domingo, 23 de agosto de 2015

HOMILIA DO DOMINGO - GOTAS DE PAZ - 23/08/2015


"As palavras que eu vos disse são espírito e vida." Jo 6, 63

A conclusão do capítulo 6 de São João, que nos falou sobre a eucaristia e que meditamos nos domingos anteriores, nos apresenta um momento muito particular vivido pelos discípulos de Jesus. Diante das novidades que Jesus lhes ensinava e também as exigências para segui-lo muitos desses discípulos entraram em crise e começaram a abandoná-lo . ( “Desde então muitos dos seus discípulos tornaram para trás, e já não andavam com ele.”) Jo 6, 66.

Jesus se deu conta do que estava acontecendo, de suas dúvidas e de suas murmurações e buscou fazer-lhes entender que suas palavras, seus ensinamentos, suas propostas não eram para iludir a ninguém, nem tampouco para fazer sofrer à pessoas, ao contrário, o que Ele queria era dar a vida verdadeira a esta gente, era fazer-lhes compreender a realidade do ser humano e a importância de sua relação com Deus. Os valores evangélicos, como o amor mútuo, o perdão, a fidelidade, a obediência, a caridade, a renúncia não queriam ser um peso para as pessoas, mas ao contrário, uma autentica libertação do egoísmo, do ódio, da desconfiança, do orgulho, e da inveja...

Desde que o homem foi ferido pelo pecado original, alguma coisa se descompôs em nosso interior. A maldade ou o pecado nos parecem atraentes. No primeiro momento nos dá muita satisfação, porém depois nos deixa um sabor amargo na vida e pouco a pouco nos destrói. Já, as coisas boas, muitas vezes nos parecem a primeira vista muito difíceis e exigentes. Por exemplo: quando alguém por algum motivo nos fere. Imediatamente a alternativa que nos vem de forma natural é vingar-nos. A vingança parece que nos da um prazer imediato muito grande. O perdão, ao contrário, nos parece uma coisa mais difícil. Nos custa muito mais, significa renunciar ao “direito” de vingança. Porém se conseguirmos olhar mas além do imediato, descobrimos que a vingança nos rouba algo da vida, nos corrói por dentro, nos faz menos homens, ao passo que o perdão nos humaniza, nos pacifica, nos harmoniza. É por isso que Jesus insiste: " As palavras que eu vos disse são espírito e vida." Mesmo que pareça um pouco difícil ao principio, é somente quando assumimos suas palavras como um programa para nossas vidas que descobrimos o que realmente significa viver, ser livres e amar imensamente.

É verdade que sua mensagem é exigente e nos desafia cada dia apresentado-nos situações sempre mais fortes. De fato, assumir o evangelho é entrar num profundo processo de humanização, onde podemos construir-nos pouco a pouco, vencendo as inclinações naturais com as sugestões do Espírito. Não posso deixar de recordar alguns lindos exemplos de pessoas que assumiram esse processo como: Francisco e Clara de Assis, João da Cruz e Teresa D'Ávila, Charles de Foucault e Madre Teresa de Calcutá. Eles foram pessoas que souberam pautar a vida com a força do espírito como nos apresentam as palavras de Cristo.

Jesus nos deixa livres para fazer nossa opção pessoal. De fato até mesmo aos seus discípulos lhes perguntou: "Vocês também querem me deixar?" Naquele momento então, Simão Pedro lhe deu uma resposta muito linda que talvez possa nos ajudar ainda hoje: “Senhor, a quem iremos? Só tu tens palavras de vida eterna."

O Senhor te abençoe e te guarde,
O Senhor faça brilhar sobre ti o seu rosto e tenha misericórdia de ti.
O Senhor mostre o seu olhar carinhoso e te dê a PAZ.


Frei Mariosvaldo Florentino, capuchinho.

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO