quinta-feira, 13 de abril de 2017

DE ONDE VEM ESTE TAL “OVO” DE CHOCOLATE?


E muito se fala sobre Coelho da páscoa, ovos de páscoa... Críticas daqui e dali, mas, o fato é que eles estão aí fazendo sucesso há séculos.

E vem aquela pergunta de sempre? De onde vem essa história? Os coelhos não põem ovos obviamente, mas, os dois estão ligados à tradição pascal.

E há uma verdadeira “salada” de explicações para esta tradição.

Dizem que o ovo é uma tradição antiga que surgiu antes de Cristo, com a festa do fim do inverno na Europa. Quando a Páscoa cristã começou a ser celebrada, os cristãos passaram a ver no ovo um símbolo da ressurreição de Cristo. Naquela época, as pessoas trocavam ovos de galinha decorados. A tradição dos ovos de chocolate começou na França e, a partir do século XIX, e os ovos doces tomaram conta da comemoração.



A tradição do coelho da Páscoa é mais recente, se comparada à do ovo. O costume surgiu no século XVI, na Alemanha. O animal foi associado à Páscoa porque se reproduz rapidamente e simboliza fertilidade e vida nova.

A celebração da morte e ressurreição de Cristo é um momento especial para que os cristãos reflitam sobre o significado da vida e do sacrifício daquele que fundou a nossa Igreja. Contudo, muitos não conseguem visualizar qual a relação existente entre essa celebração de caráter religioso com o hábito de se presentear as pessoas com ovos de chocolate.

Para responder a essa pergunta, precisamos voltar no tempo em que o próprio cristianismo estava longe de se tornar uma religião. Em várias antigas culturas espalhadas no Mediterrâneo, no Leste Europeu e no Oriente, observamos que o uso do ovo como presente era algo bastante comum. Em geral, esse tipo de manifestação acontecia quando os fenômenos naturais anunciavam a chegada da primavera, lembrando renascimento, vida, fertilidade.

https://t.dynad.net/pc/?dc=5550001577;ord=1492097849396A entrada destes símbolos para o conjunto de festividades cristãs aconteceu no Concilio de Niceia, com a preocupação da Igreja em ampliar o cristianismo por meio da adaptação de algumas antigas tradições e símbolos religiosos a eventos relacionados às ideias cristãs.

No auge do período medieval, nobres e reis de condição mais abastada costumavam comemorar a Páscoa presenteando os seus com o uso de ovos feitos de ouro e cravejados de pedras preciosas. Até que chegássemos ao famoso (e bem mais acessível!): Ovo de chocolate, foi necessário o desenvolvimento da culinária e, antes disso, a descoberta do continente americano (cacau).

Ao entrarem em contato com os maias e astecas, os espanhóis foram responsáveis pela divulgação desse alimento sagrado no Velho Mundo. Duzentos anos mais tarde, os franceses tiveram a ideia de fabricar os primeiros ovos de chocolate. Depois disso, a energia desse calórico extrato retirado da semente do cacau também reforçou o ideal de renovação sistematicamente difundido nessa época.

Agora, sobre o “acessível” ovo de chocolate, temos a dizer que ele quase se assemelha aos ovos de ouro do período medieval. Nesta páscoa de 2017, o quilo do Ovo da Kinder Ovo, custa em torno de R$ 400,00

Enfim, ultimamente tem-se feito uma “campanha” para que, religiosamente, se substitua o “coelhinho” de páscoa, pelo “cordeirinho”, que seria a representação de Cristo. No entanto, a campanha falha quando se trata de, na verdade, trocar somente a “embalagem” e ainda continuar presenteando as crianças com doces e chocolate. Nada de combater o consumismo e os excessos. Jejum é para a sexta-feira. No domingo, com coelhinho ou cordeirinho, ainda se consome muito chocolate, para a felicidade da indústria.

Ângela Rocha
Catequistas em formação

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO