sexta-feira, 26 de maio de 2017

HOMILIA: A ASCENSÃO DO SENHOR

A Ascensão é a festa que marca uma nova forma do Senhor estar presente. Não somos adoradores de um defunto que ficou enterrado no passado, mas temos certeza de que Ele está aqui em nossa história. No Céu e ao mesmo tempo em nosso peregrinar.“Quando viram Jesus, prostraram-se diante dele. 

Ainda assim alguns duvidaram” (Mt 28,17). Incrível o que nos traz o Evangelho de Mateus. Embora estivessem vendo o Senhor, ainda vacilavam em sua fé, como é possível?! Realmente, é difícil crer. Também nós vacilamos na caminhada. O interessante é perceber que os discípulos, mesmo duvidando, se prostraram. Ou seja, havia uma intenção em crer, um desejo de ser incendiado pelo Senhor. Quando nos sentimos frios e duros para crer e seguir, quando não nos percebemos dignos, podemos também nos prostrar e esperar Nele, confiando em seu amor.

“Eis que eu estarei convosco todos os dias, até ao fim do mundo” (Mt 28,20). Jesus não prometeu que, depois de sua subida ao Céu, cessariam os problemas. Jesus não prometeu a cura de todas as doenças e o desaparecimento de todos os infortúnios. Não! O que Ele prometeu? Que sempre estará conosco, ao nosso lado, caminhando junto de nós, até o fim dos tempos.
Que ele abra o vosso coração à sua luz, para que saibais qual a esperança que o seu chamamento vos dá, qual a riqueza da glória que está na vossa herança com os santos (Ef 1,18). Olhar para o Céu, como fizeram os discípulos, não deve ser um gesto de imobilidade, mas de abertura para a esperança de um dia participarmos da vida plena que o Senhor prepara para cada um de nós. Esta é a razão de nossa esperança, recebida através de nossa vocação.
Pe. Roberto Nentwig

Arquidiocese de Curitiba - PR

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO