: JESUS ABRE CAMINHO PARA A LIBERDADE



                       HOMILIA DO 9º DOMINGO DO TEMPO COMUM

“Vinho novo, em odres novos” (Mc 2, 22). Este versículo antecede as palavras de Jesus no Evangelho de hoje (que começa no versículo 23). Ele quer, portanto, a renovação do velho, das estruturas, daquilo que não pode suportar a novidade do Evangelho.


Jesus não tem um olhar dirigido ao passado, mas ao futuro. Não suscita memórias para manter a segurança enganadora da religião. Nas palavras do teólogo Jean-Baptist Metz, existe uma “lembrança perigosa”, aquela que não permite que haja prevalecimento de méritos, mas leva a pessoa a implorar pela misericórdia, por pura gratuidade. Jesus está nessa linha, chamada profética, estando em oposição ao uso da religião como favorecimento de quem tem casta ou posição.


Jesus ultrapassa o moralismo e exorta à procura da vontade de Deus, de um modo livre, não se preocupa com uma obediência prescrita. A assiduidade às práticas religiosas não era ressaltado em suas pregações. Se os escribas e fariseus se mantinham presos aos textos, era para que seu povo se mantivesse sob seu jugo. Jesus, por outro lado, tira seu conhecimento de sua familiaridade com Deus. Sua proposta é de uma religião interior, ensina o povo a viver da fé, alimentando-se da Escritura e na alegre celebração em seu Templo, mas não se detém nos textos, em definições formais, ritos. Anuncia uma fé pessoal, deixando em segundo plano as mediações religiosas formais do seu tempo.


Tal liberdade retira o medo do sagrado, aquele que impede se reconhecer o Deus amor. A obediência serviçal às formalidades religiosas mantém o crente como um escravo. Jesus rompe com esta religião, desejando que os discípulos se sintam livres, como filhos e filhas.


São Paulo endossa esta liberdade ao anunciar que a fé nos faz olhar para as coisas invisíveis, não para as coisas visíveis. A fé nos dá a certeza de que crescemos espiritualmente até atingirmos nossa maturidade humana para além deste mundo. A nossa cultura nos força a olhar somente para além desse mundo. A nossa cultura nos força a olhar somente para o exterior, para os corpos jovens, belos e esculpidos. Sabemos que nenhuma beleza exterior é mantida, que os anos passam. Somos seres para a morte e, por isso, devemos conquistar ao longo dos anos uma liberdade interior que nos faça desprender do visível. Nas palavras de Michel de Montaigne: “Meditar sobre a morte é meditar sobre a liberdade”.

Pe. Roberto Nentwig
Arquidiocese de Curitiba - PR


FONTE: 
NENTWIG, Roberto. O Vosso Reino que também é nosso. Reflexões Homiléticas - Ano B. Curitiba; Editora Arquidiocesana, 2015. pg. 79.


* Adquira os livros com as homilias completas!

Palavras sobre o Reino na vida a partir dos Evangelhos. São três livros: Ano Litúrgico A, B e C. Cada livro tem o valor de R$ 15,00. Kit com os três livros: R$ 30,00 + frete


Postar um comentário