terça-feira, 19 de agosto de 2014

A COORDENAÇÃO NA CATEQUESE

Não tem sentido pensar o ministério se não refletir também a necessidade de haver uma
coordenação na catequese. Justamente por contar com inúmeros voluntários no serviço da catequese, é importante que haja um trabalho de coordenação das atividades e das pessoas envolvidas neste processo, a fim de que todos caminhem em busca de um mesmo objetivo e coloquem seus esforços numa mesma direção.

O que sugere a palavra coordenar? Qual seu significado? Coordenar é:

- Exercer a missão de pastor que conduz, orienta e encoraja (cf. Jo 10,10).
- Articular pessoas, estruturas e atividades.
- Servir, em lugar de dominar.
- Buscar os pontos comuns em função da unidade.
- Incentivar a participação e a colaboração de todos.
- Saber administrar conflitos e tensões.
- Amar e doar seu tempo com prazer.
- Saber trabalhar em equipe.
- Abrir espaço para o diálogo.
- Saber dividir tarefas e responsabilidades.

Segundo o Diretório Nacional de Catequese, a coordenação é uma “co-operação”, uma ação em conjunto, de co-responsabilidade conforme os diversos ministérios. Jesus é a fonte inspiradora na arte de coordenar. Ele não assumiu a missão sozinho. Fez-se cercar de um grupo “(...) Em Jesus, o ministério da coordenação e animação caracteriza-se pelo amor às pessoas e pelos vínculos de caridade e amizade. Ele conquista confiança e delega responsabilidades” (DNC 314).

Todo catequista acaba realizando a missão de ser um líder, um coordenador entre os seus catequizandos. Contudo aqui se aponta para o trabalho de uma EQUIPE DE COORDENAÇÃO de catequese em uma paróquia ou comunidade. O bom desempenho da catequese depende sempre de uma boa coordenação. Isto quer dizer que o coordenador não pode caminhar sozinho, decidindo tudo sem contar com a participação do seu grupo.

A coordenação procura integrar todos os participantes do processo catequético: catequistas, pais, catequizando e a comunidade. Esse bom entrosamento é importante para que a catequese cresça quanto à formação, relacionamento humano-afetivo, escuta, diálogo, espiritualidade, comunhão e comunicação.

Quais as qualidades essenciais para a o serviço da coordenação?

- Humildade para assumir este ministério como missão que brota da experiência de vida cristã comunitária (DNC 318).
- Gratuidade (Não é o coordenador que se escolhe, ele é escolhido pela comunidade).
- Responsabilidade e consciência de suas funções e atribuições.
- Vontade de aprender: seguindo a metodologia do aprender a fazer fazendo.
- Sabedoria para valorizar os que os outros catequistas têm de especial, suas capacidades, virtudes, dons e carismas.
- Capacidade de escutar, animar e contagiar a todos pelo entusiasmo.
- Discernimento para tomar decisões e criatividade para ter iniciativas.
- Capacidade para aprender, buscar treinamentos e formação.

Ações concretas da coordenação de catequese na paróquia:

- Estar em sintonia com as orientações e encaminhamentos da coordenação diocesana e
setorial.
- Estar integrada e presente no Conselho Paroquial de Pastoral (CPP).
- Promover momentos de estudo, semana catequética, confraternização, retiros.
- Fazer chegar à coordenação setorial e arquidiocesana decisões, problemas, conflitos,
reivindicações e conquistas.
- Conhecer a realidade da catequese (crianças, adolescentes, jovens, pessoas com deficiência e adultos).
- Planejar a catequese (inscrição, turmas, temas para formação).
- Promover encontros de formação com catequistas e partilha das experiências.
- Encontros com os pais.
- Dinamizar o trabalho catequético na comunidade paroquial.
- Estar em sintonia com os coordenadores das comunidades e o padre responsável.
- Abrir espaços para planejamento de atividades e avaliação da caminhada.
- Participar dos encontros da coordenação setorial e arquidiocesana.
- Integrar a catequese na caminhada da paróquia, especialmente com outras pastorais afins (Pastoral Familiar, da Criança, da Juventude, Vocacional, Coroinhas e Acólitos, etc).

Ângela Rocha

SEGUIDORES DO CATEQUISTAS EM FORMAÇÃO