terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

ROTEIRO DE ENCONTRO - SIMBOLOS E GESTOS DA CRISMA


OBJETIVO: Que os catequizandos aprofundem o conhecimento do sacramento da Crisma, descobrindo o significado de seus gestos.
- Iniciar o encontro com um momento de oração.
- Começar falando do Paráclito e depois explicar os símbolos e sinais.

 CURIOSIDADE: Espírito Santo Paráclito

 Jesus, nas suas pregações, sempre usava palavras e imagens comuns ao povo para que eles conseguissem entendê-lo. Quando ele falou do Espírito Santo, ele o chamou de Paráclito. Essa palavra tem origem grega e significa mais ou menos “aquele que fica ao lado”, ou que fica do seu lado numa contenda.
Este termo, Paráclito, é muito antigo e era uma palavra usada nos tribunais durante os julgamentos. Naquele tempo não havia advogado de defesa e pessoa acusada de algo tinha que se defender sozinha ou arrumar testemunhas que o ajudassem. Acontece que muitas dessas pessoas não conseguiam provar sua inocência ou as testemunhas eram muito fracas ou não tinham argumento. Muitas pessoas acabavam condenadas sem dever realmente. Mas a situação podia ser mudada pelo “Paráclito”. Essa pessoa, que deveria ser irrepreensível e admirada na comunidade, muito honesta e correta, se estivesse na assembléia, poderia interceder pelo acusado. Bastaria que se levantasse e fosse de encontro ao réu, colocando-se ao seu lado, sem dizer uma palavra sequer. Essa pessoa ficava em absoluto silêncio, mas sua presença garantia a inocência do acusado. Essa pessoa, chamada de Paráclito, sem dizer nada, intercedia e ficava ao lado, como o Espírito Santo de Deus. Assim Jesus prometeu:

“E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Paráclito, para que fique eternamente convosco. É o Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece, mas vós o conhecereis, porque permanecerá convosco e estará em vós.” (João, 14, 16-17).

 A palavra “Cristo” significa “ungido” que quer dizer enviado, pois Cristo é o enviado do Pai para a nossa salvação. Nós somos chamados de cristãos porque somos seguidores do Cristo e enviados como Ele. A mesma origem tem a palavra “Crisma”. Crismar é o ato de ungir com óleo sagrado a fronte do crismando, que se torna também ungido, ou seja, enviado (CIC 1289). O sacramento da Confirmação é administrado logo após a profissão de fé dentro da Celebração Eucarística:

 a) Primeiramente o bispo impõe as mãos sobre os crismandos e faz a invocação do Espírito Santo.
·      Imposição das mãos. É um gesto de autoridade na qual se transmite um a responsabilidade dentro da Igreja. É o gesto bíblico pelo qual o dom do Espírito Santo é comunicado (cf. At 6,6-7; 8,14-17; 19,1-6).

 b) O segundo gesto sacramental é a unção com o óleo do Crisma. Cada crismando se aproxima e o bispo faz o sinal da cruz, na sua fronte, dizendo: “(NOME) recebe, por este sinal, o Espírito Santo, o dom de Deus!” O crismando responde: “Amém!” O bispo ainda diz: “A paz esteja contigo!” o crismando responde: “E contigo também!”
Os gestos e sinais sacramentais da Crisma são ricos de significados, presentes desde o Antigo Testamento, nos evangelhos e deSde a Igreja Primitiva até os nossos dias.
·         Unção com óleo. O óleo usado pelo bispo é chamado “o crisma”*. É preparado com óleo de oliveira e bálsamo (que é perfumado) na Missa dos santos óleos, na Quinta-Feira Santa. Já no Evangelho notamos o gesto da unção (cf. Jo 12,3-7). A unção com óleo possui vários significados:
·         o óleo, impregnando a fronte do crismando, significa que ele é impregnado pela força do Espírito Santo – somos “templos do Espírito Santo” (1Cor 3,16);
·         o perfume do óleo usado na Crisma significa que o cristão deve “exalar o bom odor de Cristo”, ou seja, deve testemunhar Jesus Cristo, sem ser alguém malcheiroso no viver (cf. 2Cor 2,1416);
·         ser ungido é ser marcado com o selo, com o sinal da cruz, significando que o cristão pertence a Cristo (cf. Ef 1,13; 4,30);
·         a unção é também sinal de consagração, pois o ungido é o enviado que deve realizar a missão de Cristo;
·         como os atletas e lutadores eram ungidos com óleo, o crismado deve ser atleta e soldado de Cristo;
·         o óleo é ainda sinal de abundância, de alegria, de purificação, de cura, de fortalecimento e de reconforto (cf. Sl 133 ‘132’).
Para aprofundar, confira: CIC 1288-1289; 1293-1301.
* É correto dizer “a Crisma”, referindo-se à unção, como também é correto falar “o Crisma”, referindo-se ao óleo santo.

O QUE VAI ACONTECER NO DIA DA CRISMA?

- Explicar como é constituído o Ritual da Crisma, ressaltando os dois gestos: a imposição das mãos e a unção com óleo.
- Se for possível, assistir com os catequizandos um vídeo que mostre o momento em que acontece o Rito da Crisma (Pode ser a gravação de uma das crismas da comunidade. Há um CD que fala sobre a Crisma no livro da NUCAP das Paulinas- Testemunhas do reino).

DINAMIZANDO O ENCONTRO

Ler o texto de 2Cor 2,14-16.
- Explicar brevemente um dos significados do óleo: exalar o perfume de Cristo.
- Resgatar a missão que os crismandos receberão no dia da Crisma, relacionando com o significado do perfume do óleo.
- Utilizar um pouco de óleo perfumado em um recipiente (pode ser usado óleo hidratante) e reunir os catequizandos em círculo: colocar uma música instrumental e pedir que, em silêncio, cada catequizando esfregue um pouco de óleo em suas mãos e sinta o seu perfume. Enquanto o recipiente com óleo passa e os catequizandos ungem suas mãos, pedir que meditem (em silêncio) e peçam a graça de serem testemunhas de Cristo.
- Cantar o Salmo 133 ou outro conhecido.
Como é bom, como é bom irmãos viverem unidos como irmãos
 É como o óleo perfumado sobre a fronte, e pelos ombros a escorrer.
É como o orvalho sobre a relva e sobre os montes, que renovam inteiro o nosso ser.

EXALAR O PERFUME, SER UNGIDO!

- Motivar os catequizandos para que descubram a melhor maneira de exalarem o perfume de Cristo, vivendo como ungidos – enviados do Senhor.


Angela Rocha

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO