terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

ROTEIRO DE ENCONTRO - AÇÃO DE GRAÇAS

Para adultos (já batizados) ou Crismandos, na iniciação cristã à eucaristia, tendo como tema (ponto central) a AÇÃO DE GRAÇAS.

*Pode também ser usado num encontro/retiro para pais de catequizandos ou catequistas.

A ORAÇÃO EUCARÍSTICA (AÇÃO DE GRAÇAS, BENÇÃO DA MESA) SOBRE O PÃO E O VINHO

Objetivo: aprofundar o sentido da missa enquanto ação de graças; conhecer a Oração eucarística, “benção da mesa”, para dela poder participar de maneira ativa, interior, consciente, plena, frutuosa.

Observação: Não se trata de uma aula; não basta transmitir um conhecimento racional. Importa suscitar uma adesão íntima à pessoa e ao caminho de Jesus Cristo e o gosto pela participação na oração eucarística. Este encontro supõe outros encontros com temas complementares sobre a eucaristia, como por exemplo: memorial, banquete, oferta/oblação/sacrifício, partilha/solidariedade, comunhão.

Material necessário: Pelo menos 01 Bíblia, texto da oração Eucarística V para todos; mesa (baixa, se possível ou pano no chão), toalha, pratos com pão (sírio ou ázimo), bandeja com copos e jarro com suco de uva ou água, cruz, velas, fósforo, folha de canto.

Esquema do encontro:
1. Preparação do ambiente, acolhida, apresentações, momento de meditação individual em silêncio.
2. Partindo da vida – lembrança de experiência de gratidão.
3. Leitura orante com texto bíblico que narra a última ceia
4. Leitura orante com o texto da Oração Eucarística V.
5. Viver o que aprendemos – O que levo deste encontro para minha vida?
6. Momento litúrgico: uma partilha de alimentos em ação de graças.

1. Mesa no centro ou pano no chão, Bíblia, cruz, velas (apagadas):

- Acolhida/apresentação: prestando atenção a cada pessoa presente, olhar-nos com ternura, conhecer-nos melhor, formar uma pequena comunidade ainda que seja somente para este encontro; apresentação da proposta do encontro.
- propor alguns minutos de meditação em silêncio (oração de Jesus; oração do coração), aliando coma respiração. Inspirar e expirar (descarregar as tensões) várias vezes com os olhos fechados e com o corpo relaxado. Entre os intervalos da inspiração e expiração abrir os olhos e focalizá-los em uma pessoa diferente a cada vez. Combinar um sinal para o término da meditação (toque de um sino p.ex.). É interessante que quem estiver conduzindo o encontro dirija as pausas e os momentos de respiração. No início, acender a vela e invocar o Espírito Santo: cantando A nós descei Divina Luz.


2. Partindo da vida – lembrança de uma experiência de gratidão:

- Momento individual (de olhos fechados): Em algum momento de minha vida, vivi uma profunda gratidão? Recorde este momento e tente reviver interiormente: o lugar, o momento do dia, as circunstâncias, as pessoas presentes, o motivo, o sentimento, as palavras que você disse, a expressão do seu rosto, os gestos. Banhe-se nesta atitude de gratidão. Sinta a gratidão tomar conta do seu corpo, sua alma, seu espírito. Transforme este momento numa oração silenciosa.
- Partilha da experiência de dois a dois: conte ao outro como foi essa experiência, escute a experiência do outro sem interferir, só ouça. Partilhe a gratidão.(15 minutos onde cada um procure outro espaço para conversar).
- No grupo grande: ouvir algumas das experiências pessoais. Perguntar: Alguém de vocês se reuniu depois para festejar com a família ou com um grupo de amigos/amigas? Por quê? Como foi? O que fizeram? Como se sentiram?

3. Jesus deu graças: Leitura orante com um dos textos bíblicos que narram a última ceia. (pode ser Lc 22, 1-39).

- Motivação: ligando com o momento anterior – Jesus também viveu um momento forte de profunda gratidão. Na última ceia ele reuniu os amigos para uma refeição festiva (colocar os pratos com o pão, a bandeja com os copos e o jarro com suco ou água sobre a mesa) e deu graças.

- Ler o texto bíblico: cuidadosamente, destrinchá-lo, analisar principalmente os versículos 14-20 sobre os gestos e palavras de Jesus na última ceia, detendo-se em cada termo importante, perceber o lugar do texto no conjunto do evangelho e principalmente no contexto da paixão-morte-ressurreição. Perguntas que podem ajudar: Por que Jesus de reuniu com os discípulos? O que ele fez? Por quê? Qual a explicação que ele deu? O que queria dizer com isso? Jesus tem motivo para dar graças a Deus neste momento?
(Se for possível pode-se olhar os outros textos que relatam a última ceia, observando semelhanças e diferenças: Mt 26,14-30, Mc 14, 10-26; 1Cor 11, 23-26. Outra possibilidade: ver o Sl 116, um dos salmos do hallel que Jesus cantou ao sair do cenáculo e dirigir-se para o Horto das Oliveiras; frisar o verso que diz: “erguei o cálice da salvação, invocarei o nome santo do Senhor...”, relacionar com a ação de graças de Jesus sobre o “cálice de bênção”. Compare; “erguer o cálice” com “fazer o brinde”.

- Completar com as devidas informações:

- Ceia pascal dos judeus como memorial da libertação da escravidão no Egito, com ervas amargas, um carneio, pães ázimos, ‘beraká’ (bendição) sobre o pão e o vinho, canto dos salmos do hallel (Sl 113-118).

- O termo central que queremos focalizar na narrativa é: Jesus pronunciou a bênção sobre o pão e o vinho (tradução do verbo grego elogein, bendizer, louvar) ou Jesus deu graças (tradução do verbo grego eucharistein, dar graças) [1]. Refere-se ao rito judaico na ceia pascal: o pai de família, iniciando a refeição, bendiz a deus pelo pão, fruto da terra e do trabalho do ser humano, parte o pão e dá um pedaço a cada participante. Em outro momento da ceia, o pai de família, levantando o copo de vinho, bendiz a deus pela libertação da escravidão do Egito e passa o vinho para todos beberem. Para compreendermos em profundidade o sentido bíblico desta ação de graças é bom lembrar o termo hebraico Jadah que é de certa forma a matriz dos dois termos gregos e que tem um duplo significado: confessar a “fidelidade do Deus da Aliança” e confessar “nossa infidelidade”.

- é muito importante entender o sentido dado por Jesus a este momento no testemunho deixado pelos discípulos. Jesus prenuncia sua morte e faz dela, conscientemente, uma entrega a Deus, a favor do povo, para o bem do povo. Vai morrer como viveu: procurando ser fiel a Deus, mando a deus e a todas as pessoas (até mesmo os inimigos), tentando abrir os olhos de seu povo e levá-los de volta a uma vida de fidelidade ao deus da Aliança e a seu projeto. Apoiando0se na tradição bíblica do Servo Sofredor (Is. 52-53), Jesus enfrenta a morte, confiando em Deus, acreditando na proximidade da chegada do Reino de Deus. Por isso, se alegra (Lc 22, 15-16) Desejei ardentemente celebrar esta páscoa com você... Sua morte foi entendida pelos discípulos como renovação definitiva da aliança com Deus, como perdão dos pecados, como salvação. Este é o motivo de ação de graças, o motivo da “Eucaristia” nas primeiras comunidades.

- Canto meditativo, intercalado com silêncios, retomada de um ou outro verso dos textos bíblicos, considerações pessoais:
Eu quis comer esta ceia agora, pois vou morrer, já chegou minha hora.
Tomai, comei, é meu corpo e meu sangue que dou;
Vivei no amor, eu vou preparar a ceia na casa do pai!
Ou:
Prova de amor maior não há, que doar a vida pelo irmão!


4. Demos graças ao senhor, nosso Deus – Leitura orante com o texto da oração Eucarística V:

- Analisar o texto da oração eucarística V. Levar o grupo a compreender profundamente e a encontrar a atitude espiritual de acordo com este momento da ação litúrgica. Perguntas que podem ajudar: a) Quem dá graças a quem? Qual o motivo? b) Estrutura, elementos, dinâmica, palavras, gestos? c) O lugar da oração eucarística na liturgia eucarística (cf. Jesus tomou o pão, deu graças, partiu, deu e disse...) d) O lugar da liturgia eucarística na estrutura da missa: reunião, palavra, eucaristia, envio.

Textos de referência: Redescobrindo a Eucaristia (Cesare Giraudo – São Paulo, Loyola, 200, p. 21-26); A Missa, memória de Jesus no coração da Vida (Ione Buyst, São Paulo, Paulina, 2004, pg. 22-24 e 31-32).
Para um encontro com catequizandos jovens, seriam interessantes as seguintes atividades:
- Momento de meditação/interiorização/assimilação, em atividades grupais (sem preocupação com a transmissão no grupo grande).
a) Dramatizar a última ceia (improvisar a “benção” falada por Jesus)
b) Fazer um cartaz (com desenho e texto) procurando expressar o sentido da oração eucarística
c) Cantar o Sl 116 (um dos salmos do hallel que Jesus cantou ao sair do cenáculo e dirigir-se para o Horto das Oliveira) com o refrão do salmo responsorial na Missa da ceia do senhor na Quinta-feira Santa: O cálice por nós abençoado é a nossa comunhão com o sangue do Senhor. Relacionar com a ação de graças de Jesus e com nossa oração eucarística na missa: erguer o cálice da bênção (fazer o brinde!).
d) Voltar ao grupo grande e partilhar algo da meditação grupal. Cantar todos o refrão do Sl 116.
- Cantar o Sl 116 (um dos salmos do hallel que Jesus cantou ao sair do cenáculo e dirigir-se para o Horto das Oliveira) com o refrão do salmo responsorial na Missa da ceia do senhor na Quinta-feira Santa: O cálice por nós abençoado é a nossa comunhão com o sangue do Senhor. Relacionar com a ação de graças de Jesus e com nossa oração eucarística na missa: erguer o cálice da bênção (fazer o brinde!).
- Conferir com o texto completo em 1Cor 10, 16-18: O cálice de bênção que abençoamos não é comunhão com o sangue de Cristo? O pão que partimos não é comunhão com o corpo de Cristo?(1Cor 10,16).


5. Viver o que aprendemos – O que levo deste encontro para minha vida?

- A partir do sentido do refrão, apontar as conseqüências da celebração eucarística para nossa vida. Não basta celebrar, é preciso deixar que a participação na celebração transforme nossa vida pessoal, familiar, eclesial, social. O que significa viver em comunhão com o corpo e sangue de Cristo, com o Cristo que se solidarizou com os pobres, que veio para libertar de toda escravidão, que nos amou até o fim, que entregou sua vida em ação de graças ao Pai, que nos deixou o memorial de sua morte e ressurreição? Olhando nossa realidade, o que é preciso salvar, libertar? É preciso a gente assumir o compromisso de continuar a missão de Jesus, pelo poder do espírito Santo, no dia-a-dia de nossa vida!
- Comparar nosso aprofundamento sobre a eucaristia coma compreensão e a vivência das pessoas que costumam ir à missa. Em que momentos costumam dar graças? A quem? Por qual motivo? Como e com quem partilhar o que aprendemos hoje?


6. Momento litúrgico: Uma partilha de alimentos em ação de graças.

- Preparar a mesa e convidar a todos para acercarem-se dela;
- Canto repetido várias vezes: Louvarei a deus, seu nome bendizendo; louvarei a deus, à vida nos conduz.
- Temos motivos para louvar e agradecer a Deus hoje?
- Quem gostaria de dirigir a palavra de bênção a Deus em nome de todos?
- Palavra de bênção (oração da mesa) – Erguendo a bandeja de pão e o vinho (suco).
- Partilha de alimentos, servindo aos outros, confraternizando.
- Com os braços apoiados uns nos ombros dos outros, balançando para a direita e para esquerda, cantamos várias vezes: Onde reina o amor, fraterno amor, onde reina o amor, Deus aí está...
- Palavra final, benção, abraço da paz.





[1] Algumas bíblias traduzem: abençoou; termo este que pode confundir, porque pode levar a crer que Jesus benzeu o pão e o vinho.

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO