domingo, 10 de agosto de 2014

Creio em Deus Pai

Eu Creio
- Quando você se põe a construir uma casa, o que coloca primeiro?
- O alicerce, é claro, o fundamento. A base que sustentará as paredes e o telhado.
- Assim também na construção da nossa fé. Sem o conhecimento doutrinal das bases da nossa fé, a casa não se sustenta.
- E que bases são essas?
- O conhecimento dos mistérios acontecidos na vida de Jesus contidos na oração do Creio. 

Já reparou que a oração do Creio em Deus Pai enumera um por um esses mistérios?


Creio em Deus Pai todo-poderoso, criador do céu e da terra.
Deus criou tudo com um ato livre de sua vontade, inclusive o homem à sua imagem e semelhança. No homem, fez surgir a inteligência para descobrir por si mesmo essas leis da natureza. E a vontade para praticar o amor e a solidariedade para com todos os seres e assim participar da sua felicidade.
No pecado de Adão e Eva está representado o nosso orgulho, rebeldia, egoísmo e a falta de amor. Nenhum de nós está sem pecado.


Creio em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor,
Jesus recebeu corpo e alma humanos, trabalhou com mãos humanas, amou-nos com coração humano. Experimentou a alegria ao abraçar as crianças e a tristeza ao chorar pela morte de Lázaro. Sentiu fome, sede, frio e cansaço. E até medo diante da morte. Mas superou esse medo ao aceitar a vontade do Pai e, ao mesmo tempo, mostrou que é um só Deus, como e com o Pai.


Foi concebido pelo poder do Espírito Santo; nasceu da Virgem Maria, 
(“Eis aqui a serva do Senhor! Faça-se em mim segundo a tua palavra”) (Lc 1,38).
Quando a Virgem Maria respondeu ao anjo Gabriel: “Sim, eu quero o que Deus quer. Faça-se em mim a sua vontade” (cf. Lucas 1,38), aconteceu o estupendo mistério da Encarnação: o Filho se fez homem no seio de Maria Santíssima. Desde o início, os cristãos reconheceram a maternidade divina de Maria, mais tarde definida solenemente no Concílio de Éfeso, no ano 431. A mãe de Jesus é a mãe de Deus, porque Jesus é o filho de Deus.


Padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado,
Os inimigos procuravam matar Jesus, porque Jesus ensinava o contrário do que eles praticavam. Também o odiavam por inveja. Sua bondade e seus ensinamentos atraíam as multidões. Cheios de medo de perder o prestígio religioso e político resolveram matá-lo. Os personagens históricos que aparecem na narração de sua paixão, Anás e Caifás, Pilatos e Herodes, atestam a veracidade de sua morte.


Ressuscitou ao terceiro dia,
Jesus está vivo, ressuscitou e apareceu várias vezes aos discípulos. “Essa é a garantia da nossa fé” (cf. 1Coríntios 15,17-20). Graças à ressurreição de Jesus, nossa vida não é um beco sem saída, a morte não é o fim de tudo, pois, se lhe formos fiéis, a ressurreição de Cristo garante a nossa futura ressurreição.


Subiu aos céus, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso, donde há de vir julgar os vivos e os mortos,
Desde que Jesus subiu ao céu, na pessoa dele, nossa humanidade, libertada do pecado, participa da família de Deus, a Santíssima Trindade. “Estar junto ao Pai” não significa ocupar um lugar, mas assumir a condição de Mediador entre nós e o Pai, fala e intercede em nome de todos nós. Ele julgará também o que fizemos de bom e de mal para os outros: “tudo o que fizerdes a um desses meus irmãos mais pequeninos, é a mim o que o fareis” (cf. Mateus 25,31-46).


Creio no Espírito Santo,
Igual ao Pai e ao Filho, o Espírito Santo pertence à mesma natureza do único Deus. Os principais mistérios da vida de Jesus se realizaram pela intervenção do Espírito Santo. Toda a liturgia da Igreja é celebrada na força do Espírito Santo. Hoje o Espírito Santo vivifica, une e rejuvenesce a Igreja, suscitando nela as vocações e ministérios. Por isso, é chamado “alma da Igreja”. Por ele, a Igreja se manifesta ao mundo. Ele robustece cada um de nós, ajudando-nos a viver responsáveis e adultos na fé.


na Santa Igreja Católica,
A Igreja é um mistério? Sim, porque resultou do plano de Deus de nos fazer seus filhos, membros do povo de Deus. Para que assim o humano pudesse participar do divino, o visível do invisível, o que é terreno do que é sobrenatural. A Igreja, povo de Deus, é um organismo: nela existe uma vida que, partindo de Deus, percorre os membros que a compõem. Nossa união com Cristo é como da cabeça com o corpo. Não seremos Igreja nem alcançaremos a salvação, separados de Cristo e de quem o representa.


na comunhão dos santos,
Comunhão é comum união, união de todos. Santos é a palavra usada por São Paulo para indicar os cristãos: chamados santos, porque consagrados a Deus. A Igreja é uma grande família. Seus membros estão em três situações: os que estamos em peregrinação sobre a terra; os que estão em purificação; e os que já alcançaram a glória no céu, a Igreja gloriosa.


na remissão dos pecados,
É o perdão dos pecados. Depois de sua ressurreição, aparecendo aos apóstolos reunidos, Jesus disse: “Os pecados daqueles que vocês perdoarem , serão por mim perdoados” (cf. João 20,23). Os apóstolos, os Bispos e os Padres receberam a missão de perdoar quem arrependesse de seus pecados. Hoje, a Igreja cumpre esta ordem por meio do sacramento da Penitência.


na ressurreição da carne e na vida eterna.
Jesus disse, falando da Eucaristia: “Quem come minha carne e bebe meu sangue tem a vida eterna e eu o ressuscitarei no último dia” (João 6,54). O céu é um “viver em Deus”, em comunhão completa com ele. A felicidade eterna é a realização completa de nós mesmos, na posse do Bem supremo. A felicidade futura se constrói agora. Tudo o que fazemos de bom para os outros é semente de ressurreição.


O Cristão é um ser de esperança. Caminha neste mundo com segurança, porque se baseia na palavra de Cristo, que não volta atrás. A falta de um sentido, de um ideal para esta vida é que causa o desânimo dos indiferentes e dos que não crêem em Deus.


Texto de D.Walter Ivan de Azevedo

*Nilva Mazzer

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO