quinta-feira, 5 de maio de 2016

FALANDO DE "ESPIRITUALIDADE"...

ESPIRITUALIDADE

Afinal de contas, o que é essa tal ESPIRITUALIDADE, de que tanto se fala? Muitas vezes ouvimos esta palavra para descrever momentos de oração antes ou durante um encontro, não é mesmo? Seja ele de catequese ou mesmo de formação. Mas, onde nosso “espírito” realmente se envolve nisso tudo?

Para sabermos isso do espírito “se envolver”, precisamos entender alguns conceitos.

Espiritualidade envolve fé. E o que é Fé? É uma forma de viver todas as coisas à luz de Deus. A fé vem como resposta à experiência de Deus, feita pessoal e comunitariamente.

O que é Espírito?  Podemos dizer que é a Força mística que nos faz buscar “algo mais”, viver a vida de forma transcendente, viver com Fé.

Mística? Isso lembra mistério: aquilo que não cansamos de desejar e saborear. É a seiva, é o princípio da vida, da fé feita experiência. A mística nos provoca a fazer uma crítica: social, política, econômica, ideológica e antropológica. Mística é o motor que nos impulsiona até Deus. Os motores não são iguais. Para o Catequista, há muitos “motores” que podem ajudá-lo. Essa força, esse motor vem do Espírito de Deus. Vivemos à Mística:

© Quando percebemos o outro lado das coisas, dos acontecimentos e não paramos nas aparências;
© Quando vivemos profundamente a nossa existência.

A mística envolve compromisso e contemplação.

 

Contemplar é um modo de olhar para o que não se vê. Ver o invisível é a experiência que fazem todos aqueles que amam verdadeiramente a Deus. Contemplação é a atitude de quem está vivendo com intensidade a cada momento, na escuta da Palavra de Deus.
A atitude de escuta supõe um silêncio interior, que não se confunde com passividade ou vazio de pensamento, mas em uma presença atenta, disponível aos irmãos e a Deus. É uma atitude dinâmica, de concentração e de prontidão.

Para escutar a voz interior é preciso:


Silenciar, recordar, rememorar com o coração, assim como Maria: 


Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra.
(Lc 1,38).

 Como vemos a Espiritualidade de Jesus?


Jesus em muitas horas do dia, principalmente pela noite e madrugada, conversava com o Pai sobre a sua missão. Vemos muito isso no Evangelho de Marcos 1,35; 6,46; 14,32-42.

ü  Jesus conseguiu conviver com os conflitos por causa da sua intimidade como Pai. Deus é, em Jesus, uma experiência afetiva.
ü  Para Jesus, a ação não era oração.
ü  Jesus, parava as suas atividades apostólicas para rezar.
ü  É necessário, em nossa vida, termos momentos fortes de oração, de intimidade com Deus.
ü  O caráter cristológico é vida em comunhão com Jesus. Reconhecendo-o nos acontecimentos, no Plano de Deus e no rosto de nossos irmãos sofridos.
ü  Por isso, podemos dizer que o resumo da espiritualidade de Jesus foi a sua opção pelos pobres, pelos marginalizados e pelos abandonados da sociedade.
  

JESUS EM ORAÇÃO:

No deserto
 (Mt 4,1-11)
Na Sinagoga, com o povo
 (Lc 4,14-21)
Entre os pobres
 (Mt 11,25-27)
Aos amigos
 (Lc 22,31-32)
Pelos discípulos e por você
 (Jo 17,20-26)
No sofrimento
 (Lc 22,39-46)
Antes de dar a vida a Lázaro
 (Jo 11,38-44)
Fala da oração, ensina o Pai-Nosso
 (Mt 6,5-15)
Pede oração pelos evangelizadores
 (Mt 9,37)
Reza no Tabor e convida à oração
 (Lc 9,28-35)

PARA APROFUNDARMOS NOSSA ESPIRITUALIDADE:


Jo 4, 1-42
Jesus na Samaria – A samaritana
Lc 1, 46-55
O Magnificat de Maria
Lc 10, 21-24
Louvor pelos discípulos
Lc 18, 10-14
O fariseu e o publicano no Templo
Lc 24, 13-35
Os discípulos de Emaús
1Cor 9, 15-18
Ai de mim se não evangelizar
1Jo 1, 1-4
O que vimos e ouvimos, nós o anunciamos
Tg 1, 19-27
Escutar, falar e fazer
At 2, 42-47
As primeiras comunidades
At 4, 32-37
A comunhão dos bens: Um só coração e uma só alma
At 6, 1-7
A escolha dos sete
At 13,1-3
Primeira viagem missionária de Paulo


*Parte da Apostila: Formação Básica para Catequistas – Módulo II.
Ângela Rocha

Catequistas em Formação

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO