quinta-feira, 13 de março de 2014

ROTEIRO DE ENCONTRO – TRANSFIGURAÇÃO DE JESUS


OBJETIVO: Refletir a mensagem da Transfiguração do Senhor, trazendo a Palavra ao encontro da vida com exemplos do dia a dia dos catequizandos.

MATERIAL:
- Texto do Pe. João Batista Libâneo - “Transfiguração: uma reserva de Luz para nós”.
- Buscar na internet algumas informações e imagens sobre energia solar e suas aplicações.

ACOLHIDA (ver):

Começar perguntando o que os catequizandos sabem sobre a energia solar? Com certeza vão aparecer alguns comentários. Da energia solar das calculadoras, das placas que ficam em cima das casas, que serve para aquecer a água, etc.
Depois desta conversa, usar algum texto com explicação científica sobre energia solar e ler para eles.
Perguntar se eles conseguem “visualizar” esta energia. Se dá para “enxergar" esta energia ou se só vemos os efeitos dela.

LEITURA BÍBLICA (julgar): Mateus 17, 1-9

Depois da leitura do Evangelho pedir a eles que façam uma “ligação” sobre o que foi conversando antes sobre a energia solar.

Fazer a leitura do texto do Pe. Libâneo, refletindo sobre como Jesus buscou a energia de Deus para passar por tudo que vinha pela frente. Assim como as placas que acumulam energia para serem usada posteriormente, nós também precisamos buscar essa energia que vem de Deus diariamente, pois não sabemos quando vamos precisar destas reservas. Incentivar a partilha sobre o que mais chamou a atenção na reflexão do texto.

ORAÇÃO (celebrar):

Distribuir um cartão com o desenho de um sol, representando a luz que vem do Senhor. Fazer uma oração pessoal, pedindo que o Senhor os conduza a buscar cada vez mais reserva de Luz: na missa, na oração, no santíssimo, etc.

DEPOIS DO ENCONTRO (Agir):

Cada um deve escolher uma pessoa que faça parte de suas relações, que acha que está precisando de luz, e presentear com o cartão e a seguinte frase:

“Que Jesus seja a luz da sua vida!”.


Sugestão de Roteiro: Nilva Mazzer - Maringá PR. 

 ANEXO

Transfiguração: uma reserva de Luz para nós

Comentário do Evangelho:  Mt 17, 1-9    
   
O evangelho não trata de nenhuma visão fantasmagórica, de nenhum truque global. O que Jesus quis mostrar para os discípulos e para todos nós é que havia ali uma luz de vida que ultrapassava toda e qualquer escuridão e que poderá nos sustentar diante de qualquer tempestade.

Jesus sabia que nós, seus discípulos, iríamos caminhar com Ele ao longo da vida e que, muitas vezes, os nossos caminhos seriam bastante escuros e espinhosos. Nenhum de nós escapa dessa condição. A vida humana é feita de alegria e tristeza, de dor e de prazer. Não acreditem na falsidade das propagandas! Se não sofrêssemos, não seríamos humanos.

Façamos uma comparação para atingir o âmago deste acontecimento na vida de Jesus. A tecnologia já criou uma realidade muito simples: as pilhas solares. Um relógio com pilha solar se alimenta com a luz do sol e funciona também à noite. Temos também a maneira de captar a luz solar e transformá-la em energia para aquecer a água que temos em nossa casa. Imaginemos que também nós pudéssemos fazer essa experiência na nossa vida. Vamos atravessar uma noite muito escura. Estamos num descampado e não há luz nenhuma, a escuridão mais densa. Imaginemos que mergulhávamos o nosso corpo na luz, e de repente nos transformávamos num “pirilampo” resplandecente, aí poderíamos atravessar a noite mais escura com tranquilidade. Essa era a experiência de Jesus.

“Jesus iria atravessar uma semana muito escura – a semana da paixão. Iria atravessar um dia muito escuro – sexta-feira santa. Iria atravessar três horas de tremenda escuridão – a agonia na cruz. Iria atravessar um instante terrivelmente escuro – o abandono do Pai. Foi a noite mais escura da história da humanidade, porque o Filho sentiu-se abandonado por seu Pai – Deus. O que fez Jesus? Antes de entrar numa noite escura, Deus Pai o coloca numa noite bonita, ou melhor, num dia fulgurante – a transfiguração. Ele se carrega da luz da ressurreição, que é a fé, a esperança, a perspectiva mais reluzente. Ele se ilumina da ressurreição para atravessar obscuramente toda a sua vida. Naquele momento mais escuro de sua vida, quando atravessaria a noite mais noite, Ele sabia que carregava a luz da ressurreição. Por isso, Ele termina a vida dizendo: “Pai, em tuas mãos entrego o meu Espírito”!”.

Assim é a nossa vida hoje. Nós temos noites escuras. Noites de mortes rápidas e lutos longos, de sofrimentos intermináveis. Como podemos atravessar essas noites? Façamos a experiência profunda de Deus, “mergulhar na luz”, Jesus e os apóstolos fizeram essa experiência. A nossa atitude é de descoberta. Descobre a luz que há em ti! Tomemos a consciência desses momentos, em que o Senhor nos diz que Ele é a certeza da luz. Não precisamos entender tudo, mas crer num fio de Luz. Ninguém sabe o que a vida nos trará, por isso precisamos ter nossas reservas de luz. É importante que vivamos experiências luminosas, não para agora, mas para amanhã. Quem um dia experimentou Deus, nunca mais esquecerá.


FONTE:
J.B. Libânio.  Um Outro Olhar.  Volume III, 2006, pp. 41-42.


SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO