segunda-feira, 22 de maio de 2017

SHEMÁ - ROTEIRO PARA ENCONTRO


"Shemá (ouve), ó Israel: Iahweh nosso Deus é o único Iahweh. Portanto, amarás a Iahweh teu Deus com todo o teu coração, com toda tua alma e com toda a tua força. Que estas palavras que hoje te ordeno estejam em teu coração! Tu as inculcarás aos teus filhos e delas falarás sentado em tua casa e andando em teu caminho, deitado e de pé. Tu as atarás também à tua mão como um sinal, e serão como um frontal entre os teus olhos; tu as escreverás nos umbrais da tua casa e nas tuas portas." 
Deuteronômio 4-9 (Bíblia de Jerusalém)

Deuteronômio significa “Segunda Lei” em grego. O nome em hebraico é Debarim, plural de Dabar (palavra), e significa “Estas são as palavras”. Essa passagem do livro é fundamental na fé judaica.
Nela encontramos a essência da catequese pela exortação “Shemá” (escuta) onde: Deus é o único Deus e devemos amá-lo de todo coração, com toda a nossa alma e com toda nossa força. É preciso transmitir essa fé aos nossos filhos e aos filhos de nossos filhos. O amor de Deus deve estar em todos os nossos momentos. Sentado em casa (em família), na vida social (andando pelo caminho), no repouso (deitado) e na atividade (de pé). O amor deve ainda penetrar em todas as nossas ações (mãos) e intenções (olhos), tanto na vida particular (batentes da casa) como nos vários setores da sociedade (portas da cidade).
Depois de uma aula no curso bíblico, curiosamente me debrucei sobre o Deuteronômio, quinto livro do Pentateuco. E ali percebi que as tradições da nossa Igreja, herdadas do povo de Israel, são o patrimônio vivo de um passado distante, e que estas tradições dão a esse povo um sentimento de unidade, lembram de seus antepassados e são o sustentáculo da sua fé. Muito mais de que uma "lei", o Deuteronômio é um livro "histórico", mas, não devemos só focar na lei e sim da história viva de um povo e suas tradições. Orgulha-me, mesmo não sendo judia, ter herdado um pouco da vivência de fé deste povo. Essa passagem constitui a profissão de fé central do monoteísmo judaico e assim, também, da nossa fé. Precisamos transmitir às nossas crianças o valor desta tradição. Dessa forma, estaremos lembrando do 1º Mandamento e também reforçando a importância de uma "profissão de fé" (para nós o "Credo Apostólico") na nossa vida, que nos guie e oriente.

A FÉ JUDAICA

O povo judeu reza o Shemá, duas vezes ao dia, de manhã e ao anoitecer. E é costume cobrir os olhos com a mão direita para maior concentração.



Antes que os bebês judeus comecem a balbuciar suas primeiras palavras, logo ao nascer, já são introduzidos os valores judaicos fundamentais em suas vidas. Logo ao acordar recita-se o "Shemá". Ao estarem quase adormecidos, ainda despertos, bem alimentados, banhados e confortavelmente embrulhados em seus pijaminhas quase a ponto de serem depositados em seu berço, cobre-se seus olhos e recita-se novamente o "Shemá". A afirmação, "Ouve Israel…" que os acompanharão para sempre.

Assim o "Shemá" faz parte das primeiras palavras a serem repetidas pelas crianças, e acompanha cada judeu ao longo de sua jornada. É uma afirmação de fé e confiança em um Deus único e verdadeiro a quem se deve todas as bênçãos recebidas, desde o momento do despertar, até o deitar, bem como nos momentos finais de suas vidas.

NOSSO ENCONTRO
E assim pensando, usei essa passagem do "Shemá" para lembrar aos meus catequizandos do 3º ano, o quanto as tradições da nossa Igreja são ricas. O quanto devemos da nossa herança a um povo de crença um pouco diversa da nossa, mas, que é a raiz da nossa religião, pois Jesus era judeu. É um encontro para se falar de "profissão de fé" e também do respeito que devemos a todos as pessoas que, às vezes, não comungam da mesma Igreja que nós, mas, mesmo assim tem o mesmo Deus, Único e protetor. 
E além do trecho da Bíblia e toda história por trás dele, trouxe a eles um canto. E lá fomos nós aprender o ritmo e a letra em hebraico:

♫Shemá Yisrael Ado-nai Elohêinu Ado-nai Echad 

(Escuta ó Israel, o Senhor é nosso Deus, Um é o senhor)

Um pouco embaraçadas a princípio por não saber a pronúncia correta, eles acabaram por achar a tarefa interessante e, ao final do encontro, todos já tinham decorado a pequena estrofe. A ponto de, num encontro em casa de uma das famílias, nos apresentarmos cantando a toda á família.

Então... Shemá! Escuta e vai anunciar!

Ângela Rocha 
Catequista

ESCUTE EM:

video

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO