sábado, 1 de março de 2014

QUARESMA, UM CAMINHO DE FÉ


* D. orlando Brandes

Quaresma é um tempo especial porque nos coloca em contato com o centro, o coração, a essência da fé cristã. “Deus amou tanto o mundo a ponto de dar o seu Filho Unigênito” (Jo 3, 15). Na quaresma somos convidados a percorrer o caminho da paixão do Senhor e realizar uma romaria para dentro de nós mesmos. É uma via-sacra, uma procissão, uma peregrinação da fé e de conhecimento interno do amor de Deus. Trata-se de um retiro espiritual.

São muitas as maneiras de vivermos espiritualmente a quaresma. A primeira delas está em ter olhos fixos em Jesus, através dos santos evangelhos da paixão do Senhor. Eles mexem com o nosso pensar, sentir e agir. São uma catequese que nos faz perceber mais profundamente quem somos nós, quem é Deus, o que é o pecado e a liberdade, o que é fé e salvação. Tudo isso está consignado na confissão de fé do centurião romano: “Este homem era realmente o Filho de Deus.” (Mc 15,39).

Outra maneira de vivermos cristãmente a quaresma consiste na prática da oração, do jejum, da esmola, que nos levam a confessar e reparar nossos pecados e a amarmos Deus de todo coração e a nossos irmãos como Cristo nos amou. A quaresma nos atrai para o alto, para o bem, para a graça, para a mudança de vida, para uma  nova mentalidade e novo jeito de viver. Quaresma não significa tristeza, sisudez, culpa, mas, descoberta, encantamento e seguimento do caminho de Jesus. Acertar nossos passos com os seus passos, nossos pensamentos e sentimentos com os seu.

Este tempo quaresmal nos conceda a chance de entrarmos em contato mais consciente com a “paixão do mundo”, o sofrimento humano, diante do qual não podemos nos omitir e nem somente protestar. A paixão de Jesus continua na história da humanidade e isso suscita em nós sentimento de compaixão pelo mundo. Somos tocados, afetados e envolvidos pela dor humana. Tornamo-nos solidários dos irmãos e nos propomos a ser seus Cirineus, carregadores de seus fardos.

A espiritualidade quaresmal é um remédio que cura, uma luz que transforma, aquece e ilumina, uma fonte inesgotável e transbordante de misericórdia e esperança e esperança, um verdadeiro útero regenerador. Colacamo-nos frente a frente conosco mesmos, com os outros, com Deus. Quaresma é um caminho que leva a estes encontros. O coração transpassado do Senhor simboliza o oceano do amor de Deus, a fonte, o rio, a cascata que testemunham a ternura, o carinho, a bondade de Deus e sua compaixão. Nossos corações também se dilatam, nossos olhos se abrem, nossos braços se erguem tocados por tanto amor.

Como seria bom se a quaresma aumentasse em nós o amor do discípulo amado, as lágrimas de arrependimento de Pedro, a sensibilidade de Verônica, a conversão do centurião, a solidariedade das filhas de Jerusalém, o desejo do bom ladrão, a compaixão de Cirineu, a fé de Maria, a nobreza de José de Arimatéia. Todavia a maior graça da quaresma é a fascinação por Jesus Cristo.
Como não sentir arrebatamento diante de sua atitude filial na paixão, sua delicadeza com as pessoas, seu conselhos e palavras consoladoras, seu humanismo e seu jeito tão humano de expressar os sentimentos e emoções ao Pai e às pessoas.

Estamos no Ano da fé. Toda a vida de Jesus foi uma confissão de fé no amor do Pai, uma obediência filiar, um cumprimento das Escrituras, uma realização da vontade de Deus. Jesus é o caminho que encontramos através da porta da fé. Uma quaresma vivida na fé é um caminho que nos leva longe, muda rotas, abre horizontes, recria vidas.


Dom Orlando Brandes

Arcebispo de Londrina
Folha de Londrina, 1º de março de 2014.

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO