quarta-feira, 15 de março de 2017

MENSAGEM DO PAPA

CONVERSÃO É APRENDER A FAZER O BEM  COM COISAS CONCRETAS
Papa Francisco terminou no passado fim de semana o retiro quaresmal que teve na localidade de Ariccia, 30 Km a Sudeste de Roma,  juntamente com a Cúria Romana.

Na última terça-feira 14 de março o Papa retomou as celebrações eucarísticas matutinas na Capela da Casa Santa Marta. Na homilia da Missa desta terça, e partindo da 1ª leitura, Francisco indicou o caminho da conversão que inclui, disse, fazer o bem com ações concretas, não com palavras.

Na primeira leitura o Profeta Isaías exorta a afastar-se do mal e a aprender a fazer o bem, um binómio inseparável neste percurso. “Cada um de nós, todos os dias, faz algo de mau”, disse o Papa. De fato, Continua Francisco, a Bíblia diz que “o mais santo peca sete vezes ao dia”. O problema, porém, está em “não se acostumar em viver nas coisas feias” e afastar-se daquilo que “envenena a alma”, a torna pequena. E, portanto, devemos aprender a fazer o bem:

“Não é fácil fazer o bem: devemos aprendê-lo, sempre. E Ele nos ensine. Mas: aprendam. Como as crianças. No caminho da vida, da vida cristã se aprende todos os dias. Deve-se aprender todos os dias a fazer algo, a ser melhores do que o dia anterior. Aprender. Afastar-se do mal e aprender a fazer o bem: esta é a regra da conversão. Porque converter-se não é consultar uma fada que com a varinha de condão nos converte: não! É um caminho. É um caminho de afastar-se e de aprender”.

E aqui Francisco recordou que para isso se torna necessário ter coragem para afastar-se e humildade para aprender a fazer o bem que se deve exprimir com fatos concretos:
“Ele, o Senhor, aqui fala em três ações concretas, mas existem muitas outras: buscai a justiça, socorrei o oprimido, fazei justiça ao órfão, defendei a causa da viúva... mas…, ações concretas. Aprende-se a fazer o bem com ações concretas, não com palavras mas com fatos… Por isso, Jesus, no Evangelho que ouvimos,  repreende a classe dirigente do povo de Israel, porque ‘diz e não faz’, não sabem concretizar. E se não sabem concretizar, não podem chegar à conversão”.

Em seguida Francisco evocou a importância do fato de a primeira leitura prosseguir com o convite do Senhor: “Vinde, debatamos”. “Vinde”: uma bela palavra, diz Francisco, uma palavra que Jesus dirigiu aos paralíticos, à filha de Jairo, assim como ao filho da viúva de Naim. E Deus nos dá uma mão para “ir”. E é humilde, se abaixa muito para dizer: “Vinde, debatamos”. Aqui o ressaltou o modo como Deus nos ajuda: “caminhando juntos para ajudar-nos, para nos
explicar as coisas, para nos tomar pela mão”.

O Senhor é capaz de “fazer este milagre”, isto é de “nos transformar”, não de um dia para outro, mas no caminho:
O convite à conversão, é: afastem-se do mal, aprendam a fazer o bem … ‘Vinde, debatamos, vinde a mim, debatamos e prossigamos’. ‘Mas…, tenho muitos pecados …’ – ‘Não se preocupe: se os seus pecados são como escarlate, se tornarão brancos como a neve’. E este é o caminho da conversão quaresmal. Simples. É um Pai que fala, é um Pai que nos quer bem, nos quer bem, bem. E nos acompanha neste caminho de conversão. Ele nos pede somente que sejamos humildes. Jesus diz aos dirigentes: ‘Quem se exaltar, será humilhado e quem se humilha será exaltado’”.

O caminho da conversão é “afastar-se do mal, aprender a fazer o bem”, levantar-se e ir com Ele. Então, “os nossos pecados serão todos perdoados” concluiu o Papa.


RADIOVATICANA.VA

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO