sexta-feira, 28 de março de 2014

AFETIVIDADE E SEXUALIDADE EXPRESSÕES DO SUBLIME AMOR DE DEUS.

O verdadeiro cristão não distingue vida carnal de vida espiritual, ao contrário, antes as conjuga, fazendo de sua vivência material a expressão de sua opção por Cristo Jesus. Assim, sua relação com o mundo exterior é reflexo de sua mais profunda espiritualidade. Tendo um só Espírito e um só pensamento nós, Autênticos Cristãos, guardamos em nossos corações as palavras de São Paulo: "Que Deus torne vocês perfeitos em todo bem. Assim, poderão cumprir a vontade Dele, realizando em vocês aquilo que agrada a Deus, por meio de Jesus Cristo." (Hb 13, 20).

É nessa unicidade que àqueles que amam a cristo, deixam transparecer em seus pensamentos, palavras e ações o Amor, princípio e fim em si mesmo, unificador da Misericórdia do Pai, da Fidelidade do Filho, e do Ardor do Espírito.

A Sexualidade é a essência de cada ser feito homem ou mulher, cada qual como Deus o criou. É a expressão para qual originariamente fomos feitos, uma forma peculiar de ser e estar no mundo. Ser homem ou ser mulher é assumir a natureza criada pelo Verbo. "Homem e mulher ele os criou, os abençoou e lhes deu o nome de "Homem" no mesmo dia em que foram criados." (Gn 5, 2)

A Afetividade é a ponte que nos liga ao outro, por onde podemos achegar àqueles que amamos. A nossa capacidade de criar vínculos e comungarmos o amor que existe em nós manifesta-se no carinho, no respeito, na vivência dos sentimentos com os outros, no toque, na generosidade da partilha. O afeto que damos ou recebemos é algo humanamente divino, pois, um gesto puramente humano é capaz de fazer-nos entender o que é verdadeiramente o amor, e viver na nossa materialidade o divino princípio do Amor. Viver com ternura nossa afetividade é demonstrar ao outro o Deus que habita em nós, é comungar com o próximo a essência de nossa existência.

Chamados a dar continuidade à Criação como parte do Plano Divino, mulheres e homens são convocados a viverem uma união que seja expressão do amor do próprio Deus. Uma união de acordo com a vontade do Pai é aquela em que o princípio gerador de todas as coisas, o Amor, seja fecundo, como fecundo é Deus, Senhor, que a tudo dá vida e santifica. "E Deus os abençoou e lhes disse: "Sejam fecundos, multipliquem-se, encham e submetam a terra...” (Gn 1,28).

Conjugar sexualidade e afetividade deve ser uma máxima da vida cristã, exercício e prática constantes. Viver relacionamentos em que participam o amor, o respeito, a fidelidade, as expressões de genuíno afeto, o exercício do perdão e da aceitação, é realizar a vontade de Jesus Cristo em nós. Assim, estaremos cumprindo com o mais sublime de seus mandamentos: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei” .

Amar incondicionalmente, gratuitamente é deixar refletir em si o próprio Deus Feito amor.

Leninha (Catequista)

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO